Ministério Público solicita na justiça torcida única nos Clássicos do Rio

O Ministério Público(MP)  entrou com a ação na Justiça, no Juizado do Torcedor e Grandes Eventos, na tarde desta quarta-feira ,solicitando  liminar  imediata para fazer com que apenas times mandantes tenham torcida na arquibancada em confrontos entre os grandes clubes do Rio .

 

O promotor responsável pela ação ,Rodrigo Terra, pediu também  a proibição de distribuição de ingressos para torcidas organizadas por clubes, pela CBF e pela Federação de Futebol do Rio de Janeiro. Exigindo assim que os mesmos adquiram seus ingressos da mesma forma que os torcedores não organizados adquirem.

No documento,enviado ontem  à Justiça, Rodrigo  explica que esta é uma “medida que não pode nem deve ser adiada também no Rio”  e cita  como exemplo a torcida única  que foi aplicada em São Paulo.

Rodrigo Terra, também solicitou que os quatro grandes clubes do futebol do Rio de Janeiro, a Ferj e a CBF sejam obrigados a cadastrar todos os integrantes de torcidas organizadas, com identidade, CPF e outros dados informativos que seriam usadas para autorizar e até  negar o acesso aos estádios.

O Promotor  alega ainda que “o modelo atual vem trazendo efeitos nefastos para a sociedade fluminense, com conflitos extremamente violentos verificados em quase todos os clássicos, bem como a frequente ocorrência de óbitos e lesões graves”, emendando que “a medida pode parecer, à primeira vista, excessiva, mas não é”.O  Brasil é o recordista mundial em mortes de torcedores por causa de brigas envolvendo organizadas.

O Ministério Público ainda pede multa de R$ 30 mil por dia em caso de descumprimento da liminar, caso seja concedida.
Caso seja  concedida a liminar,a FERJ  terá a  obrigatoriedade instituir  a torcida única no regulamento do Campeonato Carioca.

Rubens Lopes, presidente da Ferj ,fez  em nota ,uma longa posição contrária à argumentação do promotor:

“Há que serem tomadas medidas de forma a coibir e punir todo e qualquer ato de violência, mas entendemos que medidas eficientes, efetivas e eficazes só advirão com o entendimento e a participação de todos os segmentos envolvidos no evento. Ressalte-se que no interior dos estádios a incidência e a prevalência de distúrbios ou atos de violência é estatisticamente insignificante, em total contraste com os conflitos e barbáries que ocorrem rotineira e frequentemente nas ruas, fatos estes que provavelmente não venham a ser prevenidos ou evitados com o estabelecimento de torcida única”.

Alvaro Souza Che

Fonte : Zero Hora

Foto :Richard Souza