Com um público pouco acima de 34 mil pagantes, Abad garante lucro na operação

Jogando para um público pouco acima de 37 mil presentes e pouco mais de 34 mil pagantes, o Fluminense voltou a Maracanã após cerca de cinco meses longe do estádio. E de acordo com o presidente Pedro Abad, o clube obteve lucro na operação.

– Os 34 mil foram mais do que suficientes. E com preço bastante popular. Vamos refinar essa relação entre preço de ingresso com expectativa de público para sempre termos um resultado econômico favorável.O Fluminense conta com a sua torcida para encher o estádio, colocar público, que é o que paga os custos de operação. Enquanto estiver vigendo essa estrutura de custo, tem sempre de fazer a análise se é melhor jogar no Maracanã ou em outro lugar. Faz parte do negócio, e sempre vamos fazer essa avaliação. A priori, nossa casa é o Maracanã. Vamos fazer um estudo mais detalhado de qual público para jogar aqui, vamos procurar o público ideal. Tem de ver a estimativa e o que conseguimos colocar – comentou Abad.

A torcida correspondeu a expectativa da diretoria e compareceu com pouca mais de 37 mil presentes (Foto: Marcelo Sampaio)

Após travar uma briga judicial durante as últimas semanas com a concessionária que administra o estádio, o Fluminense foi obrigado a arcar com partes dos custos da operação, passando a pagar um “pequeno aluguel”, que gira em torno de R$500 mil, em contra partida, ficou com toda a renda da bilheteria do jogo, e 25% do valor arrecadado nos bares.

O resultado operacional ainda não foi divulgado, no entanto a expectativa é que o clube consiga faturar cerca de R$600 mil líquidos, já descontando o valor da operação.

ST,
Douglas Wandekochen