fbpx

Colunas

Opinião: A contratação de Oswaldo de Oliveira

A noite dessa terça-feira reservou aos torcedores tricolores a iminente surpresa do anúncio de Oswaldo de Oliveira como novo treinador do Fluminense. Essa aquisição, foi e ainda é muito contestada pela torcida tricolor. Porém, farei uma pequena análise dessa contratação e para que o torcedor possa, pelo menos, dar uma chance e confiar no trabalho do novo comandante.

Oswaldo de Oliveira já acumula duas passagens pelo Fluminense(2001 e 2006). Tem 77 jogos, 38 vitórias, 21 empates e 18 derrotas. Levou o time a semifinal do campeonato brasileiro em 2001. Essa será a terceira passagem do técnico pelas Laranjeiras.

Oswaldo nas Laranjeiras (Foto:Netflu)

Porém, ele não era o plano A da diretoria. Abel Braga, não topou assumir um time no meio de temporada. Dorival, plano B, afirmou ao Netflu estar negociando ainda com um time de fora do país. Oswaldo foi o plano C da diretoria, que acabou acertando. Nomes ainda como Jair Ventura, Thiago Larghi, Maurício Barbieri e Ariel Holan, ex-Independiente foram especulados pela imprensa mas nenhum confirmado pelo clube.

Contudo, o fato de que o Vice Presidente Celso Barros, culpado provável pela demissão de Fernando Diniz e que durante a semana colocou uma enorme pressão no ex-técnico, cobrando vitórias e melhor desempenho, foi alvo de milhões de torcedores, afirmando que o diretor fez as escolhas erradas. Mário Bittencourt no caso, sempre foi a favor da continuidade no trabalho de Diniz, porém, Celso, desde que assumiu, já impôs uma pressão ao ex-comandante.

Infelizmente, o futebol brasileiro ainda é muito fiel ao resultado. O aproveitamento de Diniz era bem ruim, apesar da boa campanha na Sulamericana, talvez não fosse o momento de demiti-lo, mesmo com toda a sua teimosia e fidelidade ao seu modelo de jogo, a diretoria tinha que ter um técnico na manga. Mas não tinha!

É claro que em oito meses, o time evoluiu e muito. Tenho certeza que a maioria dos torcedores são e gratos ao Diniz por tudo o que ele fez, mas a situação dele era muito complicada, o que não fecha as portas para um retorno futuramente.

Foto: Lucas Merçon / FFC

Oswaldo de Olivera era a melhor opção disponível no mercado? Ao meu ver, não. Porém, dentre as opções restantes, talvez fosse a que mais se encaixava no perfil e nas condições financeiras do clube. O fato de que ele já conhece o local de trabalho, provavelmente pesou para o Fluminense ir buscá-lo. Precisávamos de um técnico mais experiente, com mais bagagem(técnico “cascudo”) para poder pegar esse time tricolor e fazer alguns aprimoramentos ao estilo que o time vem jogando.

Oswaldo em sua passagem pelo Flu (Foto: Destak Jornal)

Só o tempo dirá se essa contratação foi acertada. Pode ser que dê certo? Sim! Como também pode dar errado. Só que como tudo, o treinador vai precisar do apoio da torcida! Não adianta ficar remoendo o que a diretoria deveria fazer ou deixou de fazer. Já foi feito! A página virou! Agora, é esquecer Fernando Diniz e dar apoio ao Oswaldo de Oliveira, o novo treinador do Fluminense Football Club.

Saudações Tricolores,

João Eduardo Gurgel

Tic tac ou reme reme

Guerreiros da Sul , Tricolores e Tricolindas , vou fazer minha leitura e análise dessa situação toda !! A filosofia de jogo do Diniz é válida , posse de bola , ofensividade , futebol bonito , vistoso , mas, previsível. Não apresentou variações táticas , independente de adversários em jogos fora ou em casa , quando durante uma partida o adversário mudava a marcação , uma mesmice , TIC TAC ou REME REME , como preferirem !

Futebol é resultado , bola na rede , GOL , Vitória , três pontos . Com nosso elenco atual não rola , teve 8 meses de treinamentos , com duas paradas , não evolui e nem aprimorou nada !

15 jogos , 3 vitórias , 3 empates e 9 derrotas . FALA SÉRIO !!! Aí, ficam essas viúvas do Diniz , as viúvas do Fred e agora juntou com as viúvas das urnas das eleições , tentando culpar o Dr Celso Barros. A culpa é total da gestão anterior , entregou um clube falido , um elenco com quase três meses de salários atrasados , cheio de penhoras , dívidas trabalhistas , e muita , mas, muita coisa obscura , que aos poucos com levantamento e pesquisa vem aparecendo . Esquece o Prof Pardal, já foi , tentou Abel , Dorival e aí ?? Vamos de Marcão , já alterou para um 4 / 4 / 2 , com Muriel , Gilberto , Nino , Digão , Mascarenhas , Caio Henrique , Allan , Ganso e Nenê , Wellington Nem e Yony , esse é o nosso time ideal hoje, mesclando experiência com juventude. Opções de duas substituições cirúrgicas , Marcos Paulo e João Pedro. E, lhes pergunto, porque não deixar Marcão até o fim do ano , e o dinheiro que fosse pagar um medalhão de técnico , investir urgente em um zagueiro para ser titular e um volante e lateral esquerdo sul americana. Com garra e brio !!! Essa e minha proposta ! O que acham ???

By Lauro Cernicchiaro / LUTEM ATÉ O FIM !!!

Numa semana decisiva….

O Fernando Diniz foi demitido, numa semana decisiva, sem que a diretoria tivesse um nome na cartola. Isso apenas mostra a falta de planejamento da atual gestão. Agora, sem dinheiro no cofre, somos obrigados a regatear o salário do próximo treinador, antes mesmo dele ser contratado. Agora é hora de cobrar do Celso Barros as promessas de campanha, como a vinda de grandes jogadores, os investidores que aportariam recursos no clube e etc. e tal. Alguém precisa dizer ao Celso Barros que o que ele foi um dia hoje já não é mais e jamais voltará a ser. Não dá para se portar como um bufão, com palavras vazias soltas ao vento e sem nada no bolso, apenas com o propósito de estabelecer uma empatia com os sócios e com os torcedores. O tempo em que se amarrava cachorro com linguiça já passou. Eu não tenho dúvida alguma de que o nosso semestre será de sofrimento, em todos os aspectos. É óbvio que essa nossa situação atual não pode ser creditada na conta do Mário Bittencourt, mas não dá para ele jogar toda a responsabilidade na gestão Abad, até porque esse último entregou o clube em situação bem melhor do que havia recebido. Também não dá para o Mário Bittencourt dizer que “não sabia” que tudo estava negro e embaçado, pois tinha plena consciência da nossa realidade. Agora, uma coisa é ser pedra e outra bem distinta é ser vidraça. A atual gestão está vendo como é complicado ir ao rio beber água na mesma hora que a onça sai da mata para beber água também. Volto a dizer: se a atual gestão prosseguir prestigiando “companheiros de campanha”, em detrimento dos que realmente podem contribuir para o Fluminense, vamos parar na piscina do vinagre com sal grosso. Precisamos arcar com o ônus do passado, acertar nossas contas com ele, sem dúvida alguma, mas precisamos de ousadia na atual gestão, neste exato momento, senão quisermos acabar em posição fetal, completamente encolhidos. E para isso é preciso que o presidente democraticamente eleito chame à mesa para o diálogo todos os tricolores que estão dispostos a ajudar e o quanto antes.

Por Marcello Luna

Clubes precisam cobrar transparência da CBF em relação ao VAR

Clubes precisam cobrar transparência da CBF , em relação ao VAR.

Não é a primeira vez nem a última que um clube é prejudicado pelo VAR , ou pela falta da solicitação do VAR.
Ganso foi atingido na área e após rever a jogada diversas vezes entendi que houve a penalidade , como sou árbitro formado pela EAFERJ , afirmo existem várias maneiras de se lidar com essa tecnologia , e sim pode ser utilizada por conveniência se não houver transparência, o essencial é transparência , o VAR deve ser gravado , as imagens diversas cedidas , e todas as atitudes da equipe de arbitragem devidamente documentadas , quem não deve não teme!
Veja o caso hoje , e não é choro de perdedor , saibamos separar as coisas , em outra matéria que fiz há minutos atrás , sou bem claro que não se justifica perder tantos gols e ter tanta ineficiência , o Fluminense não mereceu a vitória por pura incompetência. Mas há de se salientar, houve um erro de arbitragem devidamente evidenciado e que a regra permite voltar , o VAR não foi solicitado por que? O Clube precisa cobrar a CBF , e os árbitros precisam em qualquer dúvida dessas, solicitar o VAR, o Fluminense foi prejudicado contra o Goiás e agora contra o CSA em pleno Maracanã! Será mesmo que esse tipo de acontecimento seria possível contra o Flamengo ou Corinthians?! Há de salientar que as imagens diversas para a arbitragem de vários ângulos é cedida gentilmente pela Globo.
Vamos entender que o lance foi capital independente da ineficiência do nosso ataque e de nossa debilidade na defesa, se o VAR fosse devidamente acionado , como manda a regra , evitaria a derrota tricolor! A pergunta que não quer calar : porque o VAR não foi acionado após o Gol do CSA , já que a bola não parou , após polêmico penal sofrido pelo Ganso?!
No vôlei quem pede é o clube , porque precisamos ficar na mão da arbitragem devidamente na solicitação do VAR? Quem deve solicitar o VAR é o clube ! E a transparência tem que ser total , nas decisões da equipe de arbitragem!

Só em jogadas de penalidade, impedimento ou cartão como manda a regra , com um limite de e até 3 pedidos por período. Com a arbitragem prudentemente obviamente também solicitando assim se for necessário!

Imagem : ver-o-fato.com.br

Por Marco Velloso

Política no Flu

Opinião – Independente do resultado, que vença o Fluminense

Foto: Nicholas Rodrigues/CanalFlunews

Neste sábado (08), inicia-se um novo começo no Fluminense Futebol Clube, um começo que anuncia uma trajetória de grande dificuldade pra quem assumir a cadeira de presidente do clube.

Porém, essa dificuldade pode ser revertida com a vontade de reerguer o clube, a instituição. Vontade essa estampada nos olhos de ambos os candidatos.

Contudo, há de se destacar que o Fluminense não termina após a eleição, ela é só o começo, e isso tem que ficar bem claro principalmente para o derrotado nas urnas. Que o seu amor pelo Fluminense seja maior do que qualquer ego ou posição política, que se for fazer oposição, que seja coerente e defendendo os interesses do clube.

Ao torcedor, que fique também registrado a sua importância na hora de decidir o futuro de clube. Que após o pleito, esqueça de candidato A ou B e que pense restritamente no Fluminense. Se o candidato escolhido não cumpriu as promessas de campanha, cobre, não fique calado. Se por ventura votou no candidato derrotado, pense grande e torça pelo sucesso do eleito pela maioria, pois quem ganhará com isso não será Mário Bittencourt ou Ricardo Tenório, e sim o Fluminense.

Dito isto, Boa sorte ao vencedor e que vença o Fluminense, sempre !

Pedro Antônio comparece a evento mas não declara apoio a Tenório

Foto: Divulgação

Tido por muito como o fiel da balança nessas eleições, o idealizador do CT e ex vice de projetos especiais, Pedro Antônio, esteve presente no evento de lançamento da campanha de Ricardo Tenório à presidência do Fluminense.

Contudo, o ex dirigente não deu entrevista e nem declarou de forma oficial o apoio a Ricardo Tenório. Segundo o próprio Pedro Antônio, sua presença no local se decorreu devido ao convite feito por Tenório.

Tenório por sua vez jogou a “responsabilidade” para Pedro Antônio, dizendo que o apoio tinha que partir do ex diretor:

– As coisas acontecem naturalmente. Tenho conversado bastante com o Pedro Antonio, é um tricolor que nos ajudou muito e ainda pode nos ajudar muito. Mas esse apoio formal tem que vir dele. É uma pessoa importantíssima no processo político do Fluminense. Conto com ele como qualquer outro tricolor que deva assumir o Fluminense deve contar. Mas considero isso uma prova cabal de que estou conseguindo fazer a união que o Fluminense precisa – comentou Tenório.

O candidato ainda deixou as portas abertas para uma eventual ajuda na possível administração do clube:

– Todos estão se conscientizando que precisamos estar unidos para poder vencer esse grande obstáculo que é esse momento terrível político e financeiro que o clube vive. Estou aberto a conversar com todos os tricolores indistintamente de grupos. São pessoas que querem ajudar o Fluminense – completou Tenório.

Marcelo Souto lança campanha com foco na tecnologia e promete Diniz até o fim do mandato

Foto: Divulgação

O advogado Marcelo Souto, de 33 anos, lançou oficialmente sua candidatura ao cargo de presidente do Fluminense na noite da última terça-feira (28) na Barra da Tijuca.

O candidato prometeu, se eleito, um foco total no futebol e com direito a algumas inovações como a criação de um Centro de Inteligência e Aperfeiçoamento.

– Precisamos de um modelo de jogo enraizado. A forma como o time profissional joga, por exemplo com o Diniz, hoje, será a forma como todos os times da base também vão jogar. O Fluminense vai ser reconhecido por seu modelo de jogo – disse o candidato.

Souto ainda prometeu a manutenção do técnico Fernando Diniz até o final do seu mandato, com o treinador tendo total autonomia para implementar um sistema de jogo único em todas as categorias do clube:

– A minha ideia não é contar com o Fernando (Diniz) só até o final do ano, mas em toda a minha gestão. O futebol brasileiro não funciona dessa forma, mas deveria. Sou contra ter três ou quatro treinadores por ano. O futebol fica totalmente vulnerável – completou.

O advogado que ainda busca as 200 assinaturas para concorrer ao pleito do dia 8 de junho, ainda apresentou seu vice geral, o engenheiro e militar da reserva Ubiratan Oliveira.

Vale destacar que o Marcelo Souto tem que entregar as 200 assinaturas até a próxima quinta-feira (30).

Tenório lança oficialmente campanha à presidência do Fluminense e apresenta todos os nomes da chapa

Foto: Divulgação

Na noite da última terça-feira (28) o empresário Ricardo Tenório lançou oficialmente sua candidatura à presidência do Fluminense.

O evento que ocorreu no Salão Nobre de Laranjeiras, contou com a presença de todos os nomes que irão compor a chapa Libertadores, que como já explicou o candidato, não se trata de uma alusão ao torneio continental, e sim de uma tentativa de libertar o clube das amarras negativas.

Além dos nomes que já haviam sido apresentados na semana anterior: Wagner Victer (vice geral), Ayrton Xerez (vice institucional), Rafael Rolin (vice de assuntos jurídicos) e Ney Brito (vice de finanças), Ricardo Tenório apresentou também os novos integrantes do grupo para compor uma eventual administração: : Gustavo Marins (vice-presidência de patrimônio), Marilia Capela (vice-presidência social) e Sandor Hagen, diretor-executivo (CEO).

Faltou no entanto um nome na pasta: o do vice de futebol. Nome esse que Tenório explicou a ausência informando sobre uma possível exclusão da pasta:

– Hoje em dia você tem um cargo executivo no futebol que é muito representativo na maioria dos grandes clubes. Hoje já temos uma pessoa lá nessa função, que é o Paulo Angioni. Conversarei com ele, mostrarei nossa filosofia. É uma pessoa experiente. Vai ser direta a ligação com o presidente. E vamos ter um conselho diretor, com vice-presidentes estatutários não-remunerados. E vou pensar se vou extinguir ou não essa vice-presidência de futebol – disse o empresário.

Além de Ricardo Tenório, a eleição do Fluminense marcada para o próximo dia 8 de junho deve contar com Mário Bittencourt e Marcelo Souto.

Top