fbpx

Colunas

EM DEFESA DO FLUMINENSE

O advogado tricolor Mário Bittencourt, em entrevista  no ultimo domingo, descortinou todos os meandros jurídicos que envolvem o Fluminense,  Consórcio Maracanã e o Vasco da Gama.  Sendo totalmente imparcial, defendeu a Lei, o Direito e as Instituições.  Declarando,assistir razão,  as demandas judicializadas pelo Fluminense, e ainda esclareceu todas as clausulas não cumpridas pelo Consórcio, demonstrando as irregularidades cometidas contra a Instituição Tricolor.     Quanto a Denúncia do TJD contra o Fluminense, se manifestou no seu Instagram, da seguinte forma:“Sobre a denúncia feita pelo Procurador do TJD-RJ, no sentido de tentar excluir o Fluminense do campeonato carioca, digo o seguinte: a Justiça Desportiva tem sua competência restrita quanto às matérias de disciplina e competição, algo previsto no artigo 24 do CBJD, Código Brasileiro de Justiça Desportiva. O caso em debate é de natureza civil, ou seja, a discussão do descumprimento do contrato comercial entre o Fluminense e o Consórcio não está e jamais estará abrangida pela Justiça Desportiva. Isso é questão basilar do direito, ou seja, saber diferenciar os “terrenos” onde são debatidos os assuntos. O artigo citado pelo referido procurador (231 do CBJD), só é aplicado em casos onde o clube recorre à justiça comum para modificar decisão da justiça desportiva em matéria de disciplina e competição. Portanto, incabível a aplicação do artigo 231, única e simplesmente porque o Flu jamais poderia esgotar o debate na Justiça Desportiva sobre um contrato de natureza cível/comercial. Em síntese, nitidamente uma postura de dois pesos e duas medidas contra o Fluminense. A denúncia é ridícula pra não dizer maldosa. Não prospera no STJD e, se prosperar no TJD, será embasada por decisão teratológica. Aliás, a própria FERJ, ainda há pouco, também de maneira esquisita, reconheceu que a mudança de lado somente poderia ocorrer com a concordância do Fluminense, ou seja, como falei ontem num programa de TV, nosso clube foi vítima de um “acerto” para que houvesse um jogo de torcida única ou para que o Vasco pudesse estar do lado que não lhe é de direito. O texto da FERJ e, as palavras de seu presidente, comprovaram que existiu um movimento, por parte do consórcio, a favor do clube de São Januário. A resolução da FERJ reconheceu o direito do lado Sul ao Fluminense em todos os jogos, mas curiosamente “exige” um acordo contra o Vasco para os próximos confrontos. Dá vontade de rir. Nitidamente voltamos ao tempo das voltas olímpicas com caravelas de papelão!”

Por Wagner Aieta

 

 

E agora, de quem é a culpa ?

Guerreiros da Sul, Tricolores e Tricolindas ! Primeiro vou falar sobre o jogo: o Fluminense mais uma vez dominou o adversário com expressiva superioridade, 71.5 % de posse de bola. Soma-se ainda, três claras situações de gol perdidas – Everaldo, Luciano e Gonzáles.

Ontem, contudo, o TIC TAC do DIniz não foi eficiente. Faltou ser mais agudo, vertical e agressivo.

Muitos toques laterais e para trás e, mais uma vez tomamos um gol de bola parada. E, que já está virando rotina !

Agora, passamos para a outra questão: primeiramente, quero parabenizar o Sr. Pedro Abad, que pela primeira vez em mais de dois anos tomou uma atitude de MACHO e defendeu com rigor e paixão o FLUMINENSE. Parabéns ao departamento jurídico do clube, que venceu todas as batalhas pré jogo. Por outro lado, foi LAMENTÁVEL a atitude do consórcio Maracanã e FERJ que junto com alguns irresponsáveis do Nanico da Colina, tumultuaram desde o final do Fla Flu. Investigações devem ser feitas, denúncias precisam ser apuradas. Não podemos deixar passar em branco. Foi tudo muito estranho e suspeito.

Algumas perguntas devem ser respondidas, como: Quem autorizou a entrega do malote dos ingressos do setor sul ao Vasco ? Por que, apesar de uma decisão judicial continuaram vendendo ingressos no peito ? Por que todos se uniram contra o Fluminense, inclusive as emissoras de TV e pressionaram o juiz de plantão no JECRIM horas antes do jogo ? Por fim e não menos importante: como liberam a entrada de torcedores que derrubaram as grades e tentaram invadir o Maracanã ao invés de serem presos em flagrante ?

O departamento jurídico do clube tem que continuar acionando e cobrando.

Milhares de tricolores deixaram de comparecer por se sentirem ameaçados pela falta de segurança e estrutura para terem acesso ao estádio. Tempo e direito a PERDAS e DANOS, e sei mais lá o que, pois não sou advogado. A hora é agora ! Lutar pelos nosso direitos e defender a Instituição.

Doidos na estreia do Ganso. Espero que o mistério do departamento médico do Gilberto chinelinho termine. E PEDRO ? Moleque, 21 anos. Como é que é ? Vai ou não vai ? Tá parecendo fratura de fêmur de um senhor de 70 anos, Bora ! Acelera a fisioterapia e reforço muscular. Já passou da hora de voltar.

No mais, Saudações Tricolores ! Vitória na Guerra !

Parece piada, mas não é!! Perguntas sem respostas.

Parece piada, mas não é.
Quem acompanha essa página (Fluminense da Depressão) sabeb que aqui a gente critica o Abad pra kct em tudo, faz meme com ele, faz piada, xinga ele e o kct.

Mas dessa vez, por questão de justiça, não tem como ficar contra o presidente, e principalmente contra o clube.

Algumas perguntas ao TJD-RJ:

1°: O Campello, presidente do Vasco, será denunciado também? Aliás não foi ele que chamou a torcida pro estádio sem respeitar uma decisão judicial, sem respeitar um contrato do Fluminense com o consórcio, não foi o Vasco que saiu vendendo ingresso sem chegar à um acordo com o Fluminense antes sobre qual lado utilizar? a liminar foi derrubada aos 30 min do 1° tempo, antes disso aconteceu o que todos viram lá fora. O Abad é responsável? Ele causou isso? O FLUMINENSE causou isso? O clube pediu pra torcida não ir ao estádio no dia do jogo, suspendeu as vendas de ingresso no dia do jogo, e a culpa é nossa? É do presidente Abad?

2°: Os procuradores do TJD-RJ faltaram nas aulinhas de português? A palavra “guerra” realmente poderia ter sido evitada naquele momento, mas qualquer idiota com um mínimo de neurônios entendeu que o presidente estava falando de bola e campo, guerra no grito, na arquibancada. Se for enquadrar o Abad por isso, denuncia o Campello também, por chamar sua torcida ao estádio desrespeitando uma decisão judicial e ter causado o tumulto que causou.

3°: As pessoas responsáveis pelo incêndio no Flamengo, que matou 10 jovens na tragédia do ninho do urubu, até agora não foram punidas. O que fizeram foi caçar as bruxas nos CT’s dos outros clubes, incluindo o Fluminense. Estranho não? Pq não se preocupam em punir os responsáveis? Vou confessar que nem sei se esse caso o TJD-RJ pode interferir, mas essa pergunta é mais pro geral mesmo. Foram caçar bruxas no outros clubes pra abafar invés de punir os responsáveis, inclusive a mídia… piada!

4° O Bruno Silva será julgado por ter cuspido na torcida do Vasco, justo. E o Felipe Bastos com xingamentos homofóbicos à instituição e aos torcedores do Fluminense, será julgado também? Nem vamos entrar no mérito se essa brincadeira é válida pra torcida rival ou não, mas um jogador profissional pode fazer essas ofensas e nada acontece? E se fosse um jogador do Fluminense? Aí seria julgado né?

Como diria o capitão Nascimento: O Sistema é F…, parceiro. Contra tudo e contra todos, assim vive o Fluminense desde o caso de 2013, respeitando as leis, a justiça e mesmo assim sendo massacrado. Brasil.

Continuamos sendo, somos todos Fluminense. ST!
Autor desconhecido, extraído da página Fluminense da Depressão (editado)

Uma final com a triste decadência do futebol Carioca

J. Ricardo Fernandes

A final deste domingo (17) mostrou mais uma vez que o nosso futebol carioca está em decadência.

Precisamos a assumir a responsabilidade como torcedores? Sim! Porém, acima de tudo, devemos ser respeitados: como torcedores, como clientes, como apaixonados pelos clubes e, apaixonados pelo espetáculo desse esporte, chamado futebol.

Na minha opinião, o Fluminense precisa se posicionar como o clube de tradição e títulos que é.

Porque nós, torcedores, gostamos de um jogo com raça, gostamos de lotar os estádios, claro que queremos sempre a vitória mas acima de tudo queremos apoiar o nosso time do coração. Queremos gritar, cantar e aplaudir o time. Isso tudo sempre faremos independente do resultado.
Queremos um basta em todo esses assuntos políticos fora de campo e queremos ver bola na rede!

Esse é o recado e o sentimento que tenho como torcedor apaixonado pelo Fluminense.

Um abraço a todos e uma excelente semana.

 

Por: Marcelo Moreira

Política no Flu

Maioria apoia mudança estatutária, e eleição no Fluminense será remarcada

Convocada por Pedro Abad para promover uma mudança no estatuto, a Assembleia Geral ocorreu durante este sábado, nas Laranjeiras, e aprovou a antecipação da eleição, prevista, inicialmente, para novembro. A tendência é que seja remarcada para março. 

– O processo se desenrola de uma forma que precisa ser respeitado. O primeiro passo é registrar essa ata no Registro Civil de Pessoa Jurídica. Depois, sim, podemos divulgar a data da nova eleição. O pessoal trabalhou pesado para fazer esta assembleia em tempo recorde. Precisamos reorganizar o clube para fazer uma outra. Então, não pode ser em um prazo extremamente curto pois os candidatos precisam montar as suas chapas. Um mínimo de apresentação das suas plataformas. Será da forma mais célere que pudermos fazer. Tenho a data que eu quero na cabeça, mas, por respeito ao processo, ela ficará guardada por enquanto – revelou o presidente.

Eram 10.501 sócios aptos a votar. Porém, apenas 994, ou seja, menos de 10% se encaminharam à sede para expressar seu posicionamento quanto à proposta, que divide opiniões entre os personagens mais influentes na política do clube. Foram 812 favoráveis e 179 contrários à antecipação. Houve três nulos. 

A votação terminou às 18h, mas a apuração levou algum tempo até ser iniciada e, depois, concluída. Os sócios assinalaram a opção desejada em uma cédula de papel, colocada numa urna. O resultado saiu por volta de 19h10. 

Oposicionistas até ensaiaram um pedido de recontagem dos votos, mas recuaram da ideia. A assembleia, inclusive, pode virar alvo de ações judiciais, sob a alegação de suposto desrespeito ao estatuto. 

Letícia Tavares, sócia que impetrou processos contra o Fluminense para cancelar a Assembleia Geral, disse que recebeu a carta de convocação para votar e, ao chegar ao local, acabou impedida, uma vez que ainda não tem o tempo mínimo de associação. A reclamação se junta a mais sete ocorrências registradas em ata, segundo o presidente do Conselho Deliberativo, Fernando Leite.

– Existem alguns protestos na ata que devem ser analisados. Pedi a um tabelião para fazer a ata para termos transparências. Alguns sócios reclamaram. Fiz a minha parte de comandar a assembleia. Em dez dias, a ata fica pronta e, apartir daí, o presidente do clube, caso não haja objeção, tomará as providências que achar – declarou.

Pedro Abad deixou seu voto na urna às 11h50 e acompanhou o processo ao longo do dia. Mário Bittencourt, Ricardo Tenório e Celso Barros, o triunvirato que montará chapa para a próxima corrida eleitoral, compareceram à sede. Assim como Pedro Antônio e Cacá Cardoso, que se declararam contra a alteração estatutária. 

— É um passo importante para que o Fluminense possa reconstruir sua história, se recolocar nos caminhos das vitórias, se reconstruir como gigante do futebol brasileiro e resgatar sua alma. Acho que foi muito importante esse primeiro passo. O segundo é a eleição que, possivelmente, vai ser em março — avaliou Mário Bittencourt, em entrevista à VAVEL.

Publicado por: Nicholas Rodrigues.


LEIA MAIS: Pedro Antônio vê renúncia como saída ideal e discorda de Assembleia; “Sou contra rasgar o estatuto”

LEIA MAIS: Ricardo Tenório aprova Assembleia Geral: “Fluminense não aguenta duas eleições num só ano”

 

Pedro Antônio vê renúncia como saída ideal e discorda de Assembleia: “Sou contra rasgar o estatuto”

Pedro Antônio compareceu às Laranjeiras neste sábado para acompanhar a Assembleia Geral, que ocorre desde 9h e se encerrará às 18h. O ex-conselheiro conversou com o Canal FluNews e se posicionou contra a mudança no estatuto sugerida por Pedro Abad. 

– Eu respeito o estatuto. Quem não respeitar a constituição máxima do Fluminense, que é o estatuto, não vai respeitar mais nada – disparou. 

Para o responsável pelas obras no Centro de Treinamento, na Barra, a opção ideal para o Fluminense seria a renúncia do presidente, possibilidade que está descartada.

– O mais importante é que eu sou a favor que o presidente saia. Ele já devia ter saído em dezembro, na reunião (na qual Abad expôs a proposta de antecipação da eleição). Se ele renunciasse, no dia de hoje, poderíamos estar votando um novo presidente – disse.

Pedro Antônio conversa com torcedores nas Laranjeiras. (Foto: Nicholas Rodrigues/Canal FluNews)

Pedro Antônio não assegurou sua candidatura à presidência, mas diz que vem observando possíveis cenários. Questionado sobre um eventual grupo ao qual se filiaria, ele despistou.

— Estou analisando. Vamos ver o resultado agora, como é que seria, quais são as situações. Só tenho um grupo, que se chama Fluminense.

Publicado por: Nicholas Rodrigues.


LEIA MAIS:Ricardo Tenório aprova Assembleia Geral: “Fluminense não aguenta duas eleições num só ano”

LEIA MAIS: Maioria apoia mudança estatutária, e eleição no Fluminense será remarcada

Ricardo Tenório aprova Assembleia Geral: “Fluminense não aguenta duas eleições num só ano”

Desde a manhã deste sábado, os sócios estão reunidos nas Laranjeiras para votar a Assembleia Geral, convocada por Pedro Abad e que decidirá se as eleições, marcadas para novembro, serão remarcadas para março. 

Ao Canal FluNews, Ricardo Tenório, que deve formar chapa com Mário Bittencourt e Celso Barros, explicou por que considera importante a mudança estatutária. 

— Para que o clube retome o equilíbrio e se reestruture, num período grande, com um só presidente. Tendo uma nova eleição, o sócio é soberano para decidir. Isso é o mais importante, é uma democracia. Acho que o “sim” (pela antecipação da eleição) é a melhor alternativa para o Fluminense — disse.

Ricardo Tenório passou o dia acompanhando a votação. (Foto: Nicholas Rodrigues/Canal FluNews)

Tenório lembrou o encontro ocorrido em dezembro, entre figuras importantes da política do clube, quando Abad expôs o meio pelo qual pretende deixar a presidência. Vale lembrar que o mandatário não considera a renúncia, uma vez que ainda se vê em condições de comandar o Fluminense.

 – O presidente, por iniciativa própria, resolveu fazer uma alteração no estatuto para que ele saia. Não só pela vontade dele, mas da grande maioria. Fluminense não aguenta duas eleições – avaliou.

A grande dúvida sobre o triunvirato é quanto ao nome que virá como o cabeça de chapa. A indefinição, aliás, deve levar mais algum tempo até ser solucionada. 

— Somos a verdadeira oposição, unidos desde a última eleição, eu Mário e Celso. Estamos estruturados, sim. Mas não sabemos se terá uma nova eleição. Se sim, iremos, num momento oportuno, definir o cabeça de chapa e lançar a candidatura. 

Publicado por: Nicholas Rodrigues.


LEIA MAIS: Pedro Antônio vê renúncia como saída ideal e discorda de Assembleia: “Sou contra rasgar o estatuto”

LEIA MAIS: Maioria apoia mudança estatutária, e eleição no Fluminense será remarcada

Sim ou Não, eis a questão. AG 26/01/19.

Resultado de imagem para eleição fluminense

Dúvidas ecoam nas Redes Sociais entre os Sócios Proprietários, Contribuinte, Futebol e Torcedores do Fluminense FC  sobre a Assembléia Geral convocada pelo Presidente Pedro Abad:  O que será votado? Como votar? Quem pode votar?

Informações básicas sobre esse assunto.

 Finalidade

 Mudança estatutária para a antecipação das eleições gerais que ocorreria normalmente em  novembro de 2019,  para 45 dias após a votação e resultado da AG, com a finalidade de saber a opinião dos Sócios para eleger  Presidente, Vice Presidente e Conselheiros. Nesse caso o mandato do Presidente e Vice Presidente iniciaria em 2019 com término em dezembro de 2022, ou seja, o período restante de 2019 (tampão) mais três anos, e o Conselho Deliberativo.

  Votando SIM

Sendo aprovada a antecipação pela vontade da maioria dos Sócios do Fluminense FC o Presidente em exercício Pedro Abad terá que convocar eleições gerais para 45 dias logo após o resultado publicado pelo Presidente do Conselho Deliberativo Dr. Fernando César Leite. Votando SIM assume o Presidente, Vice Presidente Geral e parte dos Conselheiros da chapa vencedora para completar o quadro do Conselho Deliberativo que foi eleito com o Presidente Pedro Abad em 2016, todo o Conselho Deliberativo eleito em 2016 permanecerá ate dezembro de 2019.

Votando NÃO

O Presidente Pedro Abad continua no cargo até o final do seu mandato  dezembro de 2019, só saindo em caso de Impeachment ou Renúncia.

Direito a votar

Sócios maiores de 16 anos com título de Sócio individual.

Sócio Proprietário ou Contribuinte com mais de 1 ano de sócio e com suas obrigações financeiras em dia.

Sócio Futebol com mais de dois anos ininterruptos completos até o dia da Assembléia Geral e com suas obrigações financeiras em dia.

Em tempo: os Sócios Contribuinte e Proprietários que não estiverem em dia com suas obrigações financeiras podem quitar todos os seus débitos na secretaria do clube no dia da votação, os Sócios Futebol com menos de três mensalidades em aberto  podem quitar seus débitos junto a secretaria do clube.

Fica claro o seguinte, os Sócios que não tiverem as condições de associação (tempo de Sócio) não poderão vota na AG ou para Presidente em 45 dias.

Por Wagner Aieta

Top