fbpx

Pedro comemora gols nos três rivais: ‘Gratificante’

É fato: Pedro está se consolidando no time de Abel Braga. Depois da saída de Henrique Dourado, o dever de goleador caiu nos pés da joia de Xerém. Apesar de ainda conviver com a desconfiança de torcedores, o centroavante dá a resposta dentro de campo: além de ser, por enquanto, o artilheiro isolado do Campeonato Carioca, marcou gols contra os três rivais do Rio. Isso tudo com apenas 20 anos.

Pedro, em sua primeira temporada como titular, balançou as redes diante de Flamengo (no 4 a 0, pela Taça Rio), Botafogo (no 3 a 0 da final do segundo turno) e Vasco (na derrota por 3 a 2, pela semifinal do Carioca). Tornou-se, portanto, peça decisiva nos duelos mais importantes. Motivo para comemorar, é claro.

– Gratificante para mim fazer gols nos três times. Em jogos grandes que aparecem os grandes guerreiros. Fico feliz por esses gols nos times do Rio e espero dar continuidade no trabalho, pois está sendo um bom começo de ano – avalia.

Entre os jogadores do elenco de 2018, somente Marcos Jr., Gum e, agora, Pedro anotaram gols nos principais rivais regionais. Fora da finalíssima do Estadual, o camisa 32 vê sua artilharia ameaçada por Brenner (5) e Andrés Rios (4), atletas de Botafogo e Vasco, respectivamente.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: LANCE!

 

He-Man admite sondagem do Fluminense, mas prefere o América-MG: ‘Estou feliz’

À procura de um centroavante para disputar a titularidade com Pedro, o Fluminense tentou um velho conhecido da torcida tricolor. Com duas passagens pelas Laranjeiras (2007 e 2011-12), Rafael Moura, de 34 anos, ouviu sondagens do ex-clube. No entanto, o interesse, confirmado por ele mesmo, passou batido. A preferência do jogador, hoje, é permanecer no América-MG, de volta à Série A do Campeonato Brasileiro.

– Não tem nada (de Fluminense). Desde a outra entrevista eu falei: o Fluminense fez uma sondagem, mas me posicionei que estava muito feliz e que tinha feito a escolha de ficar em Belo Horizonte e no América. Então, não prosseguiu nada disso. Foi mais coisa de imprensa, de internet. Se chegar algo, não sei como será feito pelo América. Mas quero permanecer aqui. Estou muito feliz – garante.

Com a camisa tricolor, He-Man conquistou uma Copa do Brasil e um Campeonato Carioca, além de ter dado início à campanha do tetracampeonato brasileiro – transferiu-se para o Internacional durante aquele ano de 2012. Tem, ao todo, 85 partidas e 28 gols pelo Flu.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense manifesta interesse em Caio Henrique, do Atlético de Madrid

Eliminado da Copa do Brasil e do Campeonato Carioca, o Fluminense se movimenta no mercado em busca de reforços para seus dois únicos focos em 2018: o Brasileirão e a Sul-Americana, que começam para o grupo tricolor na segunda semana de abril. A bola da vez nas Laranjeiras é Caio Henrique, que integra o time B do Atlético de Madrid. Na sexta-feira, o meia postou foto num aeroporto madrilenho, embarcando rumo ao Brasil. Ele negocia seu retorno ao futebol brasileiro.

Caio é revelação da Vila Belmiro e estaria em vias de acertar empréstimo até dezembro ao Santos – inclusive, manifestou desejo de vestir a camisa do alvinegro praiano. No entanto, alguns detalhes, como salários, travam a oficialização do reforço. Além do Peixe e do Tricolor, dois times estão atentos à situação: Botafogo e Paraná.

Defendendo o Atlético de Madrid desde 2016, onde atuou seis vezes e nunca marcou gols, Caio Henrique, de 20 anos, fez oito jogos pela Seleção de sua categoria – também passou em branco.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: ESPN

Wellington Silva analisa dispensa e se diz grato ao clube: ‘Minha história lá foi bonita’

Em dezembro passado, o Fluminense, numa medida que visava reduzir a folha salarial, anunciou uma lista de dispensa com oito jogadores. Nela estava, também, Wellington Silva. Ele e Marquinho viveram situações parecidas: dispensados enquanto ainda estavam machucados e precisavam se tratar. Apesar da forma como se deu a saída de Laranjeiras, o lateral-direito mantém carinho e gratidão ao clube. Mas vê equívoco no desenrolar da história.

– É preciso ter gratidão. Mesmo errando, especificamente na parte de eu estar lesionado, o clube fez muita coisa por mim. No Fluminense, tive sequência, consegui ser reconhecido nacionalmente e construí a minha carreira. Devo isso ao clube, que é enorme. Foi ele quem me abriu portas ao futebol – disse, antes de ponderar:

– Faltou consideração comigo. Em 2016, eu dei a vida machucado. Não importa se o time ganhou ou não. Eu joguei. Eu não sabia que estava machucado só porque ainda não tinha feito exame. Mas sabia que tinha algo errado pois estava doendo muito. Tenho mais de 100 jogos, me dediquei muito. Enfim, faltou sensibilidade deles. Mas passou. Vou seguir a minha vida.

Foi pelo amor às três cores que Wellington Silva preferiu resolver a rescisão sem levar o caso à Justiça. O caminho escolhido, portanto, foi a conversa. E, embora tenha demorado, o martelo foi batido nesta semana.

– Nunca quis entrar na Justiça. A primeira coisa que falei ao meu empresário foi tentar o acordo. Tem de ter gratidão na vida, aprendi isso. O clube é feito de pessoas e lá tem pessoas que gosto demais. O pessoal da rouparia, da fisioterapia, os massagistas. Torço por eles. A vida segue para o clube e para mim – declarou, durante entrevista ao Globoesporte.com.

Foram três anos vestindo verde, branco e grená. Um título – a Primeira Liga – e, ao todo, 128 jogos. Apenas três gols. A passagem de Wellington Silva por aqui pode ser resumida em números e, sobretudo, críticas da torcida. O que, para o jogador, é normal, desde que sem ofensas. Dentre as temporadas de Fluminense, a melhor, aponta Wellington, foi 2015. Uma época marcada por dificuldades, mas que chamou a atenção do atleta pela parceria entre time e torcedores e o fez criar laços mais fortes com o Tricolor.

– Foi um ano muito bom. Brincava com o Fred que só era eu que dava passe para ele. Marcou a minha carreira, o ano. A torcida estava junto, foi um período difícil, de transição da Unimed. Hoje em dia posso falar que torço para o Fluminense. Tenho muitos amigos lá. É bom ver o clube campeão, as pessoas felizes. Minha história lá foi bonita.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues

Fonte: Globoesporte.com.

 

Flamengo reformula seu futebol e considera contratação de Marcelo Teixeira

Eliminado pelo Botafogo no Campeonato Carioca, o Flamengo promoveu enorme reformulação no departamento de futebol. Diante da demissão de Rodrigo Caetano, a ideia na Gávea é fazer uma dança das cadeiras, podendo envolver Marcelo Teixeira, alvo de reclamações de torcedores e conselheiros nas Laranjeiras.

A tendência é que Carlos Noval, atual coordenador do juniores, assuma o cargo de Caetano. Desta forma, o Rubro-Negro estuda um novo nome para se responsabilizar pelas divisões de base. Marcelo Teixeira, do Flu, e Eduardo Freeland, do Bota, são especulados por lá.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Jornal Extra

Fluminense negocia com João Carlos e se aproxima de acerto

Autor de quatro gols no Campeonato Carioca de 2018, João Carlos se despediu da Cabofriense e, agora, tem negociação avançada com o Fluminense. A expectativa é que o centroavante, de 23 anos, realize exames médicos no clube em breve. Ainda se espera, também, a assinatura do contrato.

João Carlos pertence ao Sampaio Corrêa de Saquarema e esteve quase certo no Volta Redonda, que disputará a Série C. Mas suas atuações agradaram ao interessado Fluminense, que busca opções baratas para se reforçar. Os únicos jogadores da posição no elenco de Abel Braga, hoje, são Pedro e Felipe, ambos de 20 anos.

Famoso por sua mobilidade, João Carlos se destaca pelos gols e assistências. Ambidestro, ainda sabe bater faltas e fazer pivô. O atleta acumula passagens por Bonsucesso, Macaé e Boa Esporte.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

R$50 Milhões em um mês: como o tricolor planeja sanar essa dívida ?

Maior parte dos gastos é com rescisorede ex jogadores.

Apresentada na última terça-feira (27), durante a reunião extraordinária do Conselho Deliberativo do Fluminense, o vice de finanças, Diogo Bueno, apresentou um cenário nada animador: a necessidade de capitação de R$50 milhões.

Tal valor é referente a impostos em atraso, comissões devidas a empresários e parte das rescisões a sete jogadores do grupo de liberados ao final do ano passado, onde apenas o zagueiro Henrique ainda não chegou a um acordo. A maior parte dessa dívida se deve em sua maior parte aos atletas dispensados, onde só em 2018 chega em um total de R$15 milhões, contudo, o valor é abaixo do que o clube gastaria em relação aos salários dos atletas, uma vez que só com Diego Cavalieri, Marquinho e Henrique, o clube gastaria R$18 milhões anuais.

Para conseguir o valor, o tricolor já tem um plano traçado e buscará o recurso via Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC). Ou seja: pegará um empréstimo com investidores, com os direitos de transmissão como garantia, em que haverá cobrança de juros. Essa medida já vem sendo tomada desde o ano passada e já está bem encaminhada.

 

ST,

Douglas Wandekochen

Mascarenhas pode disputar a Série A pelo Sport

Depois do empréstimo ao Botafogo-SP, Mascarenhas deve ter a Ilha do Retiro como rumo. O Sport, em busca de contratações para a disputa da Série A, vê o lateral-esquerdo como opção para reforçar o setor.

– Mascarenhas é um dos atletas que estamos analisando. É um dos nomes que estamos apurando. Klaus Câmara (executivo de futebol) entrou em contato com o Fluminense para saber a situação do jogador. Temos quatro nomes e ele é um deles – disse Júlio Neto, diretor de futebol do time pernambucano.

A ideia do Sport é acertar a contratação até a estreia no Campeonato Brasileiro, dia 15 de abril. Com Ayrton Lucas, em alta nas Laranjeiras, e Marlon, Mascarenhas deve estar fora dos planos de Abel Braga para a temporada.

A tentativa do Leão talvez sofra um empecilho: a relação desgastada entre os clubes, dada a disputa judicial pela negociação de Diego Souza ao São Paulo.

Enquanto defendeu o Botafogo-SP, que foi até às quartas de final do Paulistão, Mascarenhas atuou em 11 jogos, sem marcar gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Alan espera retornar ao Fluminense e admite: ‘Sou tricolor de coração’

Aos 28 anos, Alan está brilhando na China. Ao lado de Ricardo Goulart, ex-Cruzeiro, comanda o ataque do Guangzhou Evergrande e vive fase artilheira – são nove gols em só oito jogos. Até por isso – e por fatores como família, adaptada ao país -, descarta deixar as terras chinesas agora. Mas, quando decidir retornar ao Brasil, promete pensar com carinho no Fluminense, pelo qual atuou entre 2008 e 2010.

– Tenho um carinho especial pelo Fluminense. Foi o clube que me revelou, me mostrou para o Brasil. Sou muito grato por tudo o que me proporcionou. Claro que a gente não pode fechar as portas para nenhum clube, pois sabe como é o futebol. Mas se tivesse uma preferência, seria o Fluminense – confessa.

Embora longe do Rio de Janeiro, Alan conta que ainda está atento ao que acontece nas Laranjeiras e faz uma crítica ao presente do clube.

– A gente sabe que a situação não está muito legal, mas torço para que melhore, porque o Fluminense é gigante e não merece viver a situação que vive – diz.

Nem mesmo a distância pôde apagar a paixão de Alan pelo Flu. Afinal, além de ter iniciado aqui o caminho do sucesso, foram grandes momentos vestindo verde, branco e grená. Ao Globoesporte.com, o craque fez uma confissão sobre sua relação com o Tricolor.

– O Fluminense me abraçou e foi recíproco. Esse carinho vou levar para minha vida toda. Hoje com certeza posso dizer que sou tricolor de coração.

Recado para a torcida

Fala, galera tricolor. Queria agradecer todo carinho que ainda recebo nas redes sociais, todo mundo pedindo minha volta. Queria dizer que fico muito feliz pelo carinho, tenho lembranças boas. Espero um dia voltar e, quem sabe, dar muitas alegrias para vocês.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Eliminações forçam mini pré temporada no Fluminense

Tricolor ficará 11 dias sem jogos oficiais.

Fora das finais do Estadual e eliminado precocemente da Copa do Brasil, o Fluminense terá uma mini pré temporada “forçada”, uma vez que o tricolor só volta a campo no próximo dia 11 de abril, quando enfrenta o Real Potosí na estréia da Copa Sul-Americana, no Maracanã.

Essa será a segunda vez em.apenas três meses que o tricolor ficará um longo período sem jogos. Em fevereiro já havia ficado 12 dias só treinando após ser eliminado na fase de grupos da Taça Guanabara.

Vale destacar ainda, que além da eliminação para o Vasco no Estadual, o tricolor ainda conta com uma eliminação precoce na Copa do Brasil, quando foi eliminado para o Avaí, perdendo os dois jogos: 2 a 1 no Engenhão e 1 a 0 na Ressacada.

 

ST,

Douglas Wandekochen

foto: Divulgação/FFC
Top