Pedro entende que cobranças são normais e promete foco: ‘Meta é conquistar títulos’

Alvo de desconfiança da maioria da torcida, Pedro assumiu o posto de goleador do Fluminense em 2018, em função da saída de Henrique Dourado para o Flamengo. Sucessor do artilheiro do Brasil no ano passado, o camisa 32 se diz pronto para lidar com a pressão e se consolidar entre os titulares. Ao que tudo indica, Abelão está satisfeito com o desempenho do jovem: são 4 gols e 4 assistências em 11 jogos.

– Sei da minha responsabilidade. Estou preparado para ser titular do Fluminense. Procuro sempre ajudar o time da melhor forma, seja com gol, seja com assistência – diz.

Com 100% de aproveitamento na Taça Rio, o Tricolor é um forte candidato ao título do segundo turno do Carioca. Este, inclusive, é o objetivo de Pedro para a temporada: levantar taças.

Ainda sem sombra no banco, Pedro aproveita momento como titular e pretende títulos. (Foto: Lucas Merçon)

– Minha meta é pensamento coletivo, conquistar títulos. Em um clube grande como o Fluminense, conquistar títulos é sempre o objetivo. E, com o coletivo funcionando, o individual vai aparecendo – crê o jogador.

Na noite da próxima quarta-feira, o time de Abel Braga vai a campo pegar o Vasco, no Nilton Santos. O clássico, que será o terceiro do ano para o clube das Laranjeiras, promete ser complicado. Assim entende o centroavante.

– Estou muito tranquilo. Estamos invictos na Taça Rio. Clássico é super difícil, contra uma grande equipe, que é o Vasco. Hoje é regenerativo. Amanhã, vamos nos preparar para o jogo – explica.

Leia mais respostas de Pedro

Oportunidade como titular

– Sempre bom começar o ano como titular. Sempre sonhei com esse momento, sei da minha responsabilidade aqui dentro. Vou procurar retribuir dentro de campo. Vou dar foco no trabalho para poder fazer um ótimo ano.

Gesto para comemorar gols, a reverência

– Isso veio desde o jogo do Criciúma, no ano passado. Meu primeiro gol pelo Flu. Fiz essa reverência me apresentando à torcida. Espero fazer muitas ainda este ano.

Cobrança de pênalti de Robinho

– Ele pediu para bater. No momento eu deixei bater. Era importante para ele. E ele, graças a Deus, fez o gol.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.