Fluminense descumpre acordo por Marquinho, e Udinese aciona a Fifa

Marquinho foi contratado, em julho de 2016, e dispensado, em dezembro de 2017. Passou pouco mais de 500 dias no Fluminense, que ainda deve à Udinese o pagamento da compra do meia.

Na ocasião, o presidente era Peter Siemsen. O negócio envolvia a aquisição de 100% dos direitos econômicos por 1 milhão de euros (R$ 4 milhões, na cotação atual). As partes acertaram que o valor deveria ser depositado em 2017, quando Pedro Abad assumiu a presidência. A dificuldade financeira, porém, atrapalhou o cumprimento do acordo, que agora gera problemas aos tricolores.

Campeão brasileiro em 2010, Marquinho foi dispensado após um ano e meio nas Laranjeiras. (Foto: Nelson Perez)

Em razão da cobrança da Udinese, o Fluminense tentou uma proposta, recusada pelos estrangeiros. Tratava-se de garantir ao time italiano parte do que for lucrado com eventual futura venda de Richarlison, hoje no Watford- ING.

O Tricolor, mesmo acionado pela Fifa, ainda conversa por um consenso. No entanto, a entidade determinou, após avaliação do caso, que o pagamento seja feito até 31 de março. Do contrário, será aplicada uma sanção ao time de Laranjeiras. A dívida, com juros, é de 1,3 milhão de euros (R$ 5,2 milhões, na cotação atual).

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com