Chaves explica vida de zagueiro e frisa postura de ignorar comentários negativos

Defendendo as cores verde, branco e grená desde 2016, Renato Chaves ainda lida com comentários negativos de torcedores. Embora forme o conjunto defensivo que diminuiu a quantidade de gols sofridos pelo Fluminense, o zagueiro é bastante criticado e, como afirmou durante a semana, simplesmente ignora. Para ele, a vida de quem atua no setor é ingrata e pode ir do céu ao inferno em 90 minutos.

– Quem nasceu para ser zagueiro, vai ser zagueiro. Eu não vou ficar bravo com ninguém que me xinga, que me aplaude. É uma posição que o cara tem que ser frio, porque tem muita crítica. Tem que ter a cabeça boa para não se abalar. Você pode tirar 30 bolas, a que você não tirar, e for gol, você vai estar exposto – opina.

Depois de dez anos de carreira, Renato Chaves aprendeu a enfrentar as dificuldades do zagueiro. Quando perde, o jogador, de 28 anos, completados sexta-feira, resolve esfriar a cabeça com seus hobbies. Um deles, o samba.

– Eu sou um cara muito competitivo. Quando você vai ficando mais velho, você vai aprendendo a lidar melhor com a derrota. Tento me acalmar, me desligar um pouco do futebol. Mas sei que é quase impossível, por isso procuro fazer outras coisas que eu gosto: tocar um cavaquinho, um banjo, jogar um dominó com os amigos. Quando perde, a gente fica triste, mas ainda bem que tem o próximo jogo para a gente jogar e mudar toda a história de novo.

Ataques nas redes sociais

Não leio os comentários. Cada um comenta de um jeito. Quando eu era mais novo eu lia, agora eu não leio mais não. Vai ter gente xingando. É melhor eu não ler, deixa a matéria bonitinha lá. É melhor eu ficar tranquilo. Eu comecei com rede social agora, eu não gostava nem de ter rede social.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Fonte: Globoesporte.com.