Potosí, a terceira cidade mais alta do mundo: como a altitude pode afetar o Fluminense?

Às 21h45 de quinta-feira, o Fluminense inicia o jogo que decide o classificado à segunda fase da Sul-Americana. Apesar do 3 a 0 no Maracanã, a delegação lida com um temor: a altitude. Casa do Nacional, Potosí é a terceira cidade mais alta do mundo, a expressivos 4.067 metros. Mas, como o problema pode afetar o elenco? Canal FluNews explica, com a ajuda do doutor João Felipe Franca, médico do esporte e do exercício. 


Por que os brasileiros sofrem ao jogar na altitude?

Embora atinja qualquer pessoa acostumada ao nível do mar, o ‘mal da montanha’ tende a ser mais agressivo quando há esforço físico, ligado ao futebol. Maiores riscos, contudo, estão associados aos mal-condicionados fisicamente.

Os jogadores brasileiros são desabituados a treinar, por exemplo, a mais de 2 mil metros, quando o ar se torna rarefeito, mais pesado, e menos oxigênio circula. Por isso a dificuldade em atuar a elevadas altitudes.

Dr. João Felipe Franca: “Os atletas brasileiros costumam sofrer ao jogar futebol na altitude porque não têm o hábito de se exercitar em alta intensidade nas montanhas com mais de 2 mil metros de altitude, que é a altura em que o ar começa a ficar significativamente mais rarefeito, com pressão parcial de oxigênio 25% mais baixa em relação ao nível do mar”.


Ano passado, alguns tricolores foram a Quito, quando ocorreu o reencontro com a LDU, e sentiram o desgaste – mesmo com o 2 a 1 adverso, os cariocas se classificaram pelo gol fora de casa. No elenco de 2018, há quem nunca tenha conhecido a altitude, como Richard e Pablo Dyego.

Richard, nesta terça-feira, na chegada ao hotel:

– Tem a questão da altitude. Nunca joguei nestas características. É procurar se tratar bem. Será um jogo muito difícil, independente da vantagem que fizemos em casa.

Pablo Dyego, na segunda-feira, em entrevista:

– Nunca tive essa experiência, é a primeira vez. Vamos ver como será. Espero que dê tudo certo. Temos de encarar.

Dr. João Felipe Franca: “Apesar de terem ido uma vez para a altitude, isso não os faz se adaptar diferente dos que nunca foram. Eles podem, sim, pela experiência anterior, saber identificar melhor os sintomas e, com isso, se prevenir, se poupar, e até entender melhor que a possível queda de performance pode estar relacionada à altitude”.


O que mais impacta o corpo e quais são os sintomas?

Quanto maior a altitude, menor a pressão atmosférica. Cada vez mais rarefeito, o ar perde moléculas de oxigênio e, assim, prejudica o corpo humano e provoca diversos efeitos, cuja ocorrência e intensidade variam de organismo para organismo.

Normalmente, os sintomas se dividem em três estágios. Leve, quando há dor de cabeça, náusea ou dormência de extremidades; moderado, quando acontece falta de ar ou tontura; e grave, caracterizado por desmaios, confusão mental e, em casos mais sérios, até a morte.

Dr. João Felipe Franca: “Os sintomas, geralmente, manifestam-se de seis a dez horas após a subida e desaparecem em um ou dois dias. Mas, ocasionalmente, podem se desenvolver condições mais graves. Os esforços agravam os sintomas. Portanto, pode ser ainda mais prejudicial chegar no dia do jogo”.


Abel Braga, duranta a semana, sobre a realidade de Potosí:

– Não tem condições jogar com uma altitude de 4 mil metros. É desproporcional. Até o dia em que morrer alguém. Num dia em que um se for no campo, tomarão providências.


Como a altitude pode afetar um jogo de futebol?

No que diz respeito ao rendimento em campo, a altitude causa fadiga e, às vezes, incapacidade de raciocínio. A mais de 4 mil metros, nem a bola escapa. Ela tem sua velocidade alterada, em virtude do ar rarefeito, assim como os chutes. O que pode ser uma importante arma para os times.

Dr. João Felipe Franca: “Primeiro, a bola tende a correr mais, os chutes saem mais fortes, devido à pressão atmosférica mais baixa e à menor resistência do ar. Segundo, os jogadores não aclimatados tendem a ter fadiga mais precoce. O frio da altitude pode, também, influenciar negativamente os atletas que não têm aclimatação ao jogo no frio. Os efeitos variam de um indivíduo para o outro, sem relação com a idade em si. Sem dúvida, há queda de performance em todos”.


Como prevenir os incômodos?

O ideal é se aclimatar ao ambiente local com antecedência. Como a mudança de planos do clube impediu o processo, é necessário que a subida ocorra lentamente, com paradas ao longo do caminho. No entanto, a tendência é que a delegação vá de avião a Potosí, diferente do que havia sido combinado – antes, a viagem seria por estrada, bloqueada por protestos na Bolívia.

Dr. João Felipe Franca: “O recomendado seria subir a 2.500 metros e ficar, pelo menos, um dia. Depois, subir de 500 metros a 1000 metros por dia, até chegar à altitude de 4 mil. De avião, é pior e aumenta a chance de haver sintomas e queda de rendimento num esporte de alta demanda energética, como o futebol”.


Entenda o imbróglio:

O planejamento do Fluminense esbarrou nos percalços encontrados ainda no Brasil. Como recomendado por especialistas, o elenco se aclimataria ao ambiente do país sul-americano. Mas protestos contra o governo boliviano resultaram no fechamento do aeroporto de Sucre, onde os jogadores passariam pela adaptação, a 2.810 metros, e até o bloqueio da estrada de acesso à cidade da partida.

Os relacionados tiveram de se hospedar em Santa Cruz de la Sierra, onde se faria apenas uma escala, a nível do mar. O que significa que a ida a Potosí ocorrerá justamente no dia do jogo.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

211 Replies to “Potosí, a terceira cidade mais alta do mundo: como a altitude pode afetar o Fluminense?”

  1. Pingback: sumatriptan usa
  2. Pingback: glipizide pills
  3. Pingback: alendronate uk
  4. Pingback: estradiol 2mg uk
  5. Pingback: erythromycin uk
  6. Pingback: amitriptyline uk
  7. Pingback: buy bisacodyl
  8. Pingback: viagra spanish
  9. Pingback: warfarin otc
  10. Pingback: clindamycin otc
  11. Pingback: best prices cialis
  12. Pingback: cialis pill canada
  13. Pingback: order clonidine
  14. Pingback: buspirone generic
  15. Pingback: olmesartan tablet
  16. Pingback: cheap anastrozole
  17. Pingback: zyvox tablets
  18. Pingback: zovirax 200 mg otc
  19. Pingback: zocor medication
  20. Pingback: this contact form
  21. Pingback: buy zestril 10 mg
  22. Pingback: zanaflex 4mg cheap
  23. Pingback: voltaren uk
  24. Pingback: verapamil generic
  25. Pingback: vantin 200mg cheap
  26. Pingback: thorazine canada
  27. Pingback: skelaxin 400 mg nz
  28. Pingback: seroquel purchase
  29. Pingback: rogaine 5% tablets
  30. Pingback: revatio purchase
  31. Pingback: reglan tablets
  32. Pingback: buy protonix
  33. Pingback: prilosec canada
  34. Pingback: cheapest plaquenil
  35. Pingback: viagra
  36. Pingback: nortriptyline cost
  37. Pingback: motrin otc
  38. Pingback: pharmacy in canada
  39. Pingback: mobic online
  40. Pingback: micardis online
  41. Pingback: lopid for sale
  42. Pingback: lamisil nz
  43. Pingback: this contact form
  44. Pingback: buy imitrex 100mg
  45. Pingback: imdur 40 mg usa
  46. Pingback: viagra vs cialis
  47. Pingback: generic cialis
  48. Pingback: cheapest hyzaar
  49. Pingback: differin pills
  50. Pingback: diamox usa
  51. Pingback: cymbalta 30 mg nz
  52. Pingback: cozaar 25mg usa
  53. Pingback: coreg 12,5mg cost
  54. Pingback: colchicine price
  55. Pingback: clozaril coupon
  56. Pingback: essay help
  57. Pingback: write my essays
  58. Pingback: payday loans in pa
  59. Pingback: car insurance cost
  60. Pingback: pala casino online
  61. Pingback: casino slot games
  62. Pingback: real online casino
  63. Pingback: claritin australia
  64. Pingback: cipro tablets
  65. Pingback: cephalexin uk
  66. Pingback: celebrex australia
  67. Pingback: benicar 40 mg uk
  68. Pingback: arava 20mg cost

Comments are closed.