fbpx

Pedro Abad planeja contratar reforços, mas descarta alto investimento: ‘Tem de ser responsável’

Animador nas primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro, o desempenho do Fluminense caiu na reta final desta primeira fase, antes da parada para a Copa do Mundo. Foi quando se evidenciou o elenco curto de 2018. Dada a necessidade de se afastar do Z-4, Pedro Abad entende que é preciso ir ao mercado e, ainda que limitado pela realidade financeira, analisar as opções disponíveis. 

– É óbvio que o grupo é pequeno. Bom, mas com poucas opções ao treinador. Sabemos disso. Tem o momento certo de contratar, que é agora. É claro que vamos trazer. Os jogadores que vamos trazer vão dar opões ao treinador e vão qualificar o grupo. Vamos trazer bons, que vão agregar, que façam valer o investimento. Caso contrário, jogo fora o dinheiro que não temos. Não vamos trazer atletas de R$ 500 mil (de salário), essa não é a nossa realidade. E não quer dizer que quem ganha menos do que isso não é bom – afirma. 

Como 2017 foi um ano turbulento, as expectativas em janeiro eram baixas e tudo girava em torno de uma palavra: desconfiança. Sentimento que, com o crescimento  do time, ao longo dos jogos, se transformou em euforia. Para explicar como os jogadores se superaram desde o início da temporada, Abad usa o exemplo de Pedro. Antes vaiado, agora aplaudido.

– O nosso elenco é bom, eu falo isso a eles. No começo do ano, falavam que o nosso elenco era para ser rebaixado. Sabia que não. No começo do ano, o Pedro era achincalhado. Hoje ele é xodó. A gente sabia que ia dar resultado, mas também sabia que era curto. Por isso precisamos de opção. É óbvio que precisamos de um meia, vamos trazer. Vamos trazer os jogadores certos, que vão encaixar e render dentro de campo – avisa. 

A maratona de partidas começou a aparecer e seus efeitos atingiram as principais figuras do time, como Ayrton Lucas, Marcos Júnior e o camisa 9, Pedro. Sem substitutos à altura, a equipe sofreu e, ao encarar uma sequência pesada, com clássicos e duelos fora de casa, despencou. 

– Até o jogo contra o Paraná, estávamos bem. Ali foi o divisor de águas. Ninguém esperava perder e, com a sequência dura, machucou. Flamengo e Atlético-MG foram jogos duros e, diante do Santos, houve a queda. Perdemos para o Botafogo e fomos aplaudidos pela torcida. Sim, a sequência ruim coloca em xeque – reconhece.

O elenco se reapresenta em 26 de junho, terça-feira, no Centro de Treinamento. Paulo Angioni, diretor-executivo de futebol anunciado na semana passada, trabalha com a diretoria por contratações pontuais.

Saudações Tricolores,

Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

FluFest 2018: clique aqui e garanta sua presença na festa de 116 anos do Fluminense!

Top