Marcelo Oliveira vê ‘mercado restrito’ em busca por meia e sinaliza possíveis improvisações

Quando contratado para o cargo deixado por Abel Braga, Marcelo Oliveira estabeleceu uma exigência: três reforços. Em quantidade, o pedido foi atendido. Afinal, Luciano, Digão e, nesta quarta-feira, Júnior Dutra foram confirmados no elenco. Mas o treinador ainda quer e espera a chegada de um nome para o meio-campo, a posição mais carente no Fluminense e que conta só com Sornoza e Luquinhas. Perguntado sobre como andam as buscas, o ‘professor’ avisou da dificuldade no mercado e indicou que, se preciso, poderá fazer eventuais improvisações. 

– O que combinamos quando nos reunimos para começar é que o Fluminense trouxesse pontualmente jogadores para posições que têm carência. Mas, no desenvolver das negociações, surgiram oportunidades, que são essas que estão sendo tratadas pela diretoria (Júnior Dutra, Everaldo e Bryan Cabezas). O mercado está restrito, não é fácil trazer um meia bom e disponível com as condições do Fluminense. Mas temos jogadores no clube que podem preencher bem. Sornoza está treinado muito bem. O próprio Luciano, daqui a pouco, vai estar em condição de fazer essa função, um pouco por trás ou pelo lado, pela frente – explicou.

Apesar do elenco com certas limitações, Marcelo Oliveira crê que seja possível realizar uma boa campanha no Brasileirão e Sul-Americana, únicos compromissos do clube no ano. Ele, assim como seu antecessor, Abelão, destaca a coletividade como o ponto forte do grupo.

– Aposto muito no coletivo. Podemos não ter o melhor elenco do Brasil, não estar entre os primeiros. O Fluminense tem algumas dificuldades que são públicas, mas temos um grupo muito combativo, um time muito competitivo. Se tivermos organizados e competindo forte, certamente ficaremos mais próximos das vitórias.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.