Longe do Z-4, M. Oliveira avalia cenário do Fluminense no Brasileirão e planeja “coisas maiores”

A bela jogada de Everaldo e Luciano terminou com um gol que dá mais tranquilidade para o Fluminense no Campeonato Brasileiro. A nove pontos de distância da zona de rebaixamento, o time tem o triunfo sobre o Atlético-MG, neste domingo, como passaporte para as principais colocações. Mas, para Marcelo Oliveira, o perigo da degola ainda é um fantasma a ser espantado de vez.

– Falam em 44 ou 45 pontos. Isso pode mudar em relação aos próximos jogos. Com mais duas vitórias, a gente fica tranquilo e passa a pensar em coisas maiores. Atingindo essa pontuação, passaremos a ter tranquilidade para mesclar o time para frente e priorizar a Sul-Americana. É um título importante e que dá vaga na Libertadores. A gente faria pelo lado inverso e não pelo Brasileiro. Não é fácil, mas vamos tentar. Estamos trabalhando e temos confiança em passar pelo Nacional – disse.

Sem improvisações, a atuação no Engenhão foi superior ao desempenho na goleada para o Flamengo, há uma semana, e animou a torcida para a decisão de quarta-feira, pela Sul-Americana, contra o Nacional-URU. A mudança de postura mereceu elogios do técnico, que promete regularidade até o fim da temporada.

– Palmeiras e os times ali da frente que têm regularidade. Os demais, do quarto para baixo, são irregulares. O campeonato é difícil. Me preocupa mais a irregularidade de produção. Mas, hoje, é de se elogiar a nossa produção. Só a lamentar que perdemos um jogador expulso, cobramos isso. Vamos nos preparar bem para quarta-feira na Sul-Americana e passar a ser mais constante no Brasileiro.

O que também impressionou foi o golaço de Luciano. Marcelo Oliveira reconheceu a beleza do lance.

– Gol é gol. A gente não pode escolher o tipo de gol. Mas o de hoje valorizou muito a nossa vitória. Foi muito bonito mesmo.


Mais respostas de Marcelo Oliveira:

Análise do jogo

– A gente sabia que seria difícil. Atlético-MG veio com novo comando e precisando de reabilitação. Assim como a gente, que tinha de dar uma aliviada na tabela. O primeiro tempo nosso foi muito equilibrado, o Atlético-MG praticamente não atacou. Faltou a gente ter poder de decisão. A gente não transformou o equilíbrio em chances. Depois do intervalo, foi mais aberto. Saímos mais, assim como eles. Demos chances nos rebotes de bola parada. Foi um bom jogo. Um pouco de drama no fim com um a menos. O grupo se entrega, é comprometido, e isso nos leva a buscar os nossos objetivos.

Reencontro com Levir Culpi

– Atlético-MG tem um ótimo time. Ainda briga por vaga na Libertadores. Levir não é um técnico qualquer, é um cara extraordinário e meu amigo. Ele passou confiança e experiência para encarar esse jogo. Atlético-MG jogou no nosso erro, apostando no contragolpe. Nos criou dificuldades. Eu vinha de números ruins contra o Levir e hoje ganhei. Mas os confrontos são contra clubes, não contra técnicos.

Chances de G-6

– A gente. quando fala aqui, não tem a intenção de iludir ninguém. Por vezes, um objetivo é difícil. A vitória diante de um adversário como o Atlético-MG nos dá uma aliviada. Ainda temos de estar atentos para chegar à pontuação de se livrar do risco. Ainda é possível chegar na Libertadores, mas a prioridade ainda é nos livramos de qualquer risco da parte de trás.

Convocação para a torcida comparecer na quarta-feira

– Quase que de forma natural, o torcedor privilegia a Sul-Americana. A prova disso é que a gente ganhou do Cuenca fora e, mesmo assim, 40 mil pessoas foram na volta aqui no Rio. Nem preciso convocar, mas é claro que um bom jogo passa pelo apoio do torcedor. Vai ser duro, o Nacional tem por tradição formar bons times. Vamos ter de lutar muito para conseguir o resultado e ir ao Uruguai com vantagem.

Projeção para Flu x Nacional

– Com o primeiro jogo em casa, a gente pode propor mais o jogo. Mas tem de ter cuidado pois, nesta competição, vale o gol qualificado.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.