Marcelo Oliveira mantém incertas escalações de Gum e Léo em jogo decisivo da Sula

Gum (entorse no joelho e inchaço no tornozelo) e Léo (edema na coxa), que se recuperaram de seus problemas físicos, ainda são dúvida no Fluminense, que tem jogo decisivo, contra o Nacional, pela Sul-Americana, nesta quarta-feira. Embora treinem com o time desde domingo, os jogadores correm o risco de começar no banco. À imprensa, no Uruguai, Marcelo Oliveira detalhou ambos os casos.

– Léo preocupa um pouco mais. Ainda está um pouco inseguro e temos a chance de testá-lo pela última vez nesta terça para decidir. Sobre o Gum, a expectativa é melhor. Ele está sentindo um pouco o tornozelo, mas é um tipo de lesão que dá para jogar. Gum se posiciona muito bem, é importante, experiente. Vamos aguardar. O importante é entrar forte, com bom equilíbrio entre a defesa e o ataque – disse.

Gum tem Paulo Ricardo como reserva imediato. Foi ele, inclusive, que comandou a defesa na goleada para o Santos, sábado, pelo Brasileirão. No entanto, caso a ausência de Léo seja confirmada, a solução é improvisar, o que vem acontecendo desde a derrota no clássico contra o Flamengo, há duas semanas. Gilberto, dono da vaga, está lesionado. Marcelo Oliveira revelou que testou algumas alternativas, mas escondeu a escalação que vai a campo logo mais.

– Tenho ideia, sim (de possíveis substitutos). Já treinamos uma outra opção. Só não vou falar agora. Posso escalar um time aqui hoje e depois jogar com outro. Temos opções, será uma improvisação. Não há um lateral de ofício, um ala. Mas temos confiança naqueles jogadores. Hoje um atleta precisa jogar em mais opções e isso nos anima muito, nos dá confiança de que qualquer um que entrar, entrará com força total – falou.

A delegação chegou ao Uruguai na segunda-feira, quando fez o primeiro treino em terras estrangeiras. Na terça-feira, além do reconhecimento do gramado do Parque Central, palco do duelo, houve nova atividade. Precisando vencer ou empatar por dois gols ou mais, o Fluminense, inicialmente, deve adotar uma postura mais cautelosa.

– Acho que não vai ser um jogo assim, de sair para cima. Vai ter uma marcação forte. Nacional tem como característica jogar para frente. Já percebemos isso no Rio de Janeiro, eles não abriram mão de atacar. Vai ser um jogo equilibrado, de marcação forte, competitivo. Temos que estar atentos e criar uma estratégia boa. Se durante o jogo precisarmos mudar, sair com tudo, vamos fazer. Mas tem que ter o momento certo para isso.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com