Fluminense se resguarda contra cobranças da torcida em desembarque silencioso no Rio

Os jogadores saíram de Salvador na madrugada desta sexta-feira, depois de mais uma derrota no Campeonato Brasileiro, agora para o Bahia, por 2 a 0, na Fonte Nova. A chegada ao Rio de Janeiro aconteceu nas primeiras horas da manhã e, apesar do temor da diretoria, sem protestos de torcedores. Há seis jogos sem vencer ou marcar gols, o time passou pela imprensa em silêncio, o que ocorre desde o fim do duelo de quinta-feira.

Na intenção de promover um desembarque tranquilo, o clube acionou cerca de dez seguranças particulares para acompanhar a delegação no aeroporto do Galeão. Nas redes sociais, o que mais se vê são reclamações sobre a crise que assola Laranjeiras. Segunda-feira, inclusive, quando do empate com o Ceará, houve pichações nos muros da sede e até um bate-papo entre dois representantes de organizadas e líderes do elenco, como Gum, Júlio César e Digão.

Em um momento decisivo da temporada, os salários atrasados se somam a uma péssima campanha e ao risco de rebaixamento. Problemas que provocaram nos atletas um semblante cabisbaixo no retorno à Cidade Maravilhosa. Eles mesmos confessam o incômodo pela falta de pagamento.

A comissão técnica liberou os jogadores que estiveram em campo nesta rodada, em razão do desgaste pela viagem. Apenas os reservas treinarão durante a tarde. Deste modo, a entrevista coletiva com Sornoza, marcada para 17h, acabou sendo cancelada. Com 42 pontos e a quatro do Z-4, o Fluminense tem pela frente um encontro com o Internacional, domingo, no Beira-Rio.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com / Foto: Leonardo Achão