fbpx

M. Oliveira diz que elenco vive “turbilhão” no Fluminense e merece se salvar da Série B: “Entregamos nosso melhor”

Dispensado em reunião com Abad, Fabiano Camargo e Paulo Angioni, na tarde desta quinta-feira, no Centro de Treinamento, Marcelo Oliveira publicou, por meio de sua assessoria, um comunicado onde explicou o período de cinco meses no Fluminense. Ele deixa o clube numa seca de um mês sem vencer e marcar gols e com chance de rebaixamento. Domingo, em decisão com o América-MG pela permanência na Série A, seu ex-auxiliar, Fábio Moreno, assume o comando.

Após 33 jogos como treinador do Fluminense, só posso finalizar agradecendo aos nossos jogadores, que, por todo o empenho que demonstraram na temporada, merecem muito a vitória nesta última rodada – declarou, ao fim da nota.

Marcelo Oliveira chegou ao Fluminense em meados de junho e encerrou sua passagem por aqui com 13 derrotas e um aproveitamento de apenas 44,4% – venceu 12 e empatou 8 jogos. No entanto, a queda de rendimento da equipe, segundo o próprio, se associa, também, ao “turbilhão” de fatores extracampo. Em razão da crise financeira, havia dois meses de salários em atraso – ambos foram regularizados – e, agora, a dívida é de quatro meses de imagem.

– Acima das inúmeras dificuldades, afirmo que sempre houve muito profissionalismo e muita dedicação de todos os atletas. Conseguimos criar um ótimo ambiente e blindar, até onde foi possível, os fatores extracampo. Lamento não ter podido contribuir mais, mas sinto que entregamos, todos, o nosso melhor, acima de todo o turbilhão que vivenciamos. Infelizmente, o técnico depende de resultados, mas os resultados não dependem apenas da ação do técnico.


Leia o comunicado completo:

“Quando recebi o convite para assumir o comando do Fluminense, há pouco mais de cinco meses, exaltei o peso da camisa e o comprometimento dos jogadores como fatores decisivos para aceitar o desafio. Encontrei, aqui, uma equipe extremamente dedicada, como eu já imaginava, profissionais altamente capacitados de todos os departamentos e uma grande vontade de vencer de todos os integrantes do clube.

Ao longo desse breve período de trabalho, alçamos voos altos: chegamos a uma semifinal de Sul-Americana, incluindo, na campanha, uma batalha no Uruguai contra o Nacional; vencemos o campeão Palmeiras, quebramos o tabu contra a Chapecoense… Entregamos tudo o que podíamos. Apesar de termos trabalhado intensamente, em um certo ponto da temporada não conseguimos gerar mais os resultados que atingissem a expectativa que nós mesmos criamos.

Acima das inúmeras dificuldades, afirmo que sempre houve muito profissionalismo e muita dedicação de todos os atletas. Conseguimos criar um ótimo ambiente e blindar, até onde foi possível, os fatores extracampo. Lamento não ter podido contribuir mais, mas sinto que entregamos, todos, o nosso melhor, acima de todo o turbilhão que vivenciamos. Infelizmente, o técnico depende de resultados, mas os resultados não dependem apenas da ação do técnico.

Após 33 jogos como treinador do Fluminense, só posso finalizar agradecendo aos nossos jogadores, que, por todo o empenho que demonstraram na temporada, merecem muito a vitória nesta última rodada; à torcida, que sempre demonstrou seu apoio e amor, mesmo em um ano difícil; aos funcionários do clube, sempre comprometidos com o melhor para a instituição, independentemente do cenário; e à diretoria, que me fez o convite para comandar um dos maiores clubes do Brasil. A todos, o meu muito obrigado!”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Top