Diniz analisa Fla-Flu, comenta situação do CT e garante manutenção do estilo de jogo

Foto: Lucas Merçon / FFC

Treinador tricolor falou sobre o rival da semifinal, a tragédia ocorrida no Ninho do Urubu, e peças chave do elenco 

Nesta quarta-feira (13), Fernando Diniz concedeu a última entrevista coletiva antes do clássico contra o Flamengo pelas semifinais da Taça Guanabara. No CT do Fluminense, o treinador abordou diversos temas, principalmente os direcionados ao Fla-Flu desta quinta (14), às 20h30, no Maracanã.

A partida contra o Rubro-Negro, que aconteceria no último sábado, acabou sendo adiada devido ao trágico incêndio no Ninho do Urubu, que vitimou 10 jogadores da base do Flamengo. Ao comentar sobre o ocorrido, Diniz se solidarizou com as vítimas, mas preferiu não associar a tragédia ao jogo.

“Um jogo de futebol… o lado psicológico sempre tem um fator muito decisivo. Isso que aconteceu é algo que transcende ao futebol. Eu nem quero entrar nisso… A tragédia foi sobre a vida das pessoas. Fiquei muito entristecido com tudo o que aconteceu, mexe com a gente. O jogo, nesse sentido, nem é o mais importante. Não gostaria de associar a tragédia com o jogo. Ele vai acontecer e quem for melhor vai ganhar. O fato foi à parte. A sociedade de maneira geral tem de saber usar o que aconteceu para evitar que se repita”.

O técnico também deu um recado direto às autoridades ao pedir ‘bom senso’ em relação ao CT Pedro Antônio, que por não ter alvará da Prefeitura e certificado do Corpo de Bombeiros corre até risco de interdição.

“Se a gente perder esse espaço para treinar, preocupa e muito. Vamos treinar onde? Com boas condições aonde? Espero que isso não aconteça. Vocês estão aqui e observam que não há refeitório e tampouco alojamento. O que temos aqui são os campos e os vestiários. Em termos de segurança para quem está aqui, aparentemente, não temos problema. Espero que haja bom senso. Não vai ser tirando o Fluminense daqui que daremos condições de segurança. Quem está aqui está com boas condições para desenvolver o seu trabalho”.

Perguntado sobre o Flamengo, Diniz elogiou a equipe adversária e seu poder de decisão, mas fez questão de afirmar que o estilo de jogo do Fluminense será mantido. Além disso, garantiu que os titulares serão definidos momentos antes do confronto.

“Penso jogo a jogo, mas o nosso estilo segue e serve em todas as situações. O time tem jogado bem. Temos de tomar muito cuidado com o Flamengo e estamos tomando todos os cuidados para a gente se precaver. Eles têm grandes jogadores, um grande investimento e um treinador estrategista. Estamos atentos, mas dentro das nossas características. Além disso, tentamos melhorar cada vez mais para o nosso estilo fique cada vez mais sólido”.

” A formação a gente vai decidir só um pouco antes do jogo. A gente tem algumas situações. O estilo vai ser mantido. A melhor maneira de se precaver contra o Flamengo ou o Barcelona é jogar da maneira que se treina todos os dias. A gente fez ajustes diante do River e conseguimos um placar dilatado pois encaramos com seriedade e estudamos. Com o Flamengo, temos mais informações. Para fazer frente, temos de fazer o que sabemos de melhor. Mudar para enfrentar um adversário, no fundo, você está se fragilizando. É assim que penso o futebol”.

Diniz já disputou Fla-Flus como jogador. Porém, esse será seu primeiro como treinador. De acordo com ele, o clássico tem um sabor diferente, pois ‘mexe com o Rio de Janeiro’.

“Sempre é diferente. Eu adorava jogar. Confesso a vocês que estou com muito prazer de participar agora como técnico. O jogo mexe. O Rio respira o futebol de forma diferente, a gente percebe nas ruas. Tem um charme envolvendo a sigla Fla-Flu. É muito bom poder participar”.

Questionado sobre a entrada de Bruno Silva em João Pedro, o comandante minimizou o acontecido e descartou qualquer maldade do volante no lance.

“A primeira coisa é que não teve maldade no lance. Eu estava perto, isso é o mais importante. Circulou algo interno nosso, não era para circular nas redes sociais. Bruno é um grande profissional, se empenha para poder render. João Pedro é um jovem promissor. Não teve maldade no lance, eu estava ali e não vi maldade. Bruno treina, de fato, muito duro. Se tivesse maldade, eu teria corrigido. Bruno pediu desculpa e, internamente, está tudo bem. Não foi nada grave com o João Pedro, daqui a pouco ele está de volta e vai nos ajudar na hora certa”.

Por fim, Fernando Diniz analisou as situações de Pedro e Gilberto, além de falar sobre Ganso e Luciano, outras peças fundamentais no elenco tricolor em 2019.

“Pedro ainda está distante de retornar. Gilberto está evoluindo muito bem. O departamento médico faz um trabalho fantástico com o Gilberto, que participa de alguns treinamentos comigo. Não quero dar previsão para não frustrar torcedor”.

“Ele (Luciano) tem características pessoais que se igualam ao que eu penso sobre o futebol. O jeito e o esquema lhe favorecem. Ele é técnico e, com isso, consegue explorar o talento que tem”.

“À priori, o estilo dele (Ganso) se adapta muito bem ao que o Fluminense tem jogado. É um time que tem a bola e troca passes. Ele tem um encaixe em andamento com o Fluminense. Agora, precisa ter a adaptação dele ao futebol brasileiro, a convivência interna. Estou esperançoso em oferecer um bom ambiente e que ele possa devolver isso dentro do campo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *