fbpx

Análise: o raio caiu duas vezes no mesmo lugar

Foto: Lucas Merçon / FFC

Dia 02 de fevereiro, Mané Garrincha, fase de grupos. O Fluminense criou, desperdiçou chances e perdeu por 1 a 0 para um Vasco que pouco produziu, e que marcou seu gol de pênalti. Dia 17 de fevereiro, Maracanã, final da Taça Guanabara. O Fluminense criou, desperdiçou chances e perdeu por 1 a 0 para um Vasco que pouco produziu, e que marcou seu gol em uma bola parada achada aos 36 do segundo tempo. Parece repetitivo e igual, e realmente é. Ou melhor, foi.

Assim como na partida no Mané Garrincha, o Fluminense propôs o jogo, dominou a posse de bola (71,5%) e criou. Foram três chances claras desperdiçadas – por Yony González, Everaldo e Luciano -, que no final fizeram a diferença. O Vasco veio destinado a cumprir seu padrão tático e a marcar. Diferentemente do Tricolor, o Cruzmaltino foi extremamente eficiente. Jogou fechado e buscando por uma bola para vencer o jogo. E conseguiu.

Dizer que o Fluminense perdeu para si mesmo não é tirar os méritos do Vasco, que foi obediente ao seu estilo de jogo. O futebol é injusto e pune. Oportunidades desperdiçadas fazem falta no final. Em contrapartida, mais um jogo em que a identidade aplicada por Fernando Diniz apareceu em campo. Foram 545 passes contra apenas 176 do adversário. O treinador tricolor, mesmo com pouquíssimo material humano, vem dando cara a um elenco desacreditado e, como dito anteriormente, trazendo a torcida de volta.

Entretanto, alguns pontos negativos devem ser corrigidos. E serão. As laterais do Fluminense ganharão força com o retorno da dupla Gilberto e Mascarenhas. O meio-campo receberá um toque diferenciado com a entrada de Paulo Henrique Ganso. Pedro também está se recuperando de lesão. O desempenho tende a melhor o estilo irá se revigorar.

Por fim, méritos ao Vasco que, apesar de ter feito uma partida fraca, explorou as falhas do Tricolor na saída de bola e aproveitou a atmosfera a seu favor. Alberto Valentim foi gigante taticamente. O Cruzmaltino soube marcar o Fluminense. Ao clube das Laranjeiras, fica o vice-campeonato de um torneio que perdeu todo seu valor com a mudança do regulamento, e o destaque de mais uma boa atuação, mas que não foi o bastante. Assim como foi no primeiro duelo entre os dois times, prevaleceu quem aproveitou melhor as chances.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top