Comentaristas do SporTV aprovam Ganso em primeiro jogo na volta ao Brasil: “Vai ser muito importante”

Paulo Henrique Ganso recomeçou sua carreira no Brasil na última sexta-feira, ao estrear pelo Fluminense, com quem assinou por cinco anos. Aos olhos de quase 21 mil pessoas no Maracanã, em 2 a 0 sobre o Bangu, o meia plantou esperança nos torcedores, mesmo sem gol ou assistência.

– Ganso se movimentou, deu espaço, apareceu para receber. Ainda um pouquinho fora do ritmo, até mesmo desse Fluminense do Diniz, uma coisa totalmente normal. Mas foi uma boa estreia pela vitória, movimentação, por conseguir jogar tanto tempo depois de tantos meses sem conseguir atuar. Acho que foi uma estreia positiva e que deixa uma expectativa muito boa para a sequência dele – opinou a jornalista Ana Thaís Matos.


NÚMEROS DE PH. GANSO EM SUA ESTREIA (FOOTSTATS)
4 assistências para finalização
​0 finalizações
​0 cruzamentos
1 drible certo
3 lançamentos certos
56 passes certos
​7 passes errados
0 desarmes


Lédio Carmona acompanha a colega de SporTV e divide com o público um balanço dos 90 minutos do camisa 10 em campo. Ele não jogava desde o início de dezembro, quando se despediu do Amiens, da França. Até pelo cansaço, reduziu o ritmo no segundo tempo.

– Eu gostei do Ganso. Primeiro tempo foi muito legal, fugindo da marcação. A marcação do Bangu nos primeiros 15, 20 minutos era muito forte. Aí essa marcação começou a afrouxar, e o Ganso, a aparecer bem no jogo. Se deslocava, ia para a intermediária defensiva, buscava espaço para jogar e começou a distribuir bola, a colocar os atacantes em condições de fazer o gol: toque de calcanhar, achou espaço vazio para o Gilberto entrar – disse Carmona, que completou:

– Ele estava começando a achar seu jogo, foi bem no primeiro tempo. No segundo, com placar encaminhado, diminuiu um pouco o ritmo, se movimentou menos, e assim mesmo conseguiu encaixar dois ou três passes interessantes. Ele vai ser muito importante para o Fluminense. Do jeito que é o futebol brasileiro, equilibrado, vai fazer muita diferença.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Deixe uma resposta