Léo Santos se anima com Diniz e quer agarrar chance no Fluminense

Léo Santos deixou a falta de espaço no Corinthians para se transferir por empréstimo de um ano ao Fluminense e concorrer a uma vaga na equipe comandada por Fernando Diniz. Apresentado nesta quinta-feira, ele, que busca mostrar seu potencial nas Laranjeiras, deve começar jogando contra o Resende.

– Quando surgiu o interesse do clube, eu fiquei muito animado, até por causa do desempenho que o Fluminense está tendo com essa comissão técnica, com o Fernando Diniz. Eu não estava sendo muito aproveitado no Corinthians, então eu fiquei interessado e vi uma oportunidade de poder ajudar, poder mostrar meu potencial aqui. Não que eu não estivesse mostrando lá, mas acho que aqui posso mostrar mais ainda. Vim aqui com muita vontade de mostrar isso e ajudar todo o grupo – disse.

O zagueiro recebeu a camisa 14, que pertencia a Nathan Ribeiro, cedido ao Fortaleza. Cadastrado na Sul-Americana pelo Alvinegro, não poderá atuar no torneio com a camisa verde, branco e grená. Porém, traz definida uma meta: conquistar títulos.

– O Fluminense também é um clube muito grande. Espero poder ajudar o grupo. Temos quatro competições. Se eu tiver oportunidade de jogar, espero ajudar a chegar a final de campeonatos, conquistar títulos. Esse é o objetivo.

Léo é considerado por Fábio Carille um jogador promissor. Todavia, vinha o treinador corintiano dando preferência aos mais experientes, preterindo a joia do Parque São Jorge. No ano, o jovem fez só três jogos, sendo dois em uma posição que não é a sua. Até por isso, decidiu recuperar prestígio no Rio.

– É uma opção do Carille, nunca tive problema com ele. Foi simplesmente opção dele de colocar outros e me deixar ali. Faz parte do futebol. Ele tem as opções dele e eu respeito. O Fluminense conversou com meu empresário, que me passou o interesse. E disse que poderia ser uma boa, que eu poderia ter um pouco mais de chance. Eu fiquei interessado e concordei em vir – revelou.

Talvez desconhecido de alguns tricolores, o reforço listou algumas de suas características, que podem ajudá-lo na adaptação ao modelo de jogo adotado pelo técnico. Treina com o elenco desde quarta-feira.

– Não tenho muita preferência de lado. Jogo pela esquerda ou pela direita. Onde tiver oportunidade, vou procurar aproveitar. Eu me considero um zagueiro que tem qualidade, um pouco de velocidade e muita raça, muita vontade e determinação. Ontem já teve um treino tático em que fiquei um pouquinho perdido, mas a gente pega rápido. Aos poucos, vou me acostumando.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *