Dívida do Flu com Samorin passa de R$1,5 milhão!

O Fluminense deixou de fazer o repasse de verba acordada desde julho do ano passado causando esse acumulo de dividas. O clube teria que enviar cerca de R$259 mil até dezembro, mas o valor teve queda para 15 mil euros a partir de janeiro de 2018, graças a um patrocinador que assumiu as finanças. Mesmo com o auxílio o clube não conseguiu efetuar a manutenção do projeto. No início deste ano, chegou a notificação que ressaltou o prazo mínimo de seis meses entre o aviso e a saída dos jogadores e funcionários tricolores da Europa.

O clube vê o projeto muito perto do fim, após perceber que 8 meses buscando patrocínios para diminuir custos de manutenção não foram suficientes para efetivar os acordos necessários e no início desta temporada notificou os eslovacos sobre a intenção de não seguir a parceria.

Marcelo Teixeira, diretor esportivo da base do tricolor e mentor do projeto assumiu que errou em apostar no Flu Europa, diante do cenário financeiro do clube em entrevista concedida ao Globo Esporte.

“– Posso falar que o projeto, quando idealizado, foi vanguarda. Não tenho dúvida disso. Só que o Fluminense era um clube que não tinha condições de assumir aquilo desde o princípio. Quis dar um passo maior do que a perna. Esse talvez foi o grande erro” comentou.

A próxima gestão ficará responsável pela dívida, caso Abad no próximo mês convoque novas eleições.

Deixe uma resposta