Gol, desabafo e retratação: Gilberto vive Fla-Flu tumultuado e quase vira herói

Apesar da eliminação no Campeonato Carioca, Gilberto viveu dia de protagonista no empate em 1 a 1 entre Fluminense e Flamengo, sábado, no Maracanã. Foi seu décimo jogo após a lesão que o tirou dos gramados por quase seis meses.

De quase expulso a gol que deu esperança aos tricolores, o camisa 2, nesse meio-tempo, desabafou em entrevista ao SporTV, na saída para o intervalo. Perto do fim do primeiro tempo, ele salvou uma bola do Rubro-Negro em cima da linha e, na jogada seguinte, achou um espaço na área, preparou o corpo e, sem pular, cabeceou para fazer 1 a 0.

– Não desisti da torcida. Fiz o gol, pensei em não comemorar. Mas fui lá, comemorei com eles. Só peço que não desistam da gente. Não só de mim, mas do time. Passamos por momentos difíceis, mas estamos batalhando e jogando com raça – disse, completando:

– Agradeço a Deus, ao Diniz, ao Filé (fisioterapeuta) e à minha família. Foi um lance de raça (salvar gol do Fla), a torcida me conhece. Fiquei triste ao ler comentários de que eu não seria mais o mesmo depois da lesão.

Gilberto, aliás, se envolveu num lance que precisou de revisão no VAR, aos 11′ da primeira etapa, logo depois de um gol flamenguista invalidado com o mesmo recurso. Ele subiu com Renê e, de costas, atingiu o rosto do adversário, que alegou cotovelada. Ficou só no amarelo.

No fim do clássico, o lateral-direito, ao ser chamado a atenção, discutiu rispidamente com Fernando Diniz. Depois, ambos se resolveram e explicaram o episódio. O jogador disse ter passado dos limites, enquanto o treinador considerou algo normal dada as circunstâncias do momento. Em rede social, nesse domingo, ele, de novo, contornou a polêmica.

– Quero deixar claro que já está tudo esclarecido entre o nosso treinador e eu. Assumi meu erro e pedi desculpas ao grupo, a ele e ao público na imprensa. Ele é importante para mim aqui no Fluminense. Continuamos fortes dentro do nosso vestiário e prontos para a próxima batalha.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Sobre o autor