fbpx

Opinião: Trabalho é feito com confiança

Crédito: Lucas Merçon / FFC

Perder nunca é fácil. Ver o seu time de coração acumular derrotas, não levantar um título relevante há sete anos machuca os torcedores. Diante disso, o técnico é sempre o principal culpado. O futebol no Brasil é imediatista e, sem resultados, a torcida pede a cabeça do treinador. Diante disso, muitos torcedores estão insatisfeitos com Fernando Diniz. Mesmo considerando a hipótese, que não considero acertada, de efetivar uma demissão, quem chegaria para o seu lugar?

Todo treinador precisa de tempo e material humano para formar uma equipe competitiva. Antes de iniciar 2019, o time do Fluminense era totalmente sem perspectiva. Sornoza foi vendido, Richard, Jadson, Gum, Gilberto e Pedro machucados. A torcida criticava muito Everaldo e Luciano, ou seja, total desilusão. Fernando Diniz chegou, criou um padrão de jogo, recuperou alguns nomes, outros chegaram e jogaram bem. Hoje, muitos especialistas elogiam o time do Fluminense.

Claro que as derrotas são doloridas e difíceis de digerir. Também não gostei da escalação do Airton, também quero Mascarenhas na lateral esquerda e o Caio no meio. Mas quero dar o voto de confiança ao Fernando Diniz. Não é fácil lidar com os problemas que rondam o Fluminense. Salários atrasados, sem patrocínio, baixo público, briga política. Gerir tudo isso e evitar que o time receba o impacto é bastante complicado.

Porque o futebol europeu está há anos luz à frente do praticado por aqui? Existe confiança no trabalho do treinador. Nem sempre a derrota é determinante. O Klopp perdeu algumas finais, inclusive não ganhou nada pelo Liverpool até a final da Champions. Nunca teve o cargo ameaçado. Não estou comparando Diniz ao Klopp, mas nem sempre é possível ser campeão. É preciso elenco qualificado e equilibrado. O Flu conseguiu pinçar bons jogadores. Matheus Ferraz é um exemplo, Yony González, Caio Henrique, Nino, são bons nomes, mas é preciso de mais, laterais, reservas que joguem na mesma qualidade.

Esse ano, desde o início seria de tentar brigar por algum título nos torneios de mata-a-mata e não cair no Brasileiro. Estabelecendo o trabalho de Diniz, com nova diretoria, talvez a chegada de um patrocinador e outras contratações, ano que vem poderá ser melhor. Mas a confiança tem que existir, sem ela, nem Klopp, Guardiola ou qualquer outro poderia fazer um bom trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top