Fernando Diniz afirma que resultado diminui tensão e valoriza triunfo sobre o Inter

Foi preciso fazer “uma das melhores partidas do ano”, segundo Fernando Diniz, para o Fluminense vencer o Internacional por 2 a 1 e respirar no Brasileirão. Momentaneamente acima da zona de rebaixamento, em 16º lugar, o time precisa secar o Cruzeiro contra o Atlético-MG.

– Foi uma das melhores partidas do Fluminense, melhor do que o jogo contra o Peñarol. O adversário era muito forte, com jogadores que não dava para chamarmos de reservas: Sobis, Wellington Silva, Tréllez, Nonato… E jogadores que vieram descansados. Esse time deles empatou um Gre-Nal, perdeu para o Athletico aos 49′ do 2º tempo e ganhou do Ceará em casa. Nossa equipe dominou a maior parte do jogo, tivemos muitas chances de fazer gol. Limitamos muito as chances do Inter. Foi uma partida muito boa – elogiou.

Aparentemente, o gol marcado por Edenilson no fim, em vacilo de Muriel, impediu a nota 10 ao Time de Guerreiros nesse sábado, no Maracanã. É que dificilmente a zaga passa um jogo sem ser vazada, algo que só aconteceu uma vez no campeonato. O que não quer dizer que o técnico esteja insatisfeito com o sistema defensivo.

– Fiquei muito irritado mesmo com o gol. Tínhamos tudo para fazer mais gols e não tomar naquele momento do jogo. O Inter teve de se lançar para a frente, estávamos bem postados, bem fechados. Tivemos três chances claras de fazer gol e não podíamos ter tomado o gol daquele jeito com o time todo ali atrás. Fiquei irritado mesmo.

– Aspecto defensivo foi muito importante. Tivemos muito poucos problemas defensivos hoje.

Apesar da boa campanha na Sul-Americana, o Tricolor vinha de uma sequência ruim no torneio de pontos corridos. Não vencia desde maio, há sete rodadas. Diniz pensa que o triunfo sobre os colorados alivia a pressão nas Laranjeiras.

– O psicológico do time ficou mais forte na dificuldade. Com a vitória, claro que fortalece um pouco mais, tira um pouco da tensão dos jogadores.


CONFIRA MAIS TRECHOS DA ENTREVISTA:

Análise da atuação: “O grande mérito foi o aspecto coletivo. Muita gente jogou bem hoje. Sempre um ou outro vai um pouquinho melhor. Mas a equipe foi muito bem como um todo. Muitos jogadores jogaram bem. E, quando muita gente joga bem, a tendência é o time ganhar os jogos e fazer boas apresentações”.

Aspecto psicológico: “Hoje, as emoções são as melhores possíveis, alegria diante da vitória. O time é muito forte. Que está se fazendo muito forte psicologicamente. Que passa por dificuldades e sabe suportar. O time nunca abriu mão de jogar bem, de ser coletivo, de buscar os resultados. Quando estávamos perdendo, a equipe não esmoreceu em nenhum momento. E isso é uma ótima qualidade”.

Gols perdidos: “Houve mais chances de fazermos gols. A bola bate na trave, passa raspando… Não vou nem falar de capricho. Temos que botar a bola para dentro e o quanto mais cedo, melhor. Se você cria muitas chances, a chance de abrir o placar e ganhar o jogo é grande. E acho que o time teve um mérito também. Embora a bola não tenha entrado, ninguém ficou frustrado no 1º tempo. Os jogadores voltaram imbuídos no 2º tempo, ninguém baixou a guarda, ninguém baixou a cabeça, e o gol era questão de tempo para sair”.

Dificuldade em não sofrer gols: “Estamos corrigindo. Estamos oferecendo cada vez menos oportunidades ao rival. Hoje quase ficamos sem tomar o gol, fomos tomar no finzinho do jogo, em um momento em que estávamos bem postados atrás. Mas vamos atrás de corrigir cada vez mais. O sistema defensivo, de uns tempos para cá, já vem melhorando em termos de performance. Agora é tentar de fato não tomar gol”.

Evolução de Daniel: “O time é um todo. Não são apenas os jogadores que jogam com o Daniel no meio apenas. A engrenagem está funcionando melhor. Daniel foi ganhando mais maturidade também. Era um jogador que tinha pouca rodagem, tinha jogado pouco pelo Fluminense. Vai ganhando confiança, o time vai encorpando. Ele é um jogador muito inteligente e tem o fato de eu já conhecê-lo, de ter trabalhado com ele no Oeste. Sei que ele é muito sagaz, consegue aproveitar muito bem a maneira como o time joga, consegue ocupar os espaços onde poucos conseguem ocupar por se antecipar taticamente. O crescimento dele foi natural junto com o crescimento do time. Ele fez grandes partidas no Carioca, não foi só agora, não. Oscilou, como todo o time, mas está vivendo um grande momento”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *