“Ei, Mário, vai tomar caju!” Coluna André Ferreira de Barros

“Ei, Mário, vai tomar caju”
André Ferreira de Barros
Pedro Abad foi o dirigente mais xingado da História tricolor. E o muito foi pouco. Ele merecia mais, muito mais. Afinal, ele e os seus asseclas da Flusócio – alguns dos quais habitantes da “esgotoesfera”, como o indefectível Zé Bobão – conseguiram piorar – e muito – o que já era ruim. Em poucas palavras, eles pisaram no acelerador rumo ao inferno.
Nessa esteira, Mário Bittencourt ascendeu ao cargo de Presidente do Fluminense F.C cercado por legítimas esperanças e compreensível paciência de parte da torcida tricolor.
Mas parece que o supremo mandatário do Fluminense confundiu isso com um cheque em branco.
Contratar o Oswaldo de Oliveira, às vésperas de um jogo decisivo contra o Corinthians, não foi um erro, Sr. Presidente, mas foram, sim, dois acintes. Fez-me lembrar do Ricardo Drubscky, criatura sua, Sr. Mário Bittencourt.
Manter o Marcão como técnico, com o Fluminense flertando com a zona de rebaixamento, não é, apenas, outro acinte, Presidente, é sapatear à beira do precipício.
E quem ama o Fluminense sabe o quão profundo e escuro é esse precipício!
O senhor sabe, não sabe, Sr. Mário?
Pois parece que não sabe!
Em suma, temo que, depois da tempestade (Flusócio), venha a enchente (Flusócio 2.0).
A torcida tricolor vem poupando o senhor, Presidente.
No entanto, se o Fluminense não ganhar da Chapecoense no próximo sábado, eu mesmo vou puxar o “Ei, Mário, vai tomar caju”.
Saudações tricolores!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *