fbpx

Entendeu, Vasco? Maracanã deixa de ser campo neutro no Carioca, e Fluminense garante torcida em setor Sul

A reunião que aprovou a fórmula de disputa do Campeonato Carioca de 2020, segunda-feira, na sede da FERJ, decidiu dar fim à condição de campo neutro para o Maracanã. Desse modo, o Fluminense, administrador ao lado do Flamengo, garante, como mandante, o direito de posicionar sua torcida no setor Sul, como já ocorre no Brasileirão.

— A discussão do lado não é uma guerra de prestígio. É uma questão comercial. Não existe hipótese jurídica de um regulamento interferir nisso. Temos uma permissão de uso que foi prorrogada. Não queremos prejudicar ninguém. Mas o Fluminense não tem como abrir mão disso por questões comerciais. Pagamos para jogar ali, custeamos o estádio. Não existe lógica. No dia em que eu jogo uma decisão, eu tenho que me deslocar, fechar minhas lojas, para atender reivindicação baseada em história? O Maracanã mudou desde a reforma. Não há nada pessoal contra o Vasco. Mas a questão é simples. Botafogo e Vasco não fizeram questão de estar lá porque usam seus estádios. Flamengo e Fluminense fizeram acordo e têm obrigações contratuais – disse Mário Bittencourt.

— É evidente que a torcida do Fluminense, no Maracanã, sempre ficará do lado direito. Foi como exposto pelo presidente do Fluminense. Eu penso que a lógica está situada no fato de que hoje o Fluminense está dentro do estádio dele — completou Rubens Lopes, presidente da federação.

A polêmica acerca do lado Sul do estádio marcou a final da Taça Guanabara deste ano, em fevereiro. Após batalha judicial entre os clubes, foram geradas liminares pelo fechamento dos portões e, depois, pela liberação da entrada de torcedores, com a bola rolando.

— Nossa preocupação é que houvesse um embate como o que nos levou a cenas horríveis como as que aconteceram no clássico. Aquilo foi uma das piores coisas que aconteceram, por uma divergência boba. Ao menos, eles deram a entender que chegaram a um atendimento — declarou Lopes.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top