fbpx

Jornal revela longa conversa entre Mário e Fred e diz que salário do centroavante precisa cair em 50%

Mário Bittencourt e Fred se encontraram e tiveram longa conversa a sós há duas semanas, com o Campeonato Brasileiro em andamento, quando o Cruzeiro treinou nas Laranjeiras. A recepção do presidente ao centroavante deixou claro o desejo compartilhado por ambas as partes e, ainda, pela torcida: “E aí, vamos assinar logo esse contrato?”, disse o dirigente, em tom de brincadeira.

Apesar do interesse na contratação, o Tricolor espera a definição da saída do jogador do Cruzeiro, que, rebaixado à Série B, se vê obrigado a liberar medalhões. O contrato com a Raposa, válido por mais uma temporada, deve ser rescindido.

– O desejo de repatriar o Fred sempre existiu, até antes da eleição. Jogador que gosto muito e um dos maiores ídolos da história do clube. Temos uma relação de amizade também. Eu acabei o encontrando sem querer nas Laranjeiras. Quando acabou o treino, ele foi na minha sala e me deu um abraço. Tivemos uma conversa de amigos. Desejei sorte a ele na reta final do Brasileirão. E, de lá para cá, não mais nos falamos — declarou Mário.

O que pode dificultar a contratação é o salário do ídolo, na casa dos R$ 800 mil. Fred toparia uma redução salarial, embora não se saiba de quanto. O valor máximo que poderia ser proposto pelo clube carioca é de R$ 400 mil — ou seja, uma queda de 50% nos vencimentos atuais do veterano de 36 anos. Bônus e adicionais atrelados a desempenho e conquistas são vistos como alternativas.

— Ele tem contrato com o Cruzeiro até o fim de 2020, com salário muito além das nossas possibilidades. Não temos nem como chegar perto do que ele ganha lá. Não fomos procurados por nenhum representante dele e do Thiago Neves. Nem nós procuramos. É isso. Neste exato momento, não há nenhuma conversa aberta com ele. Zero. Sigo dizendo que há um interesse, sim. Mas, no momento, ele está vinculado a outro clube. Mas futebol é um dia após o outro — concluiu Bittencourt.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Jornal O Globo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top