“O maior patrocínio master é gestão” Opinião Rafael de Castro

Olá, Guerreiros!
Penso que temos que ser coerentes com nossas convicções e diante disso me apresentei neste canal com uma “trilogia” que chamei de “Arte da Guerra”. Ficou longa, uma leitura pesada, mas nas vitórias ou nas derrotas meus principais ideais estarão lá: TRANSPARÊNCIA -> CREDIBILIDADE -> SUCESSO.
Na última semana tivemos nova coletiva do Presida e podemos dizer que a mesma nos trouxe maior percepção do trabalho que vem sendo desenvolvido, principalmente no que tange as questões jurídicas/administrativas para obtenção das CNDs e para restabelecimento de um fluxo de caixa confiável sem “mordidas inesperadas” das penhoras que tanto impedem uma gestão orçamentária fidedigna.
Ações importantes que obviamente devem ser exaltadas, mas como os problemas do Fluminense não são daqueles que possam ser resolvidos em um passe de mágica nada do que foi falado nos trouxe grandes perspectivas para 2020.
O futebol atual requer o profissionalismo de uma multinacional e cada “caixinha do organograma” deve responder por seu departamento, apresentando resultados concretos e superavitários.
Só poderíamos esperar resultados positivos na esfera jurídica, pois é a especialidade do nosso presidente, mas como gestor maior, se faz necessário exigir o mesmo “empenho” das demais áreas. O “Football” continua sustentando um caminhão de setores deficitários e não vejo resultado concreto em relação a isso. Nosso marketing continua no amadorismo de uma empresa de pequeno porte, mesmo diante de uma marca bilionária e de um ativo com orçamento anual de mais de 200 Milhões!
Mas a cereja do bolo hoje é Xerém…Como bandeira da sua gestão, acreditamos em um departamento com diretoria própria, com organização e estrutura independente e já nos deparamos com situações suspeitas e outras amadoras, como a evidenciada no caso Evanilson.
Como pode um atleta, artilheiro do campeonato brasileiro sub-20, com passagem pela Europa e com sondagens de gigantes europeus, chegar aos últimos três meses de seu contrato sem tê-lo renovado? Como pode este atleta ter sido mantido no time titular do sub-20 ao longo de todo segundo semestre sem ter renovado seu contrato? Como pode permitir que este atleta seja alçado ao time principal sem ter renovado seu contrato? Como pode o clube ainda premiá-lo com a titularidade no elenco profissional na última rodado do campeonato?
Sei que muitos vão pela parte mais rasa dos fatos: “Ah, mas ele fez dois gols…”; “Ah, mas ele nos classificou para a Sulamericana…”…
Que os Deuses tricolores perdoem estas mentes atrofiadas!
Não pode, em hipótese alguma, um atleta disputar o sub-20 como titular e chegar aos últimos 6 meses de contrato sem renovação. Ele pode ser o novo Pelé, mas nada ele poderá representar em 6 meses que compense o FFC ser usado como vitrine para empresário pôr dinheiro no bolso e o clube ser seu refém.
Eu esperava, sinceramente, que a “profissionalização de Xerém”, promessa de campanha, começasse pelo básico: revisão dos contratos de todos os atletas!
Continuamos esperando que os demais departamentos sejam tratados como o jurídico, mas para isso nosso presidente precisará compreender que responde por toda gestão, não somente pela área onde sempre foi especialista.
Sei também que alguns outros serão ainda mais rasteiros: “Ah, mas ele assinou com Eduardo Uram e vai continuar no Fluzão…”; Ah, mas o FFC vai continuar obtendo algum percentual em futura venda; “Ah, mas o Eduardo Uram vive salvando o FFC…”.
Que os Deuses tricolores perdoem estas mentes atrofiadas ao cubo!
Onde poderíamos obter 100% de uma jóia já observada pela Europa, teremos que nos contentar com 30%/40% ou qualquer outra migalha!
Onde poderíamos contar com um atleta para nos dar retorno técnico/títulos, ficaremos a mercê de que o empresário escolha o momento de vendê-lo!
Enquanto isso, muitos continuam no fim do século passado achando que a solução é patrocínio máster. Em mercado onde 12 Milhões de Reais ao ano é algo muito bom, observamos calados valores de nossa base escorregando pelos dedos.
Tenho total convicção que somente na “operação Evanilson” teremos perdido ao menos “1 ano de patrocínio máster”.
O PORTAL DA TRANSPARÊNCIA que eu espero, Sr. Presidente, deve constar todos os nossos passivos, todas os nossos departamentos, todos os colaboradores e seus respectivos custos, todos os atletas, incluindo a base, com os respectivos contratos, percentual que cabe ao clube e empresários declarados (em caso de fatiamento dos direitos econômicos).
O maior patrocínio máster do momento é a gestão e na próxima década, logo ali, é o capital externo. Sem gestão profissional não haverá maluco, além de nós torcedores, que coloquem 1 Real no clube.
O FFC sangra há anos e quem assumiu, não só sabia, como participou disso, mesmo que em partes. Portanto, não há tempo para desculpas ou tentativa de se colher louros por ações pontuais. Precisamos de um choque de gestão completo!
Nossa música de arquibancada diz: “Quero gritar campeão!”…
Mas o meu momento racional diz: Eu só quero ver meu FLUMINENSE grande novamente…Fora de campo e por conseqüência dentro dele. Se não for nessa ordem, esqueçam!

Rafael de Castro Ladewig de Araujo.
Meu sangue é grená com glóbulos verdes e brancos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *