fbpx

“Sócio Investidor” opinião Rafael de Castro

Olá, Guerreiros!
Há anos observo, quase que de forma unânime, criticas ao marketing do FFC. Nunca soubemos explorar o fato de que somos o único grande do RJ criado para “Football”; que adquirimos nossa sede, utilizada em inúmeros atos progressistas do país e não a recebemos do governo, como nosso rival da Gávea; que fomos o berço da seleção brasileira; que fomos o maior campeão carioca disparado, no período onde o torneio era maior que Brasileirão e até mesmo Libertadores; que fomos o 1º clube do RJ campeão Mundial (1952); que poderíamos transformar nossa sede no maior palco de espetáculos de alto padrão da Zona Sul do RJ; que hoje deveríamos utilizar o Maracanã como trampolim para imagem do clube no mercado interno e principalmente externo…
Chegamos ao século XXI com o produto futebol gerido com cifras astronômicas. Clubes grandes, como o nosso FFC, com orçamento superior ao de 95% dos Municípios brasileiros e com receitas superiores a maioria das empresas renomadas e até multinacionais. No entanto, até que ponto há profissionalismo para lidar com tal padrão econômico?! Há profissionalização na gestão para que tenhamos “os melhores do mercado” em cada “quadrinho do organograma”?!
A resposta é clara: Temos um grande advogado na Presidência e se hoje não estamos vivendo o drama do Vasco, é porquê houve habilidade pessoal do mesmo para lidar com aspectos fiscais/jurídicos. Parabéns por isso, presida, mas você agora é CEO desta grande nave e obviamente ainda precisamos de “especialistas nas demais áreas”.
Em poucos dias devemos conhecer o novo programa de sócios. Entre outras coisas, já ouvimos do nosso presidente que há uma massa com aproximadamente 250.000 torcedores que em algum momento estiveram na base. Mas o que esse departamento de marketing sabe fazer com esse conteúdo? Qual CRM feito nessa base para que haja uma abordagem direcionada a cada perfil de “ex-sócios”? Qual levantamento estatístico sobre as motivações pelas quais os torcedores, de cada perfil, deixaram de ser sócios? Qual a abordagem para os menores de 21 anos/estudantes, que já possuem benefício da meia entrada? Qual a abordagem para os que estão fora do RJ? Qual a abordagem para planos familiares? Qual a abordagem, para todos os perfis, quanto a TRANSPARÊNCIA da gestão como um todo e em especial do programa de sócios?
Quem acompanha meus textos sabe que não falo de futebol há muito tempo…falo de gestão e principalmente de TRANSPARÊNCIA. Preocupou-me bastante as palavras recentes do presidente sobre o PORTAL DE TRANSPARÊNCIA. Diferentemente do que ele falou, o Portal não deve ser um “balanço mensal”. Uma contabilidade possui números fechados, um PORTAL DE TRANSPARÊNCIA, possui características analíticas, onde deve-se dar conhecimento de cada despesa, cada receita, cada departamento e sua respectiva estrutura e resultados, cada empresa contratada, cada prestador de serviços…
Correlaciono a TRANSPARÊNCIA ao programa de sócios, pois qualquer pesquisa informal aponta que a falta de confiabilidade afasta o “torcedor investidor”. Se tivermos 80.000 torcedores pagando uma média de R$ 30,00/mês, há uma receita bruta mensal de R$ 2.400.000,00 e anual de R$ 28.800.000,00. Uma excelente receita, mas diante de tanto esforço e uma insistente responsabilização dada ao torcedor, seria importante deixar claro para o torcedor:
Essa receita será 100% do futebol?
Há alguma empresa contratada para gerir o programa? Se sim, qual? Quais critérios técnicos para contratação da mesma? Qual o custo?
Diante de todo esforço e responsabilização para o sucesso dada ao torcedor, qual o planejamento para que possamos confiar que este incremento, que não representará nem 10% do orçamento do clube e nem mesmo vendas de jogadores realizadas nos últimos anos, possam mudar nosso patamar?
Não sou contra os programas de sócios, muito pelo contrário! No entanto, é cristalino que nosso presidente continua cercado por amadores, que não entendem sua torcida, seus anseios e suas expectativas. O torcedor quer TRANSPARÊNCIA, para entender se seu dinheiro está servindo para renovar o contrato do Pablo Dyego (cujo empresário é Marcelo Fischel – filho do ex-presidente); se serve para manter as “relações de conveniências com Eduardo Uram (com sua legião de jogadores, incluindo a descarada finalização do caso Evanilson); se serve para mantermos um departamento de Scout, mesmo nossos atletas contratados, na sua maioria, venham da Agência Fato (com seu time já entrosado); se serve para manter os “Esportes Olímpicos” e seus “cabideiros”…
Como vou a praticamente todos os jogos, priorizo o plano que dá 100% de desconto nos ingressos. Em 2018 pagava o plano de R$99 (aquele que não entregaram os benefícios até o MB assumir). Em 2019, a falta de cumprimento do plano anterior, me fez migrar para o plano de R$60, também com 100% de desconto. Para minha surpresa, sem nenhuma comunicação prévia, o clube altera meu plano de R$60 para R$35, tirando de mim a possibilidade de ter 100% de desconto e tirando do clube R$25 somente nesse mês.
Quem foi o gênio responsável por tal rombo nos cofres do clube? Quem responde por este erro? Quem analisou a melhor data, em termos de marketing, para lançamento da campanha de sócios?
Na minha análise profissional, o “time” já se foi. Perderam o efeito do 13º para lançamento da campanha; jogaram 1 mês de orçamento no lixo e ainda reduziram receita com quem já é sócio (vide exemplo acima); Estão deixando para lançar a campanha após lançamento de IPVA, IPTU, Matrícula, Material Escolar…
Como anteciparam as eleições, entendo que o Portal de Transparência deveria ter sido lançado no dia seguinte que nos livramos do rebaixamento em 2019 e durante todo período de férias uma forte campanha para lançamento do Plano de Sócios 2020!
Aguardemos as novidades, mas meu plano de sócio, por exemplo, teria módulos, onde no básico o torcedor teria o sentimento de pertencimento e aplicativo exclusivo do ST por $10; Pacotes com descontos parciais e totais (similar ao que já temos) nos preços similares aos já aplicados; um plano de benefícios com empresas parceiras, utilizando o aplicativo para que tenhamos acessos mais dinâmicos; e uma baita novidade: “SÓCIO INVESTIDOR”.
Imaginem o que seria o lançamento da campanha para o torcedor trazer o Thiago Silva. Os mesmos 80.000 torcedores projetados acima, assinalando o “módulo para pagar o ídolo”. Por $10 mensais você, torcedor, não faria um upgrade no seu plano para trazer nosso grande ídolo?! Será que nosso marketing compreende que estes R$ 800.000,00 mensais trazem uma verba garantida de R$ 9.600.000,00 anualmente, fora a possibilidade de obter inúmeros outros ganhos com um atleta de tal porte internacional?!
É um sonho, uma pequena idéia que poderia facilmente se transformar em um esboço de projeto, mas certamente, só de sair da mesmice da incompetência que nos faz reduzir receita (conforme exemplo acima – redução automática dos planos) com essa equipe de marketing, já seria uma grande avanço!

TRICOLUZ:
Por que não agregar no lançamento da campanha um plano agressivo para venda dos, aproximadamente, 250 títulos de proprietários existentes? Como o conselho é todo da gestão, não seria difícil aprovar um desconto agressivo: 250 títulos a R$ 4.000,00 = R$ 1.000.000,00;
No meu entendimento profissional, já perdemos o “time” para lançamento do Portal de Transparência e da campanha de sócios, mas como “antes tarde do que nunca”, a estréia na Sulamericana, primeira semana de Fev/20 é uma nova oportunidade de mobilização;
Reflitam que mais importante do que ter 100.000 sócios ativos é ter uma torcida ativa, participativa e crescente. Temos um estádio que fica com “50.000” assentos vazios em 95% dos nossos jogos. Qual o plano do nosso marketing para resolver isso e consequentemente gerar possibilidade maior pressão aos nossos adversários e maior crescimento da nossa torcida?;

Nossa música de arquibancada diz: “Quero gritar campeão!”…
Mas o meu momento racional diz: Eu só quero ver meu FLUMINENSE grande novamente…Fora de campo e por conseqüência dentro dele. Se não for nessa ordem, esqueçam!

Rafael de Castro Ladewig de Araujo.
Meu sangue é grená com glóbulos verdes e brancos.

One Reply to ““Sócio Investidor” opinião Rafael de Castro”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top