“Vamos construir uma história no profissional do Fluminense”, Marcos Paulo sobre entrosamento com Evanilson

Atacantes de diferentes gerações na base inauguram dupla no profissional e mostram rápido entrosamento com camisas 11 e 9. Centroavante, porém, promete dar seu número para Fred

Eles ainda estão muito longe do sucesso dos ídolos Assis e Washington, mas são as esperanças de gol do Fluminense neste início de 2020. Depois de Odair Hellmann sofrer para encontrar o ataque tricolor nos primeiros jogos da temporada, Marcos Paulo e Evanilson deram rápida resposta na primeira oportunidade e já estão pedindo passagem no time titular. Donos das camisas 11 e 9, números que somados dá 20, seriam eles um novo “Casal 20”?

– É uma responsabilidade muito grande, são jogadores que fizeram história, e eu também espero contribuir fazendo gol – afirmou o ainda tímido Evanilson, em sua primeira entrevista coletiva.

– Acho que a responsabilidade é grande, mas é o que a gente sempre sonhou, seja com a camisa 9, 10 ou 11. Jogar leve, um ajudando o outro – completou Marcos Paulo, ao lado de sua dupla.

Crias de Xerém, os dois atacantes são de gerações diferentes e praticamente não jogaram juntos na base. Evanilson tem 20 anos, faz 21 em outubro, enquanto Marcos Paulo acabou de completar 19 e ficou pouco tempo no sub-20. Mas eles treinaram juntos e foram por um período companheiros de quarto.

Juntos no profissional desde o fim do ano passado, Marcos Paulo e Evanilson já eram para começar 2020 jogando. Eles vinham treinando como titular, mas sentiram lesões na coxa durante a pré-temporada. Recuperados, voltaram com assistência de um para gol do outro contra o Unión La Calera, do Chile, na estreia na Copa Sul-Americana, e já se sentem entrosados:

– Vem da convivência, a gente morava no mesmo quarto. Como ele é de uma geração na frente, via muito ele jogar e sempre falava que jogaríamos juntos. Consegui fazer alguns treinos com ele e vinha projetando essa dupla. Começou dando certo, contra o Corinthians no ano passado também consegui dar assistência para ele – lembrou Marcos Paulo.

– Moramos juntos no alojamento de Xerém, e agora se Deus quiser vamos construir uma história no profissional do Fluminense. (…) Fora de campo a gente conversava bastante, trabalhamos no sub-20 e treinamos muito, o entrosamento vai aumentando cada dia mais. Quando subi, ele me acolheu aqui, já estava adaptado ao profissional. A oportunidade apareceu e ele me ajudou bastante – elogiou Evanilson.

Fonte: Globo Esporte

Foto: MAILSON SANTANA/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *