“Nosso pedaço de chão” opinião Rodrigo Amaral


Caros amigos,


Ontem andei, andei, andei, como um andarilho que anda sem rumo e apenas observa a paisagem, e percebi que algo aconteceria, que nas cercanias do Mario Filho, que em dia de Nossos jogos poderia ser chamado de Nelson Rodrigues, assim como em Milão, haveria algo, não sei se lotaram o estádio, mas vi os camisas negras brotarem como formigas no verão, saindo e caminhando para aquele torrão de açúcar, inclusive um me perguntou onde era a entrada da Sul, e eu com um sorriso malandro de canto de boca falei:”A entrada do nosso lado fica pela Eurico Rabelo, em frente ao Bar dos Esportes”, e ele me exclamou, “Ah Você é Fluminense, Pô!” Eles sabem, todos sabem, mas a discussão existe, o próximo confronto entre o time da Barreira e o nosso Tricolor das Laranjeiras será no Nelson Rodrigues, e o mando será deles, ué e o lado Sul? Se o mando é deles, que joguemos no estádio deles, nunca fugimos da batalha, porquê teremos que jogar no nosso? Conheço as regras do cariocão, mas isso é questão de auto-estima, de rivalidade, de moralidade, até de ego, e não podemos sucumbir! Que Chitãozinho e Xororó me permitam, mas esse trecho da Música Coração Sertanejo reflete o nosso sentimento:”Andei, andei, andei até encontrar
Este amor tão bonito que me fez parar
Nesse pedaço de chão”. A Sul é o nosso pedaço, ali é nossa identificação, que eu possa continuar andando e que os tricolores me surpreendam, que mostrem que essa terra tem dono!

Sobre o autor