Saiba como o coronavírus pode afetar o calendário Brasileiro, veja alguns cenários

A paralisação dos principais campeonatos estaduais do Brasil e de todas as competições sob o comando da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pode gerar algumas mudanças no calendário do futebol do país. Existe a possibilidade de a bola parar somente nas semanas próximas ao Natal, já em meados de dezembro.

No calendário da CBF, divulgado no ano passado, a temporada atual tem 11 meses de duração, iniciando dia 22 de janeiro e terminando dia 6 de janeiro. Porém, com a pandemia do coronavírus e suspensão de todas as competições, restam pouco mais de oito meses para o término das atividades em 2020 (38 semenas)

Sendo assim, uma das possibilidades é a CBF usar as oito datas previstas para os jogos das Eliminatórias e, caso seja necessário, as duas destinadas aos amistosos da Fifa, em 4 e 9 de junho. Além, claro, da data vaga (25 de novembro).

Porém, ainda existe uma incerteza, isso porque,não se tem uma previsão exata de quando será possível retornar as atividades no Futebol Brasileiro, o que pode complicar ainda mais o calendário. Em entrevista coletiva, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o Brasil vai “passar por 60 a 90 dias de muito estresse”

Confira alguns cenários do calendário Brasileiro.

1) Paralisação de um mês, com reinício em 15 de abril
Nesse caso, oito datas teriam de ser repostas. Seria possível, usar todas as reservas destinadas às partidas da seleção brasileira nas Eliminatórias. Os Estaduais e o Brasileirão teriam todas as suas rodadas preservadas, assim como a Copa do Brasil.

2) Paralisação de dois meses, com reinício em 13 de maio
O cenário prevê o surgimento de 16 novas datas que foram perdidas. A saída seria utilizar as oito reservas destinadas às partidas da seleção brasileira nas Eliminatórias e as duas para os amistosos da Fifa, além da data vaga. Faltariam ainda cinco datas. Haveria a necessidade de estender a temporada até o dia 23 de dezembro.

3) Paralisação acima de três meses
A CBF e as federações estaduais teriam de fazer mudanças profundas no calendário, com o encurtamento das competições.

Fonte: UOL
Foto: Divulgação OAB/SE

Sobre o autor