fbpx

Vice do Flu, Celso Barros se diz contrário a volta do futebol em maio: “voltar agora seria contrariar as recomendações de saúde da maioria do mundo”

Vice presidente do Fluminense, Celso Barros segue afastado do clube, principalmente agora, em tempos de isolamento social. Contudo, apesar das opiniões diversas com grande parte do departamento de futebol, numa delas as partes seguem alinhadas: na volta do futebol.

Fluminense e Botafogo vem dando demonstrações e posicionamentos contrários a volta do futebol de imediato, mais precisamente, em maio – desejo esse de Flamengo, Vasco, Ferj e até do presidente Jair Bolsonaro.

E nisso, Mário Bittencourt e Celso Barros, presidente e vice presidente respectivamente, seguem o mesmo pensamento: de que seria precipitada uma volta do futebol em meio ao número crescente da pandemia em todo país.

Celso Barros, que é médico, usou seu Instagram pessoal para expressar sua opinião, onde citou exatamente o aumento do número de casos e o iminente colapso da saúde em todo país. Confira:

View this post on Instagram

Tomei conhecimento hoje do parecer do Ministério da Saúde a respeito do possível retorno dos treinamentos e jogos do futebol brasileiro. Na minha opinião como medico, o parecer é daquele tipo que tenta explicar o nada com coisa alguma, com todo o respeito. São inúmeras ressalvas, que ao meu ver, inviabilizam o retorno das atividades neste momento, ao contrário das conclusões finais do documento. Estamos assistindo um aumento significativo do número de óbitos e casos. Estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Pernambuco, Amazonas, Maranhão e alguns outros denotam quase um colapso, nas Unidades de Saúde. Os óbitos se acumulam, demonstrando que pessoas estão morrendo em casa, nos carros, na porta dos hospitais e evidentemente dentro deles. Segundo todas as lideranças políticas e médicas de todo o mundo, a única medida que temos hoje é continuar mantendo o distanciamento social. Vários trabalhos estão sendo feitos na busca de medicamentos e principalmente de vacinas que sejam eficazes no tratamento da doença. Mas no entanto, ainda não temos resultados definitivos. É claro que o isolamento, principalmente nas camadas mais vulneráveis da população, torna-se ainda mais angustiante. Cabe ao governo liberar de forma mais rápida os recursos para atender as necessidades desta enorme fatia do nosso povo. Voltar agora ao futebol significa contrariar as recomendações das autoridades da maioria do mundo. Falando especificamente do Fluminense, seria acomodar no Centro de Treinamento aproximadamente algo em torno de cinquenta pessoas por treinamento. Além disso, todos esses profissionais têm familiares, o que poderia aumentar o risco de contágio para todo este grupo. Sendo assim, tudo isso me parece um desejo do governo federal de tentar mais uma vez desconsiderar as medidas de distanciamento social. Volto a afirmar, que esse meu posicionamento é feito como médico e como vice-presidente geral do clube. Deixo claro que quem manifesta a posição do clube é o presidente Mário Bittencourt, que pelo que tenho visto, tem tido uma posição correta em relação ao assunto. Reitero também, que não fui consultado pelo presidente. Saúde a todos. Que Deus nos proteja. ST 🇭🇺

A post shared by Celso Barros (@celsobarrosoficial) on

Foto em destaque: Divulgação/FFC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top