Análise – Miguel e Araujo dão mais dinâmica ao meio campo Tricolor e surgem como boas opções

Na vitória do Fluminense sobre o Botafogo, por 1 a 0, no último sábado (25), pela primeira partida da Taça Gerson e Didi, a dupla Michel Araújo e Miguel, que entraram no segundo tempo, nos lugares de Nenê e Marcos Paulo, deram um novo ritmo ao meio-campo e ataque Tricolor.

Mesmo com mais posse de bola, o time de Odair Helmann mais uma vez mostrou dificuldade em criar jogadas de perigo. A única grande oportunidade, talvez, tenha sido com a dupla Marcos Paulo e Evanilson, onde o camisa 99 recebeu uma bola, entre a linha de marcação, mas não conseguiu empurrar para o fundo das redes. Em contra partida o Botafogo, desperdiçou três chances claras de gol, inclusive, um pênalti.

E o jogo que se encaminhava para mais um 0 a 0 mudou de ‘cara’ com a entrada de duas promessas, uma formada nas categorias de base do clube e outra contratada no início da temporada. Me refiro aos personagens principais dessa análise: Miguel e Michel Araújo.

A joia de Xerém, de 17 anos, entrou pela esquerda e juntamente com Ganso, exploraram bolas em profundidade. Tentativas de dribles, troca de passes, movimentação e cruzamentos. Essas jogadas, obrigou o Botafogo a reforçar mais o seu lado direito defensivo. É aí que entra a estrela do Uruguaio.
De fato o nosso gol saiu de uma espirrada, mal afastada pela zaga adversária, porém, não pode se deixar de lado o bom posicionamento e reflexo de Michel Araújo, que acompanhou a jogada, recebeu a bola e sem dominar à colocou no canto direito de Cavalieri. Isso aos 28 minutos do segundo tempo.

A partir, o que se viu ainda foi um Fluminense que mais se preocupava em estar com a bola ao o que fazer com ela. E as pouquíssimas tentativas de escapada, seja em contra-ataque ou uma bola enfiada entre as linhas alvi-negras, vinham dos pés do Trio: Ganso, Miguel e Araújo.

Diferente da monotonia que temos acompanhado nos últimos seis jogos, salve o segundo tempo do primeira decisão do Carioca, essa partida, se serve como parâmetro, nos trouxe algo diferente, mesmo que talvez possa ser insignificante aos olhos de alguns. Contudo, fica aqui a minha expectativa e curiosidade em ver essa dupla e atuar mais vezes juntos.

Por: Moises Costa
Foto: Lucas Merçon / Fluminense F.C.



6 Replies to “Análise – Miguel e Araujo dão mais dinâmica ao meio campo Tricolor e surgem como boas opções”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *