Opinião – Ignomínias

Infelizmente, a odiosa Flusócio fez escola no Fluminense – e não apenas no quesito “jestão”, com “j” de jumento.

Espraiou-se pelas Laranjeiras, também, um modo macunaímico – e patológico – de comportamento social – segundo o qual, por um lado, tudo o que provém dos meus é inerentemente bom e, por outro, o que não provém é inerentemente ruim.

Mais, segundo as macabras escrituras da Flusócio, o Fluminense foi descoberto pelo Peter, revelado pelo Danilo e refundado pelo Pedro. Cáspite!

Nessa obtusa linha de raciocínio, o Pai de Todos os Pavões passou a encarnar o Fluminense F.C.

Ele – e só ele – encarna o Fluminense, eis que ungido pelos Céus, posto que ateu. Uma espécie de Luís XIV das Laranjeiras.

O que vimos na FLUFEST de sábado passado foi uma pantomima, ou melhor, um show de horrores, em cujo palco central desfilava um janota – um incompetente janota.

O assunto em apreço era o tricampeonato brasileiro de 2010. Isso evocava em nossa memória afetiva Muricy Ramalho? Dario Conca? Celso de Barros? Roberto Horcades? Tudo junto e misturado?

Decerto, o tema não evocava, nem de raspão, Mário Bittencourt.

Mas, o cara de pau perdeu a noção do ridículo e tentou, a fórceps, recontar a História, colocando-se, claro, como protagonista da inesquecível conquista. Mais duas horas de festa e embalado pelo inarredável cordão dos puxa-sacos, perigava o Mário dizer que contratara o Rivelino e montara “A Máquina”.

Putz grilo!!!

Quando o Fluminense se livrar dessa raça de mutantes, o chopp é por minha conta – pelo menos até o limite do cartão.

Saudações tricolores.

25 Replies to “Opinião – Ignomínias”

  1. Pingback: HP Servis
  2. Pingback: buy arimidex
  3. Pingback: lace front wigs
  4. Pingback: mơ bắt cá trê
  5. Pingback: replica watches
  6. Pingback: tennis truc tuyen
  7. Pingback: mo gap ran
  8. Pingback: porn movie
  9. Pingback: Energy Rates
  10. Crítica formulada em momento oportuno, onde dirigentes recorrem a argumentos prenhes de ufania para adotarem decisões maniqueístas quando não retorcem a verdade (p

    Na era da fake news e da pós-verdade, a paixão clubista ainda assim não deve divorciar-se da razão.

    O subscritor do artigo, pelo visto ardente tricolor , não incorreu naqueles pecadilhos, embora esteja no lado errado, como vascaíno ácido tenho que render-me , nessa particular narrativa, aos seus anceios, que em verdade traduzem o de todos torcedores que primam pelo jogo bem jogado, dentro e fora dos gramados.

    Louvo a Baco, deus do vinho, no desconhecimento de uma divindade cervejeira, que ficará marcada para um pós-jogo entre tricolores e cruzmaltinos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *