Análise – Voltar à Libertadores pode render ao Flu um ‘Patrocínio Master’, entenda.

Nada como aproveitar a boa fase do time e, talvez, mais do que isso, o nível do futebol brasileiro para falar sobre um projeto ambicioso, que para alguns é improvável, mas para outros, realista.

Acredito que o título possa até gerar, de certa forma, uma polêmica, mas garanto que é apenas mais um incentivo à reflexão. Já que, sem dúvidas, “Libertadores” e “Patrocínio Master” é algo que vaga no subconsciente do torcedor Tricolor, uma vez que não os ver a bastante tempo.

Afinal qual a relação entre esses dois?, Surgiria um patrocinador master apenas pelo fato do Flu por voltar a disputar a competição? São alguns dos possíveis questionamentos. Mas, há uma perspectiva até simples nessa discussão, que é: A cota de premiação.

Como revelado em algumas de suas coletivas, o presidente Mário Bittencourt afirmou que não há empresas interessadas em pagar o que a diretoria julga justo pelo espaço nobre da armadura Tricolor. Os valores pretendidos giram em torno de 10 a 12 milhões de reais anuais.

Pois bem, é fato que uma volta ao principal torneio do continente, possa fazer com que possíveis interessados invistam a quantia mínima atual pedida, até porque a visibilidade será alta. Mas, se nos atermos apenas ás cotas de premiação dada somente na fase de grupos, o Fluminense teria uma quantia de R$ 16,32 milhões (na cotação atual). Já que de acordo com o regulamento de pagamentos da Conmebol para a edição deste ano, cada clube tem direito a US$ 3 milhões, referente a cada partida como mandante.

Em rápida comparação, o Tricolor, para conseguir essa mesma bolada na Sul-americana, competição que vem disputando com mais frequência, precisaria chegar à semi-final, para somar US$ 2,57 (R$ 13,98 milhões, na cotação atual).

É verdade que a moeda brasileira encontra-se bem desvalorizada em relação a moeda americana, porém, para que os valores pagos na segunda fase da competição (a primeira é a chamada ‘pré-libertadores’) sejam menores do que o valor pretendido pelo Flu, o câmbio teria que ter uma queda considerável.

Logo podemos definir, á grosso modo, que o patrocinador master do Flu, pode ser ele mesmo. Já que o dinheiro não vem, basta ir até ele. É fácil? Não! Mas é aí que entra o ponto citado no início do texto, o chamado ‘projeto ambicioso’.

A última vez que o Flu disputou uma Libertadores, foi há 7 anos, em 2013 e nas últimas cinco temporadas em que brigou contra o rebaixamento viu seus 11 rivais – levando em conta o grupo dos chamados ’12 grandes’ – jogarem ao menos uma vez o torneio.

E porque agora seria o momento de virar essa chave, quebrar essa pestia e voltar a participar da Libertadores? Bom, a resposta poder ser o que se encontra, também, presente no primeiro parágrafo: O nível do futebol brasileiro.

Mesmo sendo um clichê, é inegável que o torcedor é uma espécie de ’12° jogador’. Um personagem que não atua nas quatro linhas, mas tem o poder de influencia-la. Porém, a falta do público dos estádio, por conta da pandemia, nivelou ainda mais o futebol tupiniquim, uma vez que a diferença dentro de campo passa a ser exclusivamente a atuação das equipes. E é esse fator, que torna o esporte em 2020 mais igualitário, mesmo que por baixo.

Com isso, concluo que, diante do que está sendo apresentado, ou talvez, do que não está sendo apresentado pelos demais 19 participantes da Série A, o Fluminense tem claras condições de voltar a jogar Libertadores em 2021. Há quem ache uma completa ilusão e há crie expectativas, as formas de chegar estão aí, são as mesmas das outras temporadas. O caminho será fácil? isso é obvio que não. Mas com certeza menos difícil já é.

Se você chegou até aqui, agradeço. E repito, o intuito dessa análise é apenas gerar reflexão e debate entre os torcedores da torcida mais bonita do mundo. Saudações Tricolores!

Por: Moises costa
Foto: ge.globo/editoria de arte






Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *