Fluminense relembra saga do “Time de Guerreiros”, quando o Flu se livrou de um rebaixamento praticamente certo em 2009

Nas rodadas finais do Brasileirão de 2009, o Fluminense protagonizou uma das maiores façanhas do principal campeonato do país. Quando parecia perto do rebaixamento para a Série B, o Tricolor se transformou no Time de Guerreiros, conseguiu uma sequência de resultados de campeão e venceu o duelo contra a queda para a segundona. O clube carimbou a permanência na primeira divisão depois de ficar no 1 a 1 com o Coritiba, no Couto Pereira, há 11 anos.

Paralelamente à disputa da Sul-Americana, da qual chegou a ser finalista naquela temporada, o Flu vivia um grande drama na competição de pontos corridos.

Foi em meio a um furacão em Laranjeiras que Cuca assumiu o comando da equipe, sucedendo, na época, Carlos Alberto Parreira, Vinícius Eutrópio e Renato Gaúcho. Na ocasião, os cálculos indicavam 99% de chance de rebaixamento do Fluminense, que somava 18 pontos em 24 jogos e ocupava a lanterna do Brasileiro.

Para se livrar da degola, o clube travou batalha contra a calculadora. Nos seus últimos sete compromissos no campeonato, o Tricolor tinha a missão de conquistar seis vitórias e um empate. Empurrado pelos torcedores, o Time de Guerreiros tornou possível o que se considerava um milagre.

A arrancada de 2009, aliás, abre o livro “Time de Guerreiros – A Epopeia do Tri”, produzido pelo Flu-Memória e lançado durante a FluFest de 2020, em celebração aos 10 anos do título brasileiro de 2010. A obra pode ser adquirida com exclusividade nas lojas oficiais do clube.

RELEMBRE A CAMPANHA

Apesar do cenário adverso, o apoio das arquibancadas expressava a confiança dos tricolores na superação. Naquela campanha, inclusive, foram eternizados, por exemplo, a faixa com a inscrição “Lutem até o fim” e o cântico de “Time de Guerreiros”.

Entre candidatos ao título e ao descenso, o Fluminense ganhou de Atlético-MG, Cruzeiro, Palmeiras, Atlético-PR, Sport e Vitória, na sua arrancada milagrosa. Na rodada decisiva, empatou com o Coritiba.

O início da reviravolta se deu no dia 29 de outubro, no Maracanã, pela 32ª rodada, quando o Flu levou a melhor sobre o Galo, por 2 a 1. Fred e Conca balançaram as redes.

Logo na sequência, a virada de 3 a 2 em cima do Cruzeiro, com gols de Fred (dois) e Gum, no Mineirão, marcou de vez a ascensão da equipe carioca no Campeonato Brasileiro. Em seguida, o Tricolor emplacou triunfos por 1 a 0 e 2 a 1 contra Palmeiras e Atlético-PR, respectivamente.

Após superar o Sport por 3 a 0, o clube passou a depender só de si para impedir a queda. Porém, somente depois da goleada por 4 a 0 sobre o Vitória, já na penúltima rodada, conseguiu, enfim, sair do Z-4.

A impressionante saga do Time de Guerreiros ganhou seu capítulo final no Couto Pereira, em 6 de dezembro de 2009.

Apenas um empate separava o Fluminense da permanência na Série A. No meio do caminho, entretanto, havia o Coritiba, que era assombrado pelo fantasma do rebaixamento em meio à comemoração dos seus 100 anos.

Diante de casa cheia e ambiente hostil, o confronto virou uma guerra. Não só com bola rolando. Depois do fim da partida, uma invasão ao campo, liderada por parte da torcida do Coxa, provocou pânico e deixou terra arrasada no local.  

Era decisão. Última rodada. Cada lance importava. Aos 26 minutos do primeiro tempo, Marquinho, de falta, pôs o Flu à frente no placar. Passados dez minutos, o adversário igualou o marcador e apostou na pressão. Ainda assim, não deu certo.

Os jogadores tricolores resistiram aos percalços, honraram a alcunha de guerreiros e deixaram o “impossível” só na estatística.

Foto em destaque: Photocamera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *