Após nove anos, Fluminense pode quitar ato trabalhista

Compromisso atual foi assinado em 2011, e terminou em dezembro. Com a pandemia, algumas parcelas ficaram suspensas, e o clube negocia o pagamento delas. 

O acordo que renegociou cerca de R$ 121,2 milhões, na gestão Peter Siemsen, está prestes a ser quitado faltando apenas o acerto das parcelas suspensas na pandemia.

Em abril o clube garantiu um mandado de garantia para suspender durante três meses as parcelas do Ato trabalhista. A decisão na época, foi a de postergar 50% do valor mensal equivalentes aos meses de agosto, setembro e outubro. Até que em novembro a medida foi quebrada. 

O que falta no momento, é que a diretoria tricolor negocie um prazo para quitar esses vencimentos em aberto e concluir o ato trabalhista. O acordo ao longo dos nove anos, foram aumentando de forma gradativa as parcelas. No início de 2020, o Fluminense começou pagando R$ 1,2 milhão e terminou com o valor na casa de R$ 1,4 milhão. Esses valores eram retidos diretamente do direito de transmissão dos jogos. 

O Fluminense já conversa com o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), planejando um segundo acordo ato trabalhista visando renegociar dívidas com ex jogadores e funcionários que não estavam incluídos no primeiro plano, ou seja, que surgiram de 2011 para cá. 

Foto: Lucas Merçon/FLUMINENSE FC

Fonte: Globoesporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *