Fluminense tem direito a compensação por Marcos Paulo

Mesmo com o jovem já tendo assinado um pré contrato com o Atlético de Madrid, o tricolor ainda tem direito a uma compensação por treinamento se o jogador for embora apenas no fim de seu contrato, esse valor é de cerca de 500 mil euros, mais de 3 milhões de reais.

O Fluminense tenta convencer o time espanhol a levar o jogador ainda em Janeiro, e com isso receber uma quantia maior pela transferência, mesmo não sendo o valor tão sonhado pelo clube um dia com saída da joia. Os planos do clube era que a venda fosse a maior da história no valor de 10 milhões de euros.

Assim como o mecanismo de solidariedade, a compensação por treinamento foi criada pela Fifa para proteger os clubes formadores (onde o jogador passou entre os 12 e os 23 anos).

A compensação por treinamento é acionada em duas situações, e apenas para o clube em que o atleta atuava imediatamente antes de se transferir:

  • O primeiro caso é quando um jogador é registrado pela primeira vez como profissional, os clubes que participaram do seu treinamento e educação terão direito a tal indenização. Por exemplo: um jovem que só tinha vínculo amador com o clube “A” assina o primeiro contrato profissional com o clube “B”.
  • O segundo caso, onde se enquadra Marcos Paulo, é quando um atleta é transferido entre clubes de diferentes associações nacionais, no decorrer ou ao fim de seu contrato, durante seu período de formação. Na prática, é como se fosse um valor mínimo obrigatório, embutido nas compras e garantido ao último clube em caso de saídas ao fim do contrato.

Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC

Fonte: GE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *