“O advogado que queimava regras” – Opinião André Ferreira de Barros

“O advogado que queimava regras”

Numa interpretação ampliada, perfeitamente consonante com o bom senso, o advogado é indispensável à concreção do valor justiça (artigo 2o da Lei no 8.906, de 04 de julho de 1994). A ética é norte em toda a sua vida, ainda que fora do exercício da nobre função (artigo 31, “caput”, da Lei no 8.906/94).

Entretanto, no Fluminense F.C, um estrelado advogado – que, como dirigente de futebol, nada mais é do que um farsante de quinta categoria – obra diferentemente. Ele rasga as regras. Pisoteia o Estatuto. Estupra o Direito.

O último preceptivo queimado pelo Sr. Mário Bittencourt – sabe Deus por quê – foi o artigo 56, inciso I, alínea “b”, do Estatuto do clube.

Quo usque tandem abutere, Mário Bittencourt, patientia nostra?

Saudações tricolores.

O texto é de total responsabilidade do autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *