Fluminense vence e se garante na elite do vôlei feminino

O Fluminense garantiu nesta sexta-feira (05/03) sua vaga na próxima temporada da Superliga Banco do Brasil feminina de vôlei. Com uma atuação heróica, o Tricolor derrotou o São José dos Pinhais/AIEL, de virada, por 3 sets a 1, parciais de 18/25, 25/23, 27/25 e 25/20, no Centro Esportivo Ney Braga, em São José dos Pinhais (PR), pela 11ª e última rodada do returno. Com o resultado, o Fluminense chega aos 15 pontos, passa o time paranaense na tabela de classificação, e termina a competição em décimo lugar.

Mayara foi eleita a melhor jogadora em quadra e ganhou o Troféu Viva Vôlei. A jovem ponteira fez 15 pontos no jogo, assim como Mari. Fernanda Tomé, que disputou as últimas partidas com uma lesão no tendão calcâneo do pé esquerdo, foi a maior pontuadora do Fluminense com 18 pontos.

A caminhada para se livrar do rebaixamento começou na oitava rodada do returno, quando o Fluminense derrotou o São Caetano em casa no primeiro jogo de Guilherme Schmitz à frente da equipe. Em seguida, o Tricolor bateu o Pinheiros fora de casa e perdeu para o Curitiba Vôlei no tie-break. O ponto conquistado contra as paranaenses permitiu que a equipe chegasse na última rodada dependendo apenas do próprio esforço para seguir na elite do vôlei nacional.

Com a vitória sobre o São José dos Pinhais, o Fluminense somou nove dos 12 pontos disputados nas últimas quatro rodadas do returno.

“Foi um jogo emocionante. Foram três semanas muito intensas de trabalho. Três semanas que valeram uma Superliga inteira. As meninas compraram o barulho e eu fiquei três semanas sem dormir direito, estudando muito. Graças a Deus deu tudo certo. A permanência é um marco histórico para o vôlei do Fluminense e, principalmente, do esporte olímpico do clube. Mostra o valor do esporte olímpico e mostra como nosso vôlei tem brio. Estou muito satisfeito pela entrega das meninas. Elas foram leoas, muito guerreiras, superaram as lesões e demos a volta por cima. Agora é hora de comemorar e, na semana que vem, temos que começar a planejar a próxima temporada, que vai ser tão desafiadora como essa”, disse o técnico Guilherme Schmitz.

A levantadora Giovana Gasparini, que sofreu um estiramento no quadríceps da perna direita durante a temporada, elogiou todos os envolvidos no dia a dia do time.

“Essa vitória foi muito especial para mim. Esse foi o momento mais difícil nestes quatros anos em que estou no Fluminense. Eu amo esse clube, me identifico demais com as pessoas que estão aqui dentro, desde o Ale, que arruma a quadra, os braceiros que ajudam o treino, fisioterapeuta, médicos, preparador físico, técnicos – tanto o Hylmer quanto o Guilherme – e esse grupo foi fantástico! Tivemos muitos momentos difíceis e passamos por coisas que nunca imaginamos passar. Tive uma lesão que me tirou por quatro semanas da quadra, algo que nunca havia acontecido comigo, e superamos tudo isso. Esse jogo foi a nossa final. Deixamos nosso coração dentro de quadra e não podia ter sido diferente. Agradeço demais pela confiança que o Fluminense depositou em mim e fico muito feliz por ter feito o nosso dever”, comemorou Giovana.

O Fluminense começou o jogo com: Giovana, Juli Lazcano, Mayara, Fê Tomé, Natasha, Mari e Andressa.
Entraram: Julia, Júlia Parada, Rose e Arianne.

Texto: Comunicação/FFC
Foto: Thaise Oliveira/FPV

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *