Fred é destaque no Diário Argentino Olé, na véspera da estréia do Flu na Libertadores. Leia tudo!

Fred com 37 anos, o atacante e rival do River ultrapassou todos eles embora hoje ainda seja válido. E seus números apóiam isso. Visão do jogador: “Não me preocupo em converter como antes. Se eu conseguir segurar uma bola para que Kayky se desequilibre em um a um, estou calmo”.

 Ele teve gritos suficientes ao longo de sua carreira de maratona para continuar vivendo obcecado com o objetivo. Mas cuidado, River : a declaração de Fred pode ser uma tela, um engano vil. Não vai ser coisa que ele minta e que nesta quinta-feira no Maracanã surpreenda e acerte o gol N ° 401 em sua conta pessoal para acabar ampliando sua imagem como ídolo do Fluminense neste início da Copa Libertadores .


É uma realidade: seu caso é um verdadeiro reflexo de quão efêmero é o sucesso no futebol, mas acima de tudo quão frágil e seletiva é a memória neste esporte. Em 2013, Fred se tornou o herói da seleção brasileira na conquista da Copa das Confederações graças aos dois gols em 3 a 0 na final, contra nada menos que a Espanha. Um ano depois, em plena Copa do Mundo, o chamaram de “o pior 9 da história do Verdeamarela” quando teve um papel a ser esquecido como o resto do time comandado por Luiz Felipe Scolari. Uma realidade vivida no país vizinho, mas que não interferiu no pensamento generalizado do torcedor fluminense , onde o nome de Frederico Chaves Guedes é palavra de ordem.


Não pelos bons 37 anos, mas porque em nove temporadas -em dois ciclos- no elenco carioca, tornou-se um dos maiores ídolos do clube por meio de gols. E mal que apesar de seus detratores, este atacante é hoje o jogador que mais converteu gols desde que o Brasileirao mudou sua forma de disputa em 2003: acumula 152 e anda …
Ou pedalando, melhor. Porque foi assim que ele chegou à sede do Flu em meados do ano passado para assinar como reforço: de bicicleta e de língua de fora depois de ter percorrido os 641 quilômetros por cinco dias! que separam o Rio de Minas Gerais . Uma pedalada que ele idealizou como parte de uma causa de caridade para conseguir alimentos para os necessitados. E enquanto sua carreira foi mais do que as rodas daquela bicicleta, Fred mente no que diz: o grito sagrado ainda o mantém ativo e com sonhos. Falou:


-“Estou desesperado para conquistar um título importante com o Fluminense para que eu possa aproveitar para o resto da minha vida ( NdeR: já conquistou 4 títulos locais). Sabemos que o River é o favorito não só no nosso grupo mas também na competição .Mas confiamos em nós mesmos e vamos sair da vida. Vamos tentar atacá-los ao máximo, sempre com coragem e personalidade ”, disse que, além disso, está a um passo de subir ao pódio dos melhores artilheiros de todos os campeonatos brasileiros : um de Edmundo e dois de certo Romário ficou. Cuidado, River : Fred ainda está com medo …

fonte e foto divulgação Olé

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *