“Diante do abismo tático e do excesso de serviços prestados pelos Deuses Tricolores, hora de pensar até em mala branca!” Opinião Rafael Ladewig

Olá, Guerreiros!
Vivíamos um sonho e sequer conseguimos dormir nas duas últimas noites para que tivéssemos pesadelos. Isso porquê na de quarta perdemos a primeira e a chance de uma classificação antecipada; na quinta, a vitória do River, sem goleiro, sem banco e com metade dos jogadores de linha jogando fora de suas posições. ()Muito se falou da ausência de goleiro e de não ter banco, mas já imaginou Nenê ou Cazares jogando de primeiro volante? Já imaginou Egídio como atacante? Pois é…guardadas às devidas proporções, assim foi a vitoria do River.
O compromisso tático é algo que só existe quando se acredita no comando. “Se” as bolas do Kayke e do L.H tivessem entrado, talvez não tivéssemos rumando este discurso por aqui, mas esse “Se” já vinha jogando muito a nosso favor e é fanatismo ignorar os números:
Fluminense na Libertadores ⬇
Dos 32 times, o Flu é o:

  • 30º em passes certos
  • 28º em finalizações
  • 31º em desarmes
  • 30º em posse de bola

Observando os gols sofridos contra o Junior:
1º-Marcação frouxa e desencaixada de todo setor direito. Kayke não agride na 1ª bola, que é rolada para o ponta esquerda deles, sob o olhar confuso de Calegari e de Martinelli usando aquela famosa frase, “correndo errado”. Após cruzamento, Fred que parecia inteiro na bola, ao menos para atrapalhar o atacante, sequer aparece na foto da cabeçada, tendo como coadjuvante da cena Luccas Claro, atrasado e confuso diante do posicionamento do Don Fredon.

2º-Essa foto já ficou famosa nas redes e qualquer leigo entende que tem algo bem errado aí. Não estamos falando de liberdade de 1 ou 2 metros. Estamos falando em permitir que o adversário entre no nosso último terço do campo sem que ninguém esteja ao menos a 5 metros de distância. Podemos tirar várias conclusões dessa radiografia, mas pra mim, a mais impactante é como o Yago corre uma prova de 100m rasos para chegar na bola (“correndo errado”, capitulo 2). Onde estava Yago na origem do lance, considerando que o adversário já estava com 5 homens o terço final de campo?!

Para o Flu, nada é fácil, mas nossa tática suicida e dispersa não precisava colaborar tanto para que chegássemos na seguinte situação:
Vitoria do Flu, estamos classificados;
Em caso de empate do Flu, Júnior pode ganhar por 1 gol de diferença, desde que não marque mais gols do que nós no empate (1×0 eles, 1×1 nós; 2×1 eles, 2×2 nós…);
Derrota do Flu, estaremos classificados em caso de derrota ou empate do Junior.
Pra mim a decisão é simples: certamente há uma boa premiação aos jogadores pela classificação às oitavas. Cada jogador abre mão de R$ 10.000,00 deste valor e oferecem a famosa mala branca aos jogadores do Santa Fé.
Não me venham com ética. Pagar incentivo para vencer é completamente diferente de pagar para perder.
Os jogadores nos devem isso depois do papelão contra o Júnior e mesmo sem esses 10k, ainda estarão em um baita lucro com a classificação caindo no colo em caso de revés contra o River e salvos pelo Santa Fé!
Se precisarem de dinheiro vivo, essa prática já foi usada e não deve ser problema nas Laranjeiras. Se precisarem levar de carro na fronteira com a Colômbia, pode contar comigo!

Rafael de Castro Ladewig de Araujo.
Meu sangue é grená com glóbulos verdes e brancos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *