Perguntado sobre a escolha do batedor de pênalti, Roger sai em defesa de Nenê

Questionado sobre como se deu a escolha do cobrador do pênalti, Roger assumiu que foi uma opção feita por ele e saiu em defesa de Nenê. 

O meia já havia perdido o último pênalti que cobrou pelo Fluminense, no ano passado, na vitória por 3 a 1 sobre o Athletico-PR no Maracanã. Enquanto Abel Hernández, que já converteu dois na atual temporada, estava em campo e não foi escolhido:

– A escolha é definida pela comissão técnica e por mim. Dependendo do jogo, a gente escolhe dois ou três e tem uma ordem dos batedores para penalidades. O Nenê é um batedor eficaz, errou hoje, mas converteu inúmeros outros. Não é obrigatoriedade de sempre ser o centroavante a bater (Abel Hernández converteu os dois últimos). Por isso a escolha pelo Nenê, mas faz parte. Finalizou 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *