Em destaque no Brasil, Diniz recusou ofertas mais vantajosas para “comprar” projeto do Fluminense em 2023

O Fluminense anunciou a renovação de Fernando Diniz no último sábado por mais dois anos, até o fim de 2024. Após um trabalho que levou o Tricolor à semifinal da Copa do Brasil e ao terceiro lugar do Campeonato Brasileiro, o técnico voltou aos holofotes no país e passou a ser novamente cobiçado. Mas preferiu ficar nas Laranjeiras mesmo com ofertas mais vantajosas financeiramente.

Não foram poucos os clubes a sondar o treinador. Os mais incisivos, segundo apurou o ge, foram o Corinthians, que não conseguiu manter Vítor Pereira, e o Atlético-MG, que entrou em acordo para a saída de Cuca. Principalmente o Timão, que ofereceu salários muito acima do que ele ganhava no Fluminense e inclusive sinalizou com a possibilidade de contratar um jogador de confiança de Diniz no elenco tricolor.

Mas o técnico avisou a seu empresário para sequer deixar as propostas chegarem até ele. Além de já ter dado a palavra a Mário Bittencourt de que renovaria caso o presidente fosse reeleito, Diniz também levou em consideração outros dois motivos para não sair: a forte conexão que criou com a torcida do Fluminense desde sua primeira passagem, em 2019, e a confiança no time que tem em mãos. Ele acredita plenamente que, com reforços pontuais, brigará por títulos em 2023.

No novo vínculo, Diniz terá um aumento salarial no Fluminense de 30%, segundo divulgado pelo canal “Sentimento Tricolor” no YouTube e confirmado pelo ge. Ainda assim, os valores não chegarão nem perto do que lhe foi oferecido por outros clubes, mas o técnico optou por “comprar” o projeto tricolor. E se dependesse do clube, o contrato seria até o final da gestão, em 2025, mas a legislação brasileira permite no máximo compromisso de dois anos com treinadores no país.

A confiança mútua de Diniz e a diretoria do Fluminense é tanta, que o anúncio foi feito apenas com a palavra de um para o outro. De férias em São Paulo, o técnico virá ao Rio de Janeiro nesta semana para assinar o novo contrato e se reunir com os dirigentes para discutir os alvos no mercado para possíveis reforços.

No novo contrato, o Fluminense também vai se precaver de um possível convite da CBF após a Copa do Mundo do Catar, quando Tite deixará a Seleção. O nome de Diniz é um dos cotados nos bastidores para o cargo, mas se quiser o treinador a confederação brasileira terá que, além de convencê-lo a abandonar o projeto tricolor, pagar uma multa equivalente a 50% do valor do tempo restante até o final do vínculo nas Laranjeiras.

Fonte: ge
Foto: Divulgação Fluminense

Sobre o autor