Feliz com a renovação, Fernando Diniz planeja 2023 e mira títulos: “Me sinto em casa aqui”

Fernando Diniz não escondeu a felicidade ao voltar ao CT Carlos Castilho. E não fez a menor questão disso. O treinador esteve nesta quinta-feira (01/12) na casa tricolor para assinar sua renovação de contrato e dar prosseguimento ao planejamento para a próxima temporada. Diniz, que acertou novo vínculo até o fim de 2024, afirmou que a decisão de permanecer no Fluminense foi fácil. Afinal, vestindo verde, branco e grená ele se sente como se estivesse em casa.

“Para mim é uma grande alegria, mas era uma renovação que estava escrita nas estrelas. A gente já tinha toda preparação e era uma questão de esperar um pouco a eleição. Minha total preferência era renovar com o Fluminense. A conversa sempre foi fácil aqui. Tinha um desejo muito grande ficar em um lugar que eu adoro, me sinto totalmente em casa aqui. Conforme você vai convivendo com as pessoas, o vínculo fica cada vez mais profundo e eu sou movido a esse tipo de comportamento. Gosto de conviver com as pessoas que eu gosto e que gostam de mim. E aqui a gente foi estreitando cada vez mais os laços em todos os setores do clube. Temos uma harmonia muito grande nas relações humanas e isso pesa muito para mim. Além, é claro, de eu ter uma relação especial com o Fluminense, de uma maneira singular com o torcedor”, afirmou o treinador, em entrevista que pode ser conferida na íntegra na FluTV.

Após assinar o novo contrato, Fernando Diniz se reuniu com a diretoria tricolor para traçar os próximos passos no planejamento para o ano que vem. Na opinião do treinador, o principal reforço para o Fluminense é manter a base sólida da equipe que encantou o Brasil em 2022.

“O mais importante é que a principal base do planejamento seja a manutenção da equipe. É algo que a gente tem como fator comum. O time jogou de uma maneira muito positiva, foi se fortalecendo e sabendo enfrentar os desafios e terminou o ano em seu melhor momento. Então, a manutenção da base, para aquilo que vamos enfrentar no ano que vem, é nosso principal reforço. Agora é procurar alguns reforços pontuais. Quanto ao planejamento, em termos de metodologia e estruturação tática, técnica e física, a gente já tem um caminho. É mais uma continuidade e procurar melhorar em todas as frentes naquilo que a gente já vinha fazendo”.

Em maio deste ano, Fernando Diniz retornou ao clube após três anos para sua segunda passagem como treinador do clube onde também criou forte identificação como jogador, entre 2000 e 2003. Em sua segunda passagem como técnico do Fluminense, Fernando Diniz acumula 44 partidas, com 26 vitórias, nove empates e nove derrotas, que totalizam um aproveitamento de 65,9% em 2022. Sob o comando do treinador, o Time de Guerreiros realizou boa campanha no Campeonato Brasileiro (3º lugar) e voltou à semifinal da Copa do Brasil depois de sete anos. A boa participação no Brasileirão rendeu à equipe uma vaga direta na fase de grupos da Libertadores 2023. Agora, o comandante quer dar um passo além e conduzir a equipe a grandes títulos.

“No Fluminense, e eu falo isso constantemente, a primeira coisa que a gente tem que ter em mente é a capacidade de sonhar com as melhores coisas que todos os campeonatos podem oferecer, que são os títulos. Em termos de resultado no campo, temos que procurar acreditar que podemos fazer o melhor, chegar melhor e conquistar o melhor. É o desejo principal que tem que mover a gente. Mas não é algo que precisamos pensar o tempo todo. Temos que viver o processo do trabalho, ganhar todo dia, ser campeão todo dia, no treinamento, na relação com as pessoas… Eu acredito que vivenciando esse processo a gente se aproxima daquilo que a gente deseja, que é ganhar. As condições financeiras do Fluminense são, de alguma forma, desvantajosas em relação a alguns de nossos concorrentes no Brasil. A gente consegue superar isso se a gente conseguir trabalhar da maneira que a gente fez em 2022 e melhorar. Sonhar e desejar os títulos é o primeiro passo para tudo. Mas o mais importante é trabalhar para que isso se torne realidade”.

Fotos: Marcelo Gonçalves/FFC
Texto: Comunicação/FFC

Sobre o autor