Força, glória e tradição: mosaico que encantou o Maracanã completa um ano

A quinta-feira traz à tona recordações daquele encontro entre Fluminense e Liverpool-URU, pela Sul-Americana de 2017. Faz um ano que o Maracanã recebeu quase 40 mil torcedores e se coloriu em verde, branco e grená para assistir à vitória do Fluminense – por 2 a 0 – e à apresentação do mosaico que melhor resume a história do clube: força, glória e tradição.

É fato que aquela noite histórica emocionou e marcou a vida de milhares de apaixonados. Mas, talvez, há quem desconheça a turma que esteve à frente dos preparativos: o Convocação Tricolor. Ao Canal FluNews, Pedro Jordão, um dos representantes do grupo, relembrou a emoção no momento em que as peças subiram e, juntas, formaram uma imagem inesquecível e que circulou pelo continente.

– Impossível não se emocionar. Foram dois meses de ralação absurda, correndo atrás para caramba e resolvendo vários problemas. Parecia que algo ia impedir o mosaico, mas passávamos por cima. Eu, principalmente, chorei muito. É uma sensação indescritível – diz Pedro, que, ao lado de Lucas Menezes e de dezenas de voluntários, fez tudo acontecer.

Mosaico ‘Força, Glória e Tradição’ foi exibido há exatamente um ano. (Foto: Divulgação)

Nas redes sociais, o Convocação comemorou a data e deixou saudade nos torcedores. O que era esperado, afinal, o sucesso da ação continua rendendo elogios. Aliás, mais do que isso: vez ou outra, ainda aparecem relatos emocionados de quem se contagiou com a energia do estádio e conta ter vivido, naquele 05 de abril, o melhor dia de sua vida.

– É incrível como o pessoal ainda comenta, mesmo depois de um ano. Muita gente elogia e diz ter boas lembranças do dia, do jogo. Sempre contam diversas histórias, dizem que se emocionaram. Essa é a parte mais gratificante, ver que foi especial para a gente e para muitos outros – declara.

O processo de montagem do mosaico exigiu alto investimento. Na ocasião, por exemplo, foram necessários quase R$ 7 mil. Valor arrecadado pela torcida, que se dispôs a colaborar para o time estrear na Sul-Americana com pompa. O trabalho duro de idealizadores e voluntários, no fim, foi recompensado: virou notícia até nos países vizinhos e, à época, ganhou destaque no Brasil. Portanto, o dever de expressar o amor pelas três cores e encantar foi cumprido.

Bandeiras também fizeram parte da festa da apaixonada torcida tricolor, no Maraca. (Foto: Nelson Perez)

– O Brasil e mais alguns países da América do Sul viram e elogiaram o trabalho. Isso é maravilhoso. Ser reconhecido depois daquela luta é gratificante. Ainda mais importante é saber que a torcida gostou, pois, sem ela, nada aconteceria – afirma.

O primeiro passo na Sula deste ano, inclusive, está próximo. A primeira partida será no Maracanã, dia 11, contra o Nacional de Potosí. Desta vez, porém, sem festa. Aos seguidores que cobram alguma surpresa na próxima quarta-feira, o Convocação Tricolor explica que a falta de tempo e a fase do clube desanimam. No entanto, promete mais shows nas arquibancadas ainda em 2018.

– Pretender (retomar a organização de mosaicos), a gente sempre pretende. Vamos ver como vai ser o andar da carruagem. Quem sabe, vem uma festa mais para frente? Tudo depende do clube e da motivação da torcida.


Leia mais tópicos da entrevista:

Por que a escolha por ‘Força, Glória e Tradição’ e o uso dos escudos antigo e atual?

Abrimos uma votação interna, entre nossa equipe e amigos próximos, e a frase vencedora foi essa. A ideia dos escudos surgiu com o Mobilização Tricolor, que se uniu à gente para essa festa. Os escudos, inicialmente, seriam em 3D. Mas tivemos um imbróglio com o Maracanã. Precisava subir na cobertura e não foi liberado. No final, os escudos feitos em mosaico ficaram bem legais.

Na época, houve dúvidas sobre a execução do mosaico. Quais as maiores dificuldades encontradas durante o processo?

Rolaram dúvidas, críticas, pessoas torciam para dar errado. Superamos todo o tipo de dificuldade, financeira, logística.

Qual foi o momento mais marcante da noite?

Com certeza a hora em que o mosaico sobe. Depois, recebemos a foto dele, completinho e lindo. Havia um receio imenso de dar tudo errado pois a torcida não estava espalhada. Mas as organizadas pediram que os torcedores se espalhassem. Ajudou bastante.

De 0 a 10, qual a nota do conjunto da obra?

Eu daria 9. Sempre há o que melhorar. Mas não reclamo de nada daquele dia. Sensação extraordinária e uma festa linda demais.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Léo Percovich revela pedido de vitória para dedicar a filha falecida: ‘Joguem por mim’

Enquanto vê seu time brilhar e emplacar sequência de dez vitórias, Léo Percovich lida com drama pessoal: em dezembro, perdeu duas filhas num acidente de carro em Minas Gerais. Em razão de ainda estar se recuperando do ocorrido, o técnico evita usar a tragédia como motivação para o time. No entanto, revela pedido especial feito em março aos seus comandados.

– Não uso muito minha história. É uma história muito forte. Está em uma etapa que não foi superada ainda, então é difícil usá-la como superação. Mas um dia, quando foi aniversário de uma das minhas filhas, enfrentamos a Cabofriense. Eu disse: “Hoje é um dia especial para mim. Necessito que vocês joguem por mim, para que eu entregue esse presente para ela. É possível?”. Os caras ganharam de 4 a 0 – conta.

Referência da garotada, o uruguaio, de 49 anos, explica o que entende por superação e a lição que pretende passar aos jogadores.

– Quero que eles entendam a superação não somente porque se teve uma tragédia. A superação está no dia a dia do treinamento, na personalidade de cada um, de tentar ser melhor naquilo que você ama, que é ser jogador de futebol. Independentemente da superação pessoal – cada um pode ter os problemas na vida -, você tem que tentar se superar como jogador, como atleta, como profissional. Ser um atleta melhor, um homem melhor é superação. Essa é a superação que eles têm que entender. A outra seria uma resiliência. É essa superação que busco passar para eles.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Letícia Costa reforça ginástica artística do Fluminense

O Fluminense comunicou, nesta quarta-feira, a contratação de Letícia Costa, de 22 anos, reforço para a ginástica artística. A ginasta esteve afastada da modalidade por lesões musculares e, ao ficar fora da Olimpíada no Rio, há dois anos, pensou em abandonar o esporte. No entanto, agora nas Laranjeiras, promete se recuperar e vir forte na luta por uma vaga em Tóquio 2020.

– Não ter ido para as Olimpíadas devido a lesões me desanimou. Então, tirei esse tempo para refletir sobre o que eu realmente queria. Fui recebida no Fluminense de braços abertos, me apoiaram e disseram que vão me ajudar no que for possível. Espero ser abraçada pelo clube, estou aqui para fazer um bom ano. Faço ginástica desde os quatro anos, é um ambiente muito competitivo e eu sempre gostei disso, de ganhar, de dar o meu melhor, porque sou muito perfeccionista. De 2016 para cá, a ginástica brasileira evoluiu muito em todos os clubes do Brasil e acredito que a gente está chegando cada vez mais perto do nível mundial – opina a atleta, que acumula mais de 70 medalhas.

Diretor-executivo de Esportes Olímpicos, Emanuel avalia a chegada de Letícia e garante estar na torcida pelo sucesso da jovem.

– Acho muito importante ter nomes renomados à nível de Seleção chegando no Fluminense. Foi ideia do coordenador e técnico Ricardo Batista trazer esses atletas para cá. A Letícia vem para dar aquela credibilidade que nós precisamos para fazer as coisas darem certo. Espero que ela tenha muito sucesso e que faça o máximo pelas cores do Fluminense.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense mira Luan Peres, zagueiro da Ponte Preta

A pedido de Abel Braga, o Fluminense bateu o martelo: Luan Peres é o alvo para a defesa. Aos 23 anos, atua pela Ponte Preta, com quem tem contrato de empréstimo até maio, mas pertence ao Ituano.

Luan Peres, além da boa estatura – tem 1,90m -, é canhoto e, portanto, se encaixa no perfil definido nas Laranjeiras. As conversas estão em andamento e, internamente, há otimismo por um acerto. A proposta é de empréstimo até dezembro. O acordo depende, também, do aval do Ituano.

O jogador defende a Macaca, rebaixada para a Série B, desde o ano passado. Em janeiro, um jornal português especulou suposto interesse do Porto em Luan, que permaneceu no Moisés Lucarelli. Neste Paulistão, disputou 15 jogos.

Formado na Portuguesa, pela qual marcou os dois únicos gols da carreira (em 2016), Peres tem no currículo passagens por Santa Cruz e Red Bull Brasil.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Wisney demora a se transferir ao Real por lesão

O Real Madrid está de olho nas revelações de Xerém. Depois de confirmar a contratação de Ramon, por empréstimo, o time merengue encaminhou acerto com o meia Wisney, de 18 anos, para o Castilla, ou time B. A tendência é que o contrato seja válido, inicialmente, por seis meses. Haverá valor de compra fixado.

Durante sua passagem pelo Samorin, filial do Fluminense na Eslováquia, o jogador foi observado por olheiros do gigante espanhol. A partir da descoberta do talento do meia, surgiu o interesse. O que impede a oficialização da transação é a lesão de Wisney, que deixa o Real em espera. A região afetada é o adutor da coxa.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Real Madrid oficializa empréstimo de Ramon

Ramon está de casa nova por, pelo menos, uma temporada. Aos 19 anos, o atacante firmou contrato de empréstimo com o Real Madrid, nesta terça-feira, e aguarda a assinatura de documentações por parte do gigante europeu. A viagem à Espanha está prevista para até o início da semana que vem.

Quando desembarcar em Madrid, Ramon passará por exames médicos e, se aprovado, defenderá o Castilla, ou time B do Real. Até meados de 2019, prazo do vínculo inicial, os espanhóis custearão os salários do jovem. Ao fim deste período, há a preferência de compra, por 5 milhões de euros – valor sujeito a variáveis.

Autor de dois gols na Copinha de 2018, Ramon era observado pelos merengues há quatro anos, quando disputou torneio internacional pelo Fluminense. Pelo profissional, nunca atuou.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: LANCE!

Fluminense condena post, e MBL provoca: ‘Tapetão não pode reclamar de corrupção’

Na noite desta segunda-feira, o Movimento Brasil Livre utilizou imagem da torcida tricolor para convocar seus simpatizantes ao protesto desta terça-feira, pelo país inteiro, em favor da prisão do ex-presidente Lula. Inconformados, torcedores reclamaram do post e cobraram do Fluminense uma providência. O clube, por enquanto, se posicionou somente nas redes sociais.

O UOL procurou Renan Santos, que atende por coordenador do MBL, e obteve resposta provocativa.

– Fala para o Fluminense que o MBL mandou o Fluminense ir plantar batata. O clube do tapetão não pode reclamar de corrupção – ironizou.

O perfil oficial do Movimento Brasil Livre no Twitter também se manifestou e, nos comentários da postagem de repúdio ao uso da foto, adotou tom afrontoso.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Prazo de pagamento vence, e Fluminense conversa com a Udinese sobre dívida por Marquinho

A dívida do Fluminense por Marquinho, segundo o determinado pela FIFA, deveria ser paga até o final de março. O prazo venceu, e a pendência ainda está em aberto. o débito, corrigido por juros, é de 1,3 milhão de euros (R$ 5,2 milhões, na cotação atual).

A compra de 100% do meia, acertada à época de Peter Siemsen, custou 1 milhão de euros (R$ 4 milhões, na cotação atual). A quitação deveria acontecer em 2017, na gestão de Pedro Abad, mas as dificuldades financeiras impediram a regularização da situação.

O clube teme uma eventual punição da entidade máxima do futebol e, por isso, retomou conversas com os italianos, em busca de um acordo. A diretoria verde, branco e grená confirma:

“O Fluminense busca acordo com a Udinese, com conhecimento da Fifa, tendo inclusive protocolado petição no processo movido na entidade pelo clube italiano”.

Antes de o caso ser comunicado à FIFA, a Udinese recusou uma proposta do Fluminense. O Tricolor ofereceu parte de eventual futura venda de Richarlison, agora no Watford.

Mesmo machucado, Marquinho figurou a lista de dispensa anunciada em dezembro e deixou o clube. A medida visava reduzir os gastos da folha salarial.

Em sua segunda passagem pelas Laranjeiras, o atleta fez 41 jogos e três gols.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Autuori confirma negociação, e João Carlos deve realizar exames na quarta-feira

O acerto de João Carlos com o Fluminense, de fato, é iminente. Durante entrevista nesta segunda-feira, Paulo Autuori confirmou as tratativas com o ex-Cabofriense e garantiu estar atento à busca por mais reforços. A tendência é que o atacante, de 23 anos, realize exames na quarta-feira e assine contrato de empréstimo por um ano.

Autor de três gols no Carioca 2018, João Carlos teve suas qualidades elencadas pelo diretor-esportivo do clube de Laranjeiras. Embora admita ser uma aposta, Autuori confia no desenvolvimento do provável novo tricolor.

– Ele foi eleito na seleção do estadual, e o Fluminense não participou dela. É um jogador que tem características que interessam ao Abel, ao jogo que ele quer desenvolver. Além das condições ofensivas, ele participa do jogo coletivo. Nos deu muito trabalho quando nos enfrentou. Quando tinha a bola, trabalhou bem como pivô. Segurou a bola aos homens de meio. Sem a bola, se desmarcou, com muita mobilidade. Ajudou muito a marcação dos zagueiros adversários. A principal característica, claro, é que faça gols. Se ele estiver rodeado de atletas com mais-valia, pode evoluir. É o que esperamos – disse.

A realidade financeira do Fluminense impede grandes investimentos, mesmo que o elenco, limitado, precise de novidades. Paulo Autuori, no entanto, destaca que a competitividade deve ser o ponto forte do time.

– Se não há condições de se impor no mercado financeiramente, você tem de ter uma equipe competitiva. João Carlos tem isso. Se vai vingar ou não, é outra coisa. Agora, se alguém tem dificuldade em assumir essa responsabilidade, eu assumo com tranquilidade – comentou.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Palmeiras e Fluminense ainda buscam acordo sobre caso Gustavo Scarpa

Ainda há conversas para tentar acordo sobre o caso Gustavo Scarpa, inclusive nos mesmos moldes da negociação de meses atrás. É o que garantiu Paulo Autuori, durante entrevista nesta segunda-feira, no CT. O Palmeiras, à época da transferência do meia, se propôs a oferecer jogadores para se precaver de algum envolvimento na batalha judicial. A audiência, no Tribunal de Justiça Trabalhista do Rio, está marcada para o dia 16 de abril, segundo o jornal Extra.

— Estas conversas existem desde que entrei aqui. Não foram alteradas em absolutamente nada. Inclusive em relação aos alvos de interesse do Fluminense. Só que as coisas paralisaram, todos sabem o motivo. Mas tem que haver interesse das três partes. Só que isso é de presidente para presidente. Eu não posso definir nada. Seria leviano da minha parte – revelou.

No mês passado, o clube de Laranjeiras derrubou a liminar conseguida pelo jogador, cujo contrato com o Tricolor foi reativado. A queda do documento impede que Scarpa atue pelo Alviverde, com o qual havia firmado vínculo de cinco anos. Diante da decisão da Justiça, imaginou-se que o atleta poderia voltar a vestir a camisa verde, branco e grená – o que, para Autuori, está descartado.

— Uma coisa é ele estar vinculado ao Fluminense de novo. Outra é o posicionamento do jogador e de seu representante. Eles acham que vão ganhar, é um direito deles de achar. E, em função disso, não querem qualquer tipo de aproximação. Embora haja interesse das instituições Palmeiras e Fluminense em fazer um acordo em que todos possam sair minimamente felizes. Porque feridos todos já estão — finalizou.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.