fbpx

Convocado pela seleção olímpica, Caio Henrique não enfrenta Atlético-MG: “Ficarei torcendo pelos companheiros”

A caminho das Ilhas Canárias, na Espanha, para representar a seleção olímpica no Torneio de Tenerife, Caio Henrique não enfrentará o Atlético-MG, sábado, no Maracanã, pela 33ª rodada do Brasileirão. É a segunda convocação para a equipe de André Jardine – a primeira, ao lado de Allan, ocorreu em outubro e o tirou do Fluminense nos compromissos frente a Cruzeiro e Bahia.

— Viajo nesta segunda para a seleção. Passo a semana fora e perco a partida contra o Galo, mas ficarei torcendo pelos companheiros. A Seleção é um sonho de qualquer menino, mas, ao mesmo tempo, queremos estar ajudando o clube, que passa por uma situação delicada. Vou estar lá com a cabeça aqui, torcendo para eles — disse o lateral-esquerdo.

Orinho, que soma quatro jogos pelo Tricolor, deve substituir Caio Henrique no fim de semana. Ele não é acionado há quase um mês, quando da derrota por 2 a 1 para o Athletico.

Por: Nicholas Rodrigues.

Paulo Henrique Ganso é barrado, e Digão reassume vaga no Fluminense para enfrentar Chapecoense

Na atividade de sexta-feira, em preparação para o jogo contra a Chapecoense, hoje, no Maracanã, Marcão treinou pela segunda vez com Marcos Paulo no lugar de Paulo Henrique Ganso, barrado depois de atuações apagadas e vaias de parte da torcida.

— Pelo o que a gente tem acompanhado nos jogos da Chape, o time atua com uma linha muito baixa. A gente tem de criar opções de velocidade para furar o bloqueio. Por isso, fizemos os testes – explicou o técnico, que preferiu não confirmar a alteração em entrevista coletiva.

Marcos Paulo, liberado há quase duas semanas da seleção portuguesa sub-19, após dois amistosos, não entra em campo pelo Fluminense desde o dia 29 de setembro, quando jogou apenas um minuto no triunfo por 2 a 1 sobre o Grêmio, no Nilton Santos. Foi titular pela última vez no dia 29 de agosto, no empate em 1 a 1 com o Corinthians, que resultou na eliminação do Tricolor, em casa, nas quartas-de-final da Sul-Americana.

No duelo válido pela 28ª rodada do Brasileirão, o Time de Guerreiros ainda terá o retorno de Digão, recuperado de lesão no músculo posterior da coxa direita. O capitão se machucou nos primeiros minutos da vitória por 2 a 0 contra o Bahia, dia 12, e foi substituído por Frazan nas derrotas para Athletico e Flamengo.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Entendeu, Vasco? Maracanã deixa de ser campo neutro no Carioca, e Fluminense garante torcida em setor Sul

A reunião que aprovou a fórmula de disputa do Campeonato Carioca de 2020, segunda-feira, na sede da FERJ, decidiu dar fim à condição de campo neutro para o Maracanã. Desse modo, o Fluminense, administrador ao lado do Flamengo, garante, como mandante, o direito de posicionar sua torcida no setor Sul, como já ocorre no Brasileirão.

— A discussão do lado não é uma guerra de prestígio. É uma questão comercial. Não existe hipótese jurídica de um regulamento interferir nisso. Temos uma permissão de uso que foi prorrogada. Não queremos prejudicar ninguém. Mas o Fluminense não tem como abrir mão disso por questões comerciais. Pagamos para jogar ali, custeamos o estádio. Não existe lógica. No dia em que eu jogo uma decisão, eu tenho que me deslocar, fechar minhas lojas, para atender reivindicação baseada em história? O Maracanã mudou desde a reforma. Não há nada pessoal contra o Vasco. Mas a questão é simples. Botafogo e Vasco não fizeram questão de estar lá porque usam seus estádios. Flamengo e Fluminense fizeram acordo e têm obrigações contratuais – disse Mário Bittencourt.

— É evidente que a torcida do Fluminense, no Maracanã, sempre ficará do lado direito. Foi como exposto pelo presidente do Fluminense. Eu penso que a lógica está situada no fato de que hoje o Fluminense está dentro do estádio dele — completou Rubens Lopes, presidente da federação.

A polêmica acerca do lado Sul do estádio marcou a final da Taça Guanabara deste ano, em fevereiro. Após batalha judicial entre os clubes, foram geradas liminares pelo fechamento dos portões e, depois, pela liberação da entrada de torcedores, com a bola rolando.

— Nossa preocupação é que houvesse um embate como o que nos levou a cenas horríveis como as que aconteceram no clássico. Aquilo foi uma das piores coisas que aconteceram, por uma divergência boba. Ao menos, eles deram a entender que chegaram a um atendimento — declarou Lopes.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Na mira de clube brasileiro, Daniel deseja valorização e pagamento de dívida para renovar com Fluminense

Finalmente em alta nas Laranjeiras, Daniel definiu condições para renovar com o Fluminense, com quem ainda não existe acordo. Seu contrato acaba em dezembro, e o Grêmio, segundo o jornalista Joel Silva, do LANCE!, desponta como interessado na contratação da cria de Xerém.

A negociação, inicialmente encaminhada, emperrou por causa do desejo de valorização salarial e pagamento de dívida de sete meses de direitos de imagem. Foi dada, pela diretoria, uma solução à segunda pedida: diluir o débito em luvas, parceladamente. A ideia depende de resposta do meia para evoluir.

Por outro lado, até a última reunião do jogador e seus empresários com Celso Barros e Paulo Angioni, terça-feira, não houve consenso quanto ao reajuste dos vencimentos. Ele não se agrada em receber menos que promessas com pouco espaço na equipe.

— Discutimos e trabalhamos algumas possibilidades. Da nossa parte, o interesse em renovar continua. Na verdade, a proposta que a gente fez foi muito boa. Chegamos em um momento em que o acerto estava praticamente feito, mas aí houve um recuo do jogador. Estamos aguardando a reflexão dele – explicou Celso.

Revelado em 2015, Daniel só firmou no elenco principal do Tricolor a partir da chegada de Fernando Diniz, depois de seguidos empréstimos a Oeste e Botafogo-SP. Sob o comando de Oswaldo de Oliveira, acabou virando reserva, mas recuperou a titularidade com Marcão. Na temporada, soma 46 jogos e um gol.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: GloboEsporte.com.

Fluminense se opõe, mas clubes e FERJ aprovam fórmula do Carioca 2020; veja grupos e 1º adversário

O Campeonato Carioca ganhou nessa segunda-feira uma nova fórmula de disputa para 2020 – aprovada pela maioria dos clubes e pela FERJ, mas contrariada unicamente pelo Fluminense. A edição, que começa no dia 22 de janeiro, terá 12 participantes divididos em dois grupos.

  • Primeiro turno: duelos entre equipes de grupos diferentes
  • Segundo turno: duelos entre equipes do mesmo grupo

Nas taças Guanabara e Rio, os dois melhores colocados de cada chave fazem as semifinais e final. A decisão do geral apresenta novidade: se um time vencer os dois turnos, será o campeão carioca. Com uma ressalva.

Se um clube que não conquistou nenhuma das etapas possuir número de pontos superior (considerando o torneio inteiro), disputará a finalíssima em duas partidas frente ao vencedor dos dois turnos, com quem fica a vantagem do empate. Em caso de um campeão por turno, eles duelam pelo título em dois confrontos e sem “regalia” para lado algum.

Todos os clássicos, semis e finais terão árbitro de vídeo, com uma novidade proposta pela federação: permanência de representantes dos rivais na sala de exibição do VAR.

Também ficou acertado que os duelos decisivos acontecerão apenas em estádios com capacidade acima de 40 mil lugares: Nilton Santos e Maracanã.


GRUPOS E ESTREIA DO FLUMINENSE

Foi definido que o primeiro adversário do Tricolor, localizado no grupo B, será a Cabofriense, fora de casa. Ainda não há local, data e nem horário confirmados.

  • Grupo A: Flamengo, Botafogo, Bangu, Cabofriense, Boavista e x (América, Americano, Friburguense, Macaé, Nova Iguaçu e Portuguesa).
  • Grupo B: Vasco, Fluminense, Volta Redonda, Resende, Madureira e y (América, Americano, Friburguense, Macaé, Nova Iguaçu e Portuguesa).

FLUMINENSE NO CARIOCA 2019

Nesse ano, o Time de Guerreiros chegou à final da Taça Guanabara, mas perdeu para o Vasco por 1 a 0 em jogo marcado por queda de braço entre as diretorias sobre lado das torcidas, culminando na determinação judicial para portões fechados. Entretanto, quando a bola já rolava, a Justiça permitiu a entrada de torcedores.

O Fluminense ainda caiu para o Flamengo, por 2 a 1, na semifinal da Taça Rio. E, na fase final, empatou em 1 a 1 com o Rubro-Negro, sendo eliminado em razão da vantagem dada ao adversário pelo primeiro lugar na classificação geral.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense paga salários de agosto

No dia seguinte à derrota para o Flamengo no Brasileirão e com o elenco ainda de folga, o Fluminense pagou, nesta segunda-feira, salários referentes a agosto a jogadores e funcionários. A informação é do NETFLU.

Ainda estão pendentes o mês de setembro e o 13º de 2018, além de direitos de imagem, remuneração dada somente a alguns nomes do grupo. O mês de outubro vence no quinto dia útil de novembro.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Ganso, Nenê e JP têm confiança de Marcão, que não descarta substituições: “Temos que pensar sempre no melhor para a equipe”

A novidade na escalação para o clássico de domingo, no qual o Flamengo levou a melhor, ficou por conta da entrada de Wellington Nem no lugar de João Pedro, em baixa com parte da torcida. O jovem ouviu vaias no revés para o Athletico e, seja nas redes sociais ou mesmo pessoalmente, tem sido bastante cobrado por tricolores.

Saíram dos pés de Nem duas das melhores chances da equipe na derrota para o rival, mas ele acabou substituído, aos 28′ do segundo tempo, pelo próprio JP. Marcão, entretanto, desconversou sobre devolver a titularidade ao camisa 23 na próxima rodada, sábado, frente à Chapecoense.

— Ainda vou assistir ao jogo da Chapecoense para fazer as melhores escolhas. O JP foi uma questão estratégica, para surpreender. Ele tem nossa total confiança, assim como o Ganso. Está buscando, está trabalhando, está fechado com a gente e o grupo. Vamos treinar bem a semana para a próxima decisão. Contamos com todos os jogadores — frisou o treinador.

Sacados durante o último compromisso, Paulo Henrique Ganso, novamente vaiado, e Nenê foram elogiados pelo técnico, que não descarta alterações durante a semana inteira de treinos pela frente.

— Nenê e Ganso são grandes jogadores e vão nos ajudar, mas em algum momento vão sair. Ninguém gosta, mas temos que pensar na equipe. É uma coisa normal. Temos que pensar sempre na equipe, no melhor para a equipe. Eles entendem. Na hora, com cabeça quente, faz parte. Depois, com calma, a gente conversa tranquilo.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Jorge Jesus elogia Fluminense: “Se jogasse sempre assim, não estaria nessa situação”

Vencedor no duelo de domingo, Jorge Jesus elogiou o Fluminense de Marcão e assumiu ter assistido a jogos passados do Tricolor no Maracanã, como a derrota para o Avaí, em setembro, quando flagrado em camarote.

— Gostei muito do Fluminense hoje. Já vi vários jogos deles no Maracanã e nunca os vi jogar assim taticamente. O Flamengo poderia até ter vencido por mais gols, mas foi um jogo muito difícil – opinou.

Em 15º e ainda com risco de rebaixamento, o clube das Laranjeiras, segundo JJ, poderia, com atuações semelhantes à do clássico, viver um cenário mais tranquilo no Brasileirão. Treinador, porém, usou expressão do hino rubro-negro para explicar pouco perigo oferecido pelo Time de Guerreiros.

— Não foi um “Ai, Jesus”. Se o Fluminense jogasse sempre assim, não estaria nessa situação. Equipe de muita qualidade, muito talento. Mas, ofensivamente, não criaram muitos problemas. Tiveram duas bolas paradas, mas, caso fosse gol, estavam impedidos.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Marcão reconhece insucesso de plano para segurar Flamengo e destaca gol cedo: “Tudo muda”

O Fluminense não conseguiu parar o Flamengo e acabou derrotado por 2 a 0, domingo, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na entrevista pós-jogo, Marcão reconheceu o insucesso do plano pensado para encarar o líder e destacou a influência do gol aos 3 minutos, marcado por Bruno Henrique em falha da zaga.

— A equipe do Flamengo veio marcando muito forte e fizeram um gol no início. Não encaixamos nosso jogo de apoiar e furar a linha alta deles. Montamos uma estratégia, tivemos algumas chances, mas foi aquém do que imaginávamos. Eles marcaram muito forte e foram muito felizes. Não fomos eficientes.

— A gente tentou mudar o posicionamento para incomodar o Flamengo. Eles jogam com uma linha muito alta. Por isso, tentamos ter velocidade pelos lados. Aconteceu em alguns momentos. A gente treinou para isso, para não marcar os zagueiros deles e apertar os volantes. Mas, tomamos um gol muito rápido, e tudo muda.

Vindo de duas derrotas seguidas, o Tricolor se reaproximou da zona de rebaixamento – pode perder uma posição e empatar em pontos com o CSA, 17º colocado, a depender dos resultados dessa segunda-feira. A equipe buscará a recuperação nos próximos confrontos diretos, contra Chapecoense (em casa) e Ceará (fora).

— Temos que pegar as coisas positivas e o que não funcionou. Vai ser dessa forma. Precisamos estar fortes para brigar contra as equipes que também estão nessa parte da tabela. Temos que elevar o mental da nossa equipe, porque serão jogos difíceis — disse o técnico do clube.


CONFIRA MAIS RESPOSTAS DE MARCÃO:

Estratégia para o clássico: “A gente busca uma transição em velocidade. Nem sempre vou usar dois homens por dentro. Temos as passagens do Yony, do Nem… E foi o que a gente buscou nesse jogo, tirar o homem por dentro para buscar a penetração pelos lados. Para pegar a equipe do Flamengo, tem que jogar muito rápido, porque eles reagem muito rápido. Se não tiver essa velocidade, e foi isso que aconteceu, eles marcam bem e usam as armas que tem”.

Lucão: “Tem entrado bem, evoluído nos treinamentos. Tem se dedicado 100% para buscar um espaço na equipe. Ele é candidato, está dentro do grupo e compromissado. Pode nos ajudar”.

Desempenho da defesa: “A equipe do Flamengo tem uma rotação muito forte dos homens de frente, o que cria uma dificuldade muito grande para os adversários. Em um momento está o Gabriel; depois o Bruno, o Everton… Para jogar contra o Flamengo, tem que ter uma equipe que fala muito, que cobra muito, para pegar essas trocas. O Flamengo criou muitas dificuldades, mas serve de aprendizado”.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fluminense perde para o Flamengo e volta a ser ameaçado pela zona de rebaixamento

Deu Flamengo no sexto clássico com o Fluminense em 2019. A derrota no Maracanã, perante maioria rubro-negra, começou a ser desenhada aos 3 minutos, quando Bruno Henrique marcou de cabeça, em cochilo da zaga após cobrança de escanteio. No lance anterior, Yony González havia dado a bola nos pés de Gabriel, dentro da área; Muriel mandou pela linha de fundo.

Logo em seguida, Wellington Nem completou, de voleio, cabeceio de Yony. Diego Alves espalmou, mas a jogada, provavelmente, seria anulada em caso de gol, em razão da posição irregular do atacante. A resposta veio num contra-ataque que terminou com Gabriel frente a frente com Muriel, novamente melhor no duelo com o artilheiro do Campeonato Brasileiro.

Aos 10′, o VAR entrou em ação. Anderson Daronco analisou suposto pênalti de Nino em Gabriel e, dois minutos depois, ordenou o prosseguimento do jogo. O rival seguiu dando trabalho a Muriel. Defendeu finalizações de Éverton Ribeiro e Rodrigo Caio; entretanto, só olhou as perigosas cabeçadas de Frazan e Vitinho.

Na primeira etapa, o Tricolor arrumou duas boas investidas. Wellington Nem arrancou e chutou para Diego Alves espalmar. No fim, Yony González acertou voleio para fora, com o goleiro já vencido.

Os erros depois do intervalo continuaram os mesmos. A marcação alta do Flamengo dificultava a saída de bola do Time de Guerreiros, que acabava se enrolando. Numa das chegadas, saiu o segundo gol: Gérson, revelado pelo Fluminense.

A intensidade rubro-negra caiu e, mesmo assim, o Tricolor pouco conseguiu ameaçar. Pelo contrário: chegou a apenas observar a troca de passes, enquanto a torcida rival cantava “Olé”. Frazan, caído, quase diminuiu, já nos acréscimos, ao finalizar para mais uma boa defesa de Diego Alves.

O segundo revés seguido recoloca o clube das Laranjeiras em condição delicada no Brasileirão, apesar de ainda ocupar o 15º lugar e não sofrer risco de cair para o Z-4. Por outro lado, perde uma posição se o Ceará vencer o Bahia, amanhã, na Fonte Nova, e empata em pontos com o CSA se este vencer o Botafogo no Nilton Santos. O próximo compromisso é diante da Chapecoense, sábado, no Maracanã.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top