fbpx

Pedro explica recusa à ceifada em gol no Fla-Flu: ‘Agora é reverência’

Na goleada no Fla-Flu de sábado, em Cuiabá, por 4 a 0, Pedro deixou o seu e, ao comemorar, reverenciou a torcida. Logo depois, ensaiou a ‘ceifada’, marca do rubro-negro Henrique Dourado, seguida de sinal negativo. Apontou para o peito e para o chão, um gesto que representa sua presença e responsabilidade no time. Mais simples: significa, em palavras, ‘Eu estou aqui’. A atitude, que fez sucesso entre os tricolores, foi justificada pelo garoto.

– O Dourado é meu amigo fora de campo. Mas eu quis falar é que ceifada, não mais. Agora é reverência. Fui feliz no gol e na comemoração também – explica.

Desde a saída de Dourado para a Gávea, Pedro assumiu o posto de centroavante. Ainda que seja alvo de desconfiança de parte da torcida, garante estar preparado para lidar com a pressão e para chamar a responsabilidade para si.

Pedro sai para festejar após marcar bom Fla-Flu. (Foto: Lucas Merçon)

– Estou preparadíssimo. É um momento que sempre sonhei na minha carreira: ser titular com a camisa do Fluminense. Não vou deixar isso escapar. O trabalho está sendo bem feito, com os pés no chão. Estou trabalhando duro. A pressão é normal. Esse ano, se Deus quiser, vai ser o meu ano e o do Fluminense – torce.

No elenco, Abel Braga conta com só dois camisas 9 de ofício. Portanto, é natural que a diretoria vá ao mercado em busca de reforços para a posição. Quanto a isto, Pedro demonstra estar tranquilo e pronto para a luta pela vaga entre os titulares.

Tem que chegar, sim. Tem que agrupar mais ainda o elenco, como está sendo feito o trabalho. Se chegar, vai chegar para somar. E eu vou buscar sempre a titularidade dentro do Fluminense.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Júlio César pode bater marca pelo Fluminense e comemora: ‘Gratificante’

Às 19h15 desta quinta-feira, o Fluminense pega o Avaí, no Nilton Santos, pela Copa do Brasil. O jogo, além de significar um passo adiante no torneio, pode levar Júlio César a alcançar uma importante marca pelo clube. Sem levar gols há 527 minutos, o goleiro, caso termine o confronto de logo mais sem ser vazado, ocupará a 4ª posição do top-5 de arqueiros que ficaram mais tempo com a rede intacta. À frente dele, ficarão, em ordem, Paulo Victor (619 minutos), Castilho (635) e, na liderança, Wellerson (759).

– Figurar numa lista repleta de ídolos e referências para um clube gigante como o Fluminense é muito gratificante. Estou trabalhando muito junto com meus companheiros para seguirmos na mesma pegada e mantermos nossa boa média de poucos gols sofridos. Sabemos que teremos pela frente um Avaí perigoso, e estamos nos precavendo da melhor forma possível – garantiu.

Júlio César assumiu de vez a titularidade em 2018. (Foto: Lucas Merçon)

Apesar dos bons números, Júlio prefere lembrar da composição defensiva. Com o 3-5-2, sistema adotado por Abel Braga para a temporada, Gum, Renato Chaves e Ibañez dão mais segurança ao goleiro. As estatísticas pessoais são importantes, mas o jogador frisa a coletividade.

– Eu priorizo a parte coletiva sempre. Prefiro vencer e ter um sistema defensivo sólido do que marcas individuais expressivas. Lógico que o ideal é conciliar os dois. Até porque um puxa o outro. Se a parte coletiva está em um momento positivo, fica mais fácil para todos também se sobressaírem individualmente. É isso que buscamos sempre – concluiu.

Dada a saída de Diego Cavalieri, dispensado em dezembro passado, o clube foi ao mercado buscar novas opções para o técnico. Vieram Guillermo de Amores e Rodolfo – nenhum deles foi testado. Ainda assim, a meta tricolor continua sob responsabilidade de Júlio César, que conviveu com críticas e desconfiança da torcida desde a sua chegada, em 2014. O começo de ano animador parece indicar um novo tempo do arqueiro nas Laranjeiras.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com

Com moral no Fluminense, Ibañez assina contrato de cinco anos

A revelação do momento no Fluminense, Roger Ibañez garantiu sua permanência nas Laranjeiras por, pelo menos, cinco anos. Antes vinculado ao PRS, do Rio Grande do Sul, o gaúcho teve os direitos econômicos adquiridos pelo Tricolor – a porcentagem, porém, é mantida em sigilo. O vínculo anterior era de empréstimo até dezembro deste ano.

Novo acordo firmado foi registrado no BID, da CBF. (Foto: Reprodução)

– Fico muito feliz. O ano de 2018 começou muito bem. Tive a oportunidade de mostrar meu futebol e recebi muitos elogios. Tenho que agradecer ao Abel Braga pela confiança, por ter acreditado em mim. Vou continuar trabalhando forte para construir uma história bonita aqui no Fluminense – declarou Ibañez, de 19 anos.

O zagueiro havia sido relacionado para alguns jogos na temporada passada, mas nunca sequer entrou. Em 2018, dado o novo sistema adotado por Abel Braga – o 3-5-2 -, Ibañez ganhou a vaga de titular e logo caiu nas graças do técnico e da torcida. Ele, junto com Gum e Renato Chaves, deu uma nova cara à defesa tricolor, que está sem ser vazada há cinco partidas.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Top