fbpx

Fluminense pede que tricolores não vão ao Maracanã; FERJ espera reversão na Justiça

No momento, a final da Taça Guanabara, entre Fluminense e Vasco, ocorrerá com portões fechados no Maracanã. Por isso, o clube das Laranjeiras divulgou nota na qual pede que os tricolores não compareçam ao estádio, em respeito à determinação da Justiça.

“O Fluminense FC solicita aos seus torcedores que não compareçam ao estádio do Maracanã nesse domingo (17/02), em cumprimento à decisão judicial que determinou o fechamento dos portões na final da Taça Guanabara 2019. O clube sempre se norteou pela segurança do torcedor e pelo exercício regular dos seus direitos, reconhecidos pelo Judiciário”.

Em rede social, a FERJ adotou um tom mais esperançoso na reversão da decisão. A entidade reforça que os torcedores só poderão ir ao local se a entrada do público for autorizada. Há mais de 30 mil ingressos vendidos.

“Em nome da segurança, mediante a decisão judicial, a recomendação da FERJ é para que o torcedor só vá ao Maracanã, caso haja reversão na Justiça para que a final da Taça Guanabara seja realizada com portões abertos. O que esperamos que venha a acontecer“.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Campello avisa que Vasco avalia descumprir ordem judicial e pagar multa para abrir portões

A cerca de quatro horas para a final da Taça Guanabara, o Vasco ainda não se deu por vencido e crê que conseguirá abrir os portões do Maracanã. O presidente Alexandre Campello revelou que enviou advogados ao TJ-RJ para buscar uma resolução para o caso e, mesmo confiante numa reviravolta, avalia pagar multa de R$ 500 mil para descumprir a ordem judicial expedida nesta madrugada.

– (A ideia) pode ser avaliada. Tem torcedor se mobilizando para ir para o Maracanã. Aquilo vai virar uma confusão. Acho arriscado esse tipo de conduta. O risco de cumprir (a ordem) é maior que o de não cumprir. Tem que prevalecer o bom senso – disse.

Foram vendidos mais de 30 mil ingressos. No documento em que pedia ao judiciário a reconsideração da decisão, o Cruz-Maltino alegou impossibilidade de devolver o dinheiro aos torcedores, posição reafirmada por Campello. O prazo para a devolução, segundo a magistrada, é de cinco dias, sob pena de R$ 5 mil por dia desobedecido.

– Quem vai ser responsável por isso? Como que devolve dinheiro para 30 mil torcedores? Qual é a logística? Cada um que arque com suas responsabilidades – declarou.

Em pronunciamento nas Laranjeiras neste sábado, Pedro Abad convocou a torcida à “guerra” neste domingo, no sentindo de lotar o setor Norte, onde os tricolores ficariam, ainda que contra sua vontade. Alexandre Campello reprovou o tom da declaração.

– O Fluminense jogou gasolina no fogo. Falou de violência, de guerra, palavras que não se deveria usar nestes tempos.

A polêmica se deu porque o Fluminense defende o contrato assinado em 2013 com o Maracanã, no qual está previsto que o setor Sul deve ser destinado aos seus torcedores. Por sua vez, o Vasco relembra o direito histórico garantido em 1950 por ser o primeiro campeão do estádio e, assim, poder escolher o lado que seria ocupado por sua torcida.

– O Vasco fez tudo certinho, como manda o figurino. Conversou com FERJ e Maracanã, que asseguraram que quem escolhia era o Vasco. O Vasco tem 63 anos de tradição, conquistou isso no campo. Suspendemos a venda, alertamos para todos os riscos – concluiu.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Leandro Castán diz que filho não poderá ir à final no Maracanã “por causa de uma pessoa idiota”

A rivalidade entre Fluminense e Vasco se acirrou nos últimos dias, especialmente em razão da retomada de uma velha polêmica, quanto ao setor Sul do Maracanã. Depois de reuniões e discussões sem solução para o problema, a desembargadora Lucia Helena do Passo determinou, nesta madrugada, que a final deste domingo ocorra com portões fechados. Embora tenha recorrido, o rival não conseguiu reverter a sentença.

Leandro Castán, zagueiro do Vasco, usou rede social para se posicionar contra a decisão. Ele disse que o filho não poderá ir ao estádio “por causa de uma pessoa idiota”, sem se referir a nomes. O atleta deve começar jogando o duelo de onde sairá o campeão da Taça Guanabara.


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fernando Diniz indica equipe que duelará com o Vasco neste domingo

Embalado com o triunfo no clássico contra o Flamengo, o Fluminense se prepara para encarar mais um rival, agora na decisão da Taça Guanabara. A equipe precisa vencer o Vasco para se sagrar campeã, neste domingo, no Maracanã, em jogo com portões fechados. Em caso de empate, haverá pênaltis.

Com caxumba, Mascarenhas segue como desfalque e dá a vaga a Marlon. O volante Caio, reserva, está com a mesma infecção. Também suplente, o jovem João Pedro sofreu entrada dura de Bruno Silva em atividade no CT e torceu o tornozelo esquerdo. A escalação deve ser a igual à de quinta-feira.


Rodolfo; Ezequiel, Matheus Ferraz, Digão e Marlon; Airton, Bruno Silva e Daniel; Luciano, Everaldo e Yony González.

Confira a lista de relacionados:

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com. 

Justiça nega pedido do Vasco por reconsideração e mantém clássico com portões fechados

A decisão judicial tomada nesta madrugada, que prevê portões fechados na final da Taça Guanabara, às 17h deste domingo, no Maracanã, está mantida. Nesta manhã, a desembargadora Lucia Helena do Passo, que atua no plantão do TJ-RJ, negou o pedido do Vasco por reconsideração da sentença.

Mais de 30 mil ingressos foram vendidos para o clássico entre Fluminense e Vasco, que alega, em documento enviado ao judiciário, que “haverá imensa dificuldade operacional para se devolver o ingresso para quantidade tão vultosa de torcedores”.

Todavia, a magistrada determinou que o valor dos bilhetes deve ser devolvido aos seus compradores em um prazo de cinco dias, sob pena de R$ 5 mil por dia de descumprimento . Além disso, caso a ordem seja desobedecida, será aplicada multa de R$ 500 mil ao Cruz-Maltino e à Concessionária Maracanã.

– Verifica-se que os argumentos trazidos pelo Agravante (Vasco) em seu pedido de reconsideração não evidenciam qualquer alteração fática ou jurídica que indique o afastamento do risco de confronto e violência nas torcidas. Ressalte-se que as partes envolvidas nesta controvérsia (Clube Vasco da Gama e Clube Fluminense e Consórcio Maracanã) não esboçam nenhum esforço conciliatório para honrar a tradição de seus times. Logo, deve ser mantida a decisão proferida por esta Desembargadora em exercício no plantão, em todos os seus termos e fundamentos – explica a juíza.

Saudações Tricolores,
Caio Carvalho e Nicholas Rodrigues.

Advogados do Fluminense foram ameaçados em ida a São Januário: “Tem que dar murro mesmo”

Na sexta-feira, o Fluminense conseguiu uma liminar que reafirmava o contrato assinado em 2013 com o consórcio que gerencia o Maracanã. Dessa maneira, garantia que o setor Sul deveria ser ocupado pelos tricolores. A decisão, porém, acabou não sendo cumprida, uma vez que o Vasco quase esgotou o espaço à direita das cabines de imprensa. Por fim, a Norte abrigará a torcida do clube das Laranjeiras.

Dois advogados que representam o Fluminense se encaminharam a São Januário para entregar ao rival uma cópia da determinação judicial. Todavia, segundo o presidente Abad, a recepção aos profissionais foi hostil.

– Mandamos dois advogados a São Januário. Eles não puderam entrar no Vasco para entregar a cópia da decisão liminar. E diversas pessoas – eu não estava lá e não sei precisar quem foram – ameaçando: “Tem que dar murro mesmo, tem que bater”. Vocês imaginam, nessa cultura de ódio, pessoas atacarem uma mãe de família e um advogado. Lamentável.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Pedro Abad declara “guerra” em final contra o Vasco e convoca torcida: “Quero que lotem”

Em pronunciamento nas Laranjeiras, ao fim da tarde deste sábado, Pedro Abad se posicionou contrário à postura de Vasco, FERJ e Maracanã no que se refere à polêmica sobre o setor Sul. Ainda que indignado, confirmou a final para 17h deste domingo e convocou a torcida “à guerra”. Ficou decidido, enfim, que os tricolores serão alocados na Norte.

– O Fluminense não concorda em nada com a realização desse jogo. Não abrimos ponto de venda nas Laranjeiras. Mas quero chamar nosso torcedor à guerra amanhã. O time é mais importante que essa questão. Quero que vocês lotem aquele setor que não é o nosso. Quero vocês no estádio. Nós vamos ganhar esse jogo e vamos ser campeões – declarou, completando:

– Não estou pedindo ao nosso torcedor para brigar com ninguém. A guerra é dentro do campo. O nosso clube é o time de guerreiros. É guerra saudável. Temos seis anos de Fluminense x Vasco sem brigas. Torcida do Fluminense não é violenta.

Receoso de que haja confusões no entorno do estádio, o presidente promete responsabilizar judicialmente aqueles que “provocaram isso”. Ele acompanhou a reunião que ocorreu na sede da FERJ, nesta manhã, e deixou o local sem que se chegasse a um acordo. Mais cedo, Rubens Lopes, que comanda a entidade, assegurou a segurança dos torcedores.

– Se tiver briga, confusão, morte, podemos colocar a responsabilidade em cima das pessoas que provocaram isso. Que arquem. Nosso corpo jurídico já está preparado para isso – garantiu.

Após eliminar o Flamengo, quinta-feira, a equipe comandada por Fernando Diniz chega com moral para a decisão da Taça Guanabara, que prevê pênaltis em caso de empate. Os ingressos destinados à torcida do Fluminense não serão vendidos na sede do clube. Ou seja, apenas nas bilheterias 1 (a partir das 10h) e 4 (a partir das 13h) do Maracanã.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Alexandre Campello revela que FERJ e Maracanã asseguraram que vascaínos ocupariam a Sul

Ninguém sabe que torcida ocupará o setor sul do Maracanã na final da Taça Guanabara, às 17h deste domingo, embora tenham sido vendidos mais de 20 mil ingressos para o jogo. Com contrato com o Consórcio a seu favor, o Fluminense conseguiu, na sexta-feira, uma liminar que garante os tricolores à direita das cabines.

Por outro lado, a FERJ e o próprio Maracanã se comprometeram, nos encontros realizados durante a última semana, a destinar o espaço ao Vasco, sorteado como mandante. À imprensa, neste sábado, Alexandre Campello revelou que só topou levar a decisão ao principal estádio carioca por conta desta garantia.

– O Vasco tinha um posição clara. Se não ocupasse o setor sul, não jogaria no Maracanã. Levaríamos para o Engenhão ou para qualquer outro estádio. Mas foi dito pela federação e pelo consórcio que o mandante poderia escolher o lado. Só por isso aceitar o Maracanã – disse o presidente vascaíno.

Como não houve consenso entre os rivais acerca da polêmica, o mandatário da FERJ, Rubens Lopes, declarou que prezará pela segurança e respeito aos torcedores.

– Na tentativa da conciliação, a Federação de Futebol tentou acordo entre Vasco, Fluminense e Maracanã. Sem sucesso. Então, dois pilares nos levaram à conclusão, após consulta ao BEPE (Batalhão Especializado de Policiamento em Estádios) e ao Gaedest (Grupo de Atuação Especializada do Desporto e Defesa do Torcedor), através do promotor Marcos Kac: o cuidado com a segurança e o respeito ao torcedor devem ser mantidos.

Pedro Abad deixou a sede da entidade com a reunião ainda em andamento e não quis se pronunciar. Ele esteve acompanhado por Marcelo Penha e Roberta Fernandes, representantes jurídicos do clube.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

Reunião entre Fluminense e Vasco não encerra queda de braço por lado no Maracanã

Os presidentes de Fluminense e Vasco, Pedro Abad e Alexandre Campello, se reuniram com o representante do Maracanã, Mauro Darzé, na FERJ, neste sábado, para buscar uma solução para a polêmica que vem marcando o clássico que decide o campeão da Taça Guanabara. A queda de braço, ainda sem fim, envolve o setor Sul do estádio, que sediará a final às 17h deste domingo.

Ao deixar o encontro, Abad, aparentemente inconformado, preferiu não conversar com a imprensa, mas avisou que o clube se posicionará em breve. Por sua vez, Campello revelou que não há como cumprir a liminar conseguida pelo Fluminense nesta sexta-feira, dado que, segundo o mandatário, existem mais de 20 mil ingressos vendidos.

– Não houve consenso. Existe a posição da federação, do Bepe, do Vasco e do próprio Maracanã. Embora exista uma decisão liminar, ela não é possível de ser executada. Temos mais de 20 mil ingressos vendidos, absoluta maioria para a torcida do Vasco no setor sul. Não tem como mudar esse curso agora, nem o local da partida.

A proposta é que o Cruz-Maltino suspenda a comercialização aos vascaínos para a arquibancada Sul até que o Fluminense venda o mesmo número de ingressos aos tricolores para o setor Norte.

– Chegamos à definição de que vamos atender a liminar e suspender a venda do setor sul e iniciar a venda do setor norte para a torcida do Fluminense até que se chegue ao número de ingressos que foram vendidos para os vascaínos. Os outros setores seguem disponíveis – completou Alexandre Campello.

Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: Globoesporte.com.

 

Maracanã comunica que avisou ao Vasco que cumpriria liminar que garante setor Sul ao Flu

Após reunião realizada neste sábado, na FERJ, entre os presidentes de Fluminense, Vasco e Concessionária Maracanã, o consórcio que gerencia o estádio lançou comunicado no qual diz que avisou ao Vasco, ainda na sexta-feira, que cumpriria liminar que garante o setor Sul aos tricolores.

– O Maracanã informa que apresentou, no dia 15/02/19, uma petição ao Juiz da 37ª Vara Cível, informando que a concessionária que administra o estádio está cumprindo a decisão, tendo comunicando imediatamente ao Vasco, mandante da partida, para providências com relação à venda dos ingressos do setor sul à torcida do Fluminense Football Club – diz.

Em petição enviada ao juiz Sandro Lucio Barbosa Pitassi, que assumiu o caso, o Consórcio afirma que agiu de acordo com a ordem judicial desde que o Fluminense conseguiu a decisão a seu favor. Diz, ainda, que repassou cópia do documento ao Vasco para que cumprisse o estabelecido. Veja:

 


Saudações Tricolores,
Nicholas Rodrigues.

Fonte: LANCE!

 

 

 

Top