Samuel Xavier fala das características de Diniz e Abel

Com a chegada do técnico Fernando Diniz, o Fluminense mostrou uma postura diferente da que estava acostumado com Abel Braga. Em entrevista à Band, o lateral-direito Samuel Xavier comparou o trabalho dos dois treinadores e ressaltou a grande diferença no estilo de jogo do Fluminense com os dois profissionais.

Diniz cobra que um jogador esteja perto do outro. Com esse sistema, dificilmente você está sozinho dentro de campo. Como ala, eu ficava muito avançado. Às vezes a bola chegava em mim e eu estava mais sozinho. Tem fluído essa minha chegada no ataque”, finalizou Samuel Xavier.

“Com o Abel eu jogava mais como ala, mais avançado. Então parecia que eu ia chegar mais no ataque e não foi tão assim. Com o Diniz, eu tenho jogado como lateral e chegado mais no ataque. Acho que é mais pela questão da posse de bola, esse agrupamento”, disse o zagueiro, antes de completar:

Com Abel Braga, Samuel Xavier atuou em apenas nove partidas, não marcou gols e deu uma assistência, tendo uma média de 74 minutos em campo por partida. Já com Fernando Diniz, o lateral-direito entrou em campo em 12 jogos, marcou um gol e também deu uma assistência, tendo a média de 77 minutos em cada jogo.

foto Mailson Santana

NOVA LIGA: 25 clubes fora da Libra criam nova associação na CBF

Uma nova liga de clubes foi fundada nesta terça-feira (28) na sede da CBF. Fora da Libra (Liga do Futebol Brasileiro), 25 clubes das Séries A e B anunciaram a criação de outra associação com o nome Liga Forte Futebol do Brasil.

A ideia é que as negociações da nova associação sejam feitas em bloco e que, no futuro, um consenso entre as duas ligas ocorra para formação de uma liga única.

Os 25 clubes se recusaram à aderir à Libra por conta de divergências em relação aos percentuais de divisão do pagamento dos direitos de transmissão, além de métricas escolhidas para as variáveis de receita.

A Libra formalizou divisão com 40% dos direitos divididos igualmente, 30% proporcionais à performance esportiva, e 30% proporcionais a engajamento e audiência, enquanto os 25 querem 50-25-25.

Veja a nota oficial da Liga Forte Futebol do Brasil:

Reunidos no Rio de Janeiro, representantes de 25 clubes acabam de assinar a Ata de constituição da Liga Forte Futebol do Brasil, inclusive com a formalização de Estatuto. A Liga já nasce com 62.5% dos clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro. Clubes que integram a Liga Forte Futebol do Brasil:

• Athletico PR

• Atlético MG

• América-MG

• Atlético-GO

• Avaí

• Brusque

• Chapecoense

• Coritiba

• Ceará

• Criciúma

• CRB

• CSA

• Cuiabá

• Fluminense

• Fortaleza

• Goiás

• Internacional

• Juventude

• Londrina

• Náutico

• Operário

• Sampaio Corrêa

• Sport

• Vila Nova

• Tombense

foto divulgação

Flu vence o Botafogo, com maior posse de bola, veja atuações

Fluminense derrotou o Botafogo por 1 a 0 , no Estádio Nilton Santos. Com posse de bola de quase 80 por cento Flu dominou o jogo.

Veja todas as notas:

  • Fábio (GOL): 6,5
  • Samuel Xavier (LAD): 6,5
  • Nino (ZAG): 6,5
  • Manoel (ZAG): 8,5
  • Caio Paulista (LAE): 7,5
  • André (VOL): 7,5
  • Nonato (VOL): 7,5
  • Ganso (MEI): 7,5
  • Arias (MEI): 7,5
  • Luiz Henrique (ATA): 7,5
  • Cano (ATA): 6,5

Entraram:

  • Matheus Martins (ATA): 6,5
  • John Kennedy (ATA): 6,5
  • Felipe Melo (VOL): 6,5

foto Marcelo Gonçalves

Ônibus do Fluminense foi alvejado por torcedores do Botafogo no Engenhão

Episódio de violência marcou a chegada da delegação do Fluminense ao Estádio Nilton Santos para a partida contra o Botafogo, neste domingo, pelo Brasileirão. O ônibus da delegação tricolor foi apedrejado por torcedores do Glorioso na chegada ao local.


O ato foi feito logo quando o ônibus deixou o viaduto que dá na Linha Amarela, chegando na Rua das Oficinas. Alguns torcedores do Alvinegro em um bar – o número não conseguiu ser precisado pelo staff do Tricolor – arremessaram pedras e latas de cerveja em direção ao veículo.

Uma pedra acertou uma das janelas do ônibus, fato confirmado por Mário Bittencourt e Fernando Diniz na chegada da delegação.

O objeto não acertou ninguém e todos os jogadores chegaram ao local sem ferimentos.

O Bepe diz ter sido uma latinha de cerveja, e que foi um fato isolado, apesar do isolamento feito pela PM. Ninguém foi detido.

foto Gustavo Garcia

Manoel comemora a vitória: “merecíamos a vitória”

Fluminense venceu o Botafogo neste domingo, por 1 a 0, no Nilton Santos. O resultado colocou os tricolores no G6 do Campeonato Brasileiro.

A equipe visitante dominou os 90 minutos, mas só marcou o gol da vitória na parte final, com Manoel. Decisivo, o zagueiro viu o resultado como justo pelo que o Fluminense mostrou em campo.

“Pela partida que a gente fez, merecíamos a vitória. Agora, é seguir com o mesmo foco para a sequência da temporada”, disse o jogador.

Manoel afirmou que o técnico Fernando Diniz está dando uma identidade à equipe tricolor.

“Temos que continuar com isso. Quem entra, continua com o bom trabalho. O professor Diniz vem dando uma identidade ao time”, declarou.

O Fluminense chegou a 21 pontos no Brasileirão, ocupando a sexta posição. Os tricolores terão a semana livre para trabalhar visando o duelo do próximo sábado, contra o Corinthians, no Maracanã.

foto Marcelo Gonçalves

Fluminense fará campanha em homenagem ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+

O Fluminense vai entrar em campo neste domingo, para o clássico contra o Botafogo, às 16h no Estádio Nilton Santos, buscando conscientização. Assim como vem fazendo nos últimos anos, o clube reforça seu compromisso e prestará homenagem ao Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, celebrado mundialmente em 28 de junho. Os jogadores carregarão no peito da armadura tricolor uma bandeira nas cores do arco-íris – símbolo da luta contra a homofobia – e um patch com a hashtag #TimeDeTodos.

A ação reforça a campanha “Time de Todos”, promovida pelo Fluminense desde 2019 com o objetivo de gritar ao mundo que não há mais espaço para qualquer tipo de preconceito. Na terça-feira, dia em que o orgulho LGBTQIA+ é celebrado, diversos conteúdos sobre o assunto ganharão espaço nos perfis do clube nas redes sociais.

“É um compromisso do Fluminense combater todo e qualquer tipo de preconceito, pois não há mais espaço para intolerância no futebol e na sociedade. A campanha Time de Todos mostra que o clube pensa muito além das quatro linhas e se preocupa em lutar por respeito, igualdade e humanidade. O Brasil é o país onde mais se mata LGBTs e não podemos tolerar tanta injustiça. Por isso o Fluminense acha fundamental lutar por um mundo mais plural e inclusivo, onde se respeita a diversidade”, declarou o presidente do Fluminense, Mário Bittencourt.

Em 29 de janeiro deste ano, quando é celebrado o Dia da visibilidade trans, o Fluminense fez uma publicação de conscientização à causa. O clube reforçou o seu compromisso de respeito e fez coro de fim ao preconceito. O início da campanha Time de Todos foi em 2019, quando o clube emitiu uma nota de repúdio a cantos homofóbicos proferidos ao clube.

Retrospecto Fluminense x Botafogo no Campeonato Brasileiro

NO CAMPEONATO:
JOGOS: 1486
VITÓRIAS: 573
GOLS PRÓ: 1955

CONTRA O BOTAFOGO:
JOGOS: 374
VITÓRIAS: 140
GOLS PRÓ: 576

ÚLTIMO JOGO: 27.03.2022 | MARACANÃ
SEMIFINAL | VOLTA | CAMPEONATO CARIOCA
PLACAR: 1X2
GOLS: CANO (FLU) E ERISON (2) (BOT)

PARTIDA HISTÓRICA: 26.10.2002 | MARACANÃ
23ª RODADA | CAMPEONATO BRASILEIRO
PLACAR: 2X3
GOL: CÉSAR, MAGNO ALVES E ROMÁRIO (FLU);
E GALEANO E LÉO INÁCIO (BOT)

Luiz Henrique promete: ”Um dia, se Deus quiser, eu vou voltar para o Fluminense”

Luiz Henrique era somente mais um menino que chegou a Xerém repleto de sonhos. Aos 11 anos, aquele moleque habilidoso não poderia imaginar que um dia teria o Maracanã aos seus pés. De lá para cá, ele cresceu, evoluiu, recompensou dentro de campo o clube que o fez dar os primeiros passos no futebol e, agora, se despede para realizar outro sonho: o de jogar na Europa. O atacante fará neste domingo, no clássico contra o Botafogo, às 16h, no Estádio Nilton Santos, seu último jogo pelo Fluminense antes de seguir viagem. Mas, para o eterno Moleque de Xerém, o adeus tem todos os sinais de um “até logo”.

“Vou te falar que estou muito ansioso. Meu último jogo aqui no Fluminense, não sei se vou conseguir dormir de tanta ansiedade. Vai ser um clássico muito bom, a gente vai dar o nosso máximo. Eu vou dar o meu máximo, vai ser meu último jogo dessa minha história aqui no Fluminense, mas eu sei que um dia eu vou voltar para esse clube que me apoiou, que me abriu as portas quando eu tinha 11 anos. Se Deus quiser vai sair gol e vamos conseguir a vitória”, disse.

Quando entrar em campo no clássico, o garoto completará 120 jogos pelo Tricolor e, ao apito final, vai se despedir com o sentimento de dever cumprido. Após viver metade de sua vida dentro do Fluminense, Luiz Henrique mostrou gratidão ao clube.

“Todos os Moleques de Xerém que sobem para o profissional dão a vida, honram a camisa e fazem de tudo por esse clube. Não importa a idade, a gente sempre entra com a mentalidade muito boa. É muito importante o que o clube faz por nós”, declarou.

A ascensão é fruto de uma mistura que combina ingredientes como talento, humildade e muito esforço. Tudo isso fez com que, aos 21 anos, Luiz Henrique realizasse o sonho de jogar no futebol europeu.

“Isso foi fruto do meu trabalho, de um moleque humilde que trabalha muito. Graças a Deus passou rápido, agora estou indo e é só aproveitar”.

Com 14 gols na carreira como profissional, Luiz Henrique não esconde o desejo de vencer e balançar as redes ao menos mais uma vez pelo Fluminense. Seria, para ele, o desfecho perfeito e um presente para a torcida, por quem carrega eterna gratidão.

“Torcida tricolor, muito obrigado pelo carinho de vocês por mim. Me apoiaram bastante, me ajudaram muito e disseram muitas coisas boas. Um dia, se Deus quiser, eu vou voltar para o Fluminense e ouvir vocês de novo gritando meu nome. Podem esperar muita raça no clássico, vou dar a minha vida”.

Fotos: Marcelo Gonçalves e Mailson Santana/FFC
Texto: Comunicação/FFC