Com entusiasmo apesar do mau momento, o Cerro viaja em busca do “milagre”.

O Cerro Porteño que não vai muito bem no início do segundo semestre, chegou ao Rio de Janeiro com grande entusiasmo , onde nesta terça-feira buscará o “milagre” de voltar na série contra o Fluminense.

Conforme matéria do do jornal La Nacion do Paraguai, “O duelo entre Cerro e Fluminense pelas quartas de final da Copa Libertadores está marcado para esta terça-feira, às 18h15, no lendário estádio do Maracanã. No jogo de ida, foi uma vitória por 2 a 0 para a equipe Brasileira, em meio a um grande escândalo, já que a equipe paraguaia teve um gol legítimo anulado, que foi posteriormente reconhecido pela própria Conmebol, devido à ineficiência do VAR. Quanto à equipa, Francisco Arce não tem muitas dúvidas, já que o Cyclone não tem pessoal suficiente e está praticamente confirmado que Ángel Cardozo Lucena estará ausente devido a lesão. Um dos dilemas seria a presença de Mateus Gonçalves ou Enzo Giménez, em uma das poucas posições que o Cerro sempre gira. Então, “Chiqui” tem todo o potencial disponível.

Fonte: lanacion.com.py

Foto: Conmebol. / Pool/Getty Images

“Meu repúdio” Opinião por Antonio Gonzalez)

Não sei o que me resta de vida. Desde fevereiro o meu mundo ficou diferente, minha saúde física e mental deu sinais inequívocos de insatisfação. Portanto vou escrever o que penso sobre a relação do clube com a suas torcidas organizadas, em especial a Força Flu, antes que o meu tempo se cale.

Quando tudo vai bem, as mensagens vindas de dentro do intramuros de Álvaro Chaves – 41, advertem que o clima é de parceria. As mensagens de Whatsapp não mentem no famoso e falso “se der merda deixa comigo”.

Tudo as mil maravilhas… Love is in the air… O amor de castelo de areia é lindo.

Mas bastou surgirem os maus resultados para que a fábrica que se utiliza de falsidades e mentiras para chegar aos objetivos de alcançar o poder, ficasse incomodada com as manifestações públicas da Força Flu, onde o desgosto pelos péssimos resultados (3 derrotas consecutivas) obtidos ficou latente.

E esses descontentamentos tinham nome e sobrenome: Egídio, Ganso e Roger.

Ponto.

Para nada foi um ato político como covardemente tentam se escorar os mentirosos de aluguel.

Veio o dia seguinte e pintou a 4.849a. porradinha entre membros de organizada do Fluminense. Os homens do lado da razão. Nada além disso. Esse é o idioma que se fala.

Da Bravo não vou falar. Não representa os valores que a arquibancada vencedora me ensinou.

Já da Força Flu sim. Tenho história lá dentro. Como vejo? Simples. É o reencontro com a sua identidade.

Sempre foi assim, venceu, bate palmas… perdeu, cobra.

Isso é torcida de time GRANDE.

E o que faz a direção do clube? Se aproveita do momento e PROIBE que as organizadas façam mosaicos e enfeitem o estádio com suas faixas e bandeiras.

Para piorar o péssimo Departamento de Arenas assume a responsabilidade de fazer o mosaico. E cá para nós: se o apresentado é fruto do trabalho de uma empresa contratada, pobre de nós. Posso adiantar que não é a empresa que PROFISSIONALMENTE trabalha nesse sentido para o Flamengo.

O momento não é de retrocesso, nenhum passo atrás. A atual gestão do Fluminense cruzou a fronteira, quis se tornar a dona de tudo e mostra o repúdio que sente pelo cheiro do torcedor consciente.

A Força Flu tem que procurar a Justiça. É URGENTE. A arquibancada é o nosso altar, é solo sagrado batizado há mais de 100 anos por nuvens de pó de arroz.

Portanto deixo latente o meu repúdio. Isso que está aí não tem identificação com o verdadeiro Fluminense.

Mas resta uma bala a eleição em novembro de 2022. Ou muda de vez ou troca o nome para Compra e Venda Football Club.

Terminando, meu querido Presidente Mário Bittencourt: o seu Vice Presidente Edmundo Coelho, declarou em uma LIVE (no Canal do Marcelo Jorand) na semana passada que é favorável ao voto ONLINE. E isso foi importante… saber que não existe unanimidade dentro do Conselho Diretor – de um lado os interesses dos Esportes Olímpicos e daqueles que vivem dos seus contra-cheques do FFC, do outro estarão os que pensam na perenidade do clube – traz consigo esperança.

Hoje tem Cerro Porteño. Vencer com tranquilidade é obrigação.

Até qualquer dia.

Antonio Gonzalez – FORÇA FLU – OLD SCHOOL

Comunicado sobre o retorno gradual dos torcedores aos estádios

Somente adesões realizadas até 10 de agosto no programa Sócio Futebol terão direito aos descontos extras em ingressos

Diante da liberação da Prefeitura do Rio de Janeiro para o retorno gradual dos torcedores aos estádios, o Fluminense Football Club informa que somente adesões realizadas até o próximo dia 10 de agosto no programa Sócio Futebol terão direito aos descontos extras em ingressos pelo número de partidas disputadas com portões fechados proporcional ao período em que o sócio esteve adimplenteO benefício será válido a partir da liberação dos jogos com público na capacidade total dos estádios. Nos confrontos com presença de público ainda restrita, serão respeitados os descontos e prioridades vigentes nos planos atuais de cada sócio (consulte os quadros abaixo).


O benefício foi prometido nos primeiros dias de pandemia, quando poucos imaginavam como seria o avanço da Covid-19 no Brasil e o longo tempo de afastamento do torcedor dos estádios. Com isso, a medida visa garantir que as partidas no retorno do público sejam rentáveis ao clube. Além de garantir uma melhor implantação do desconto extra, reduzindo a possibilidade de transtornos aos sócios.


O Fluminense, mais uma vez, agradece a todos os sócios que se mantiveram ativos ou aderiram ao Sócio Futebol durante a pandemia, garantindo ao clube uma receita fundamental para atravessar um período tão desafiador.


O clube ainda reitera que, em nome da ciência e preservação das vidas, estará perfeitamente alinhado às determinações das autoridades e continuará mantendo todas as cautelas na prevenção, como tem feito desde o início da pandemia, primando pela máxima segurança a seus sócios, atletas e funcionários.


Desconto para sócios em jogos com público restrito:

PlanosDesconto
Tricolor de Coração, Pacote Check-Ins 2021 e Pacote Futebol100% de desconto em um ingresso
Sócio Futebol, Eterno Amor e Pacote Jogos50% de desconto em um ingresso

Desconto para sócios em jogos com 100% da capacidade do estádio*:

PlanosDesconto
Tricolor de Coração, Pacote Check-Ins 2021 e Pacote Futebol100% de desconto em dois ingressos
Sócio Futebol, Eterno Amor e Pacote Jogos100% de desconto em um ingresso


*Somente para adesões realizadas até 10/08/2021, em número de jogos proporcional ao tempo de permanência do sócio no programa durante o período de jogos com portões fechados.

Texto: Comunicação/FFC

” E o seu povo” Opinião Rodrigo Amaral

Queridos irmãos e irmãs, GUERREIROS das três cores, a Guerra do Paraguai não terminou, teremos mais uma batalha nesta Terça, o Cerro vem de uma sequencia de quatro jogos de invencibilidade, 0x0 com o Deportivo Luqueño, 1×1 com o Libertad, 2×0 no Club Dr. Benjamin Aceval e 0x0 com o River Plate de Assuncion, temos uma boa vantagem, 2×0 no jogo de ida gols de Nenê e Egídio, esse segundo tão contestado, marcou seu primeiro gol pelo Flu e fez uma grande partida, mas como já é de costume quase estragou tudo num pênalti não marcado pelo VAR, no que pese

o Cerro levar poucos gols, ele também faz poucos e com isso nossa vantagem nos dá um certo conforto, mas o time do Roger não pode atrair o adversário para o nosso campo, temos que nos impor em nossa casa.
Por falar em Egidio, ele foi um dos principais alvos do protesto do nosso povo, não por não saber cruzar, mas sim por saber entregar, parece até que trabalha de bike no aplicativo, entrega em qualquer lugar, o protesto teve grande repercussão, poderíamos até fazer uma grande análise sobre o ocorrido, mas prefiro falar de forma geral, afinal se os profissionais que

trabalham no Fluminense não querem sentir pressão, que procurem outro clube. O FLUMINENSE não sobrevive de passado, ele vive de fazer história a cada instante, se você andar pela sede da rua Álvaro Chaves, você tropeça nas glórias conquistadas por este clube, e todos têm que entender isso. Críticas , protestos e diálogos, sem violência ou depredação do patrimônio são muito bem vindos, afinal temos um POVO que anseia por Vitória e Glórias, refletimos nossos sentimentos em cima desse time e não podemos ter uma postura covarde, ganhar e perder faz parte

do esporte, mas covardia não, entendemos que estratégias podem e devem ser feitas em diversas situações, mas não aguentamos mais escutar nas coletivas a palavra SOFRER, em diversas conjugações, queremos vencer com menos sofrimento, ou ainda, não ficaremos tão revoltados com derrotas inesperadas depois de apresentar um futebol vistoso.
Neste periodo de pandemia, onde o público está proibido de frequentar o lugar mais popular do futebol, as arquibancadas, travamos uma guerra de festas sem publico, mas com gente e sentimento através dos mosaicos e ornamentaçôes das

“bancada” e as logisticas têm sido feitas com maestria por todas as organizadas que nos representam, mas nossa diretoria, depois de cometer atos ditatoriais proibindo algumas faixas em jogos passados, novamente age de forma que lhe parece mais facil e confortavel e com isso esquece de seu POVO, ignora-o. Após um protesto lícito, afinal amigo leitor você se sentiu representado ou não por aqueles que estavam na porta do CT? Aconteceu um desentendimento entre componentes de duas organizadas na logística do jogo contra o Criciúma e o que nossa diretoria

faz? Pune seu POVO, mas não é a diretoria que diz que seu POVO através do programa de sócio pode ser o maior patrocínio do Fluminense? Ora amigos, organizar é não ficar parado, é ter atitude e pensar no bem comum, direcionado para o desenvolvimento da organização, hoje vivemos num grande “Big Brother”, com câmeras em todos os lugares, com isso fica facil punir os envolvidos, mas para isso tem que querer, tem que ser proativo, não ter essa atitude investigativa é dar uma banana para o nosso POVO e falar nas entrelinhas que não se importam com ele, afinal ja não temos público

e por atitude de 4 ou 5 pessoas ficamos sem mosaico, sem representatividade no lugar mais popular do estádio. NIGUEM PODE SER MAIOR QUE O FLUMINENSE e o FLUMINENSE É OU NÃO SUA TORCIDA? Não vou entrar no mérito do porquê houve a discussão, mas incrivelmente ela ocorre após um protesto e com isso entre notas oficiais e acusações vem a tona situações que não eram faladas anteriormente, o que se justifica? Assumam os erros e pensem no Fluminense e no sei POVO.
Como sempre digo, na boa malandragem, de um bom papo ninguém escapa, nos entendemos e

caminhamos juntos, bastar não ter medo de conversar e aceitar o argumento alheio, ou pelo menos escuta-lo, ter humildade e saber reconhecer virtude no alheio.
Que Venha o Cerro!

“Razões e proporções ” – Opinião André Ferreira de Barros

“Razões e proporções”


Três categorias de pessoas apoiam o patético Presidente Mário Bittencourt: os oportunistas, os idiotas e os grão-idiotas.


Os oportunistas – uma ínfima minoria, alguns nem torcedores do Fluminense – conhecem muito bem o Sr. Mário Bittencourt, bem assim o projeto que ele encarna. Na esteira, eles são facilmente recuperáveis. Uma vez insatisfeitos, eles abandonam tudo e partem em busca de nova presa.


Os idiotas são de difícil, mas fundamental, recuperação. Acostumados a um Fluminense pequeno, contentam-se com migalhas – distribuídas à farta pelo Sr. Presidente Mário Bittencourt.

Visando à sua recuperação, oferto-lhes breves aulas de razão e proporção:


1-) Branco está para Egídio, assim como Manoel Schwartz está para Mário Bittencourt;
2-) Parreira está para Roger, assim como Manoel Schwartz está para Mário Bittencourt;
3-) Rivelino está para Nenê, assim como Francisco Horta está para Mário Bittencourt.
Se vocês, idiotas, não entenderam, o Fluminense tá f….


Os grão-idiotas são irrecuperáveis.


Saudações tricolores!!


FORA MÁRIO!!!

Com três gols sofridos em seis jogos, Luccas Claro e Manoel tem bom aproveitamento e ganham mais confiança.

Desde a convocação de Nino para a seleção Olímpica,o Fluminense precisou fazer rearranjos na dupla de zaga, setor de maior destaque na última temporada. Após testar os reforços que foram contratados, Manoel tem sido a opção do técnico Roger Machado para compor a defesa ao lado Luccas Claro nas últimas partidas, seja pela competição nacional ou na Libertadores.

Nas primeiras partidas, o zagueiro fez atuação tímida, mas precisa. Com um estilo de jogo similar ao companheiro de defesa, a nova dupla não demorou para se entrosar e em pouco tempo já conquistou bom rendimento nos duelos diretos e aéreos. Enquanto Luccas Claro ocupa mais o meio da parte de trás do campo, Manoel se desloca para a lateral direita, e assim diminuem o espaço para os ataques adversários através de uma marcação precisa e interceptações.

A química não é ao acaso: na base do Athletico Paranaense, os zagueiros chegaram a jogar juntos e já eram conhecidos de longa data. O padrão estabelecido pelo desempenho entre Luccas Claro e Nino também ajudou para que Manoel entendesse o que a comissão técnica esperava da sua atuação.

Eu conhecia o Luccas há muito tempo. Jogamos juntos na base do Athletico Paranaense, depois subi para o profissional e ele foi para o Coritiba. Fico feliz. Ano passado ele e o Nino fizeram a melhor defesa do Campeonato Brasileiro. Eu tive a oportunidade de vir para o Fluminense e tendo um estilo encaixado já é mais fácil de jogar. A equipe vem correspondendo bem. Muitas vezes se fala da linha defensiva, mas os pontas, os volantes, sempre ajudam. Ficamos felizes por fazer bons jogos, mas quando se fala da defesa tem que falar de todos, pois ajudam. Isso será importante para o decorrer dos campeonato.

Cabe destacar que diante do Grêmio, por exemplo, o gol do adversário saiu nos últimos minutos após um pênalti bobo feito por Calegari. Na Copa do Brasil, o primeiro do RB Bragantino saiu em uma cobrança rápida de falta que pegou o Flu desorganizado. Manoel estava na marcação de Hurtado e não acompanhou o adversário no segundo lance, sem impedir o cruzamento.

Enquanto Luccas Claro é o titular absoluto e incontestável, Manoel chegou sabendo que seria opção no banco após o grande destaque do companheiro ao lado de Nino. Ele, porém, venceu rapidamente a concorrência com David Braz e Matheus Ferraz para se tornar a primeira opção. É considerado reserva de luxo no Tricolor.

A dupla de zagueiros e o Fluminense voltam a entrar em campo neste sábado, em partida contra o Palmeiras, às 19h (de Brasília), no Allianz Parque. O Tricolor busca recuperação no Brasileirão após perder para o Grêmio, que até então era o lanterna. Se o desempenho como mandante ainda deixa a desejar, o Flu é o quinto melhor visitante da competição, com duas vitórias, três empates e uma derrota em seis partidas.

ATÉ QUANDO? Roger diz que o Fluminense teve um dia ruim e explica a titularidade de Wellington na partida.

Após tropeçar nos últimos jogos como mandante em outros estádios, o Fluminense voltou ao Maracanã na noite deste sábado, mas também não conseguiu vencer em sua casa. Poupando alguns titulares para o jogo de terça-feira contra o Cerro Porteño, do Paraguai, pelas oitavas de final da Libertadores, o mistão Tricolor acabou perdendo para o lanterna Grêmio por 1 a 0. Após a partida, o técnico Roger Machado admitiu que foi um “dia ruim” de sua equipe:- Fiz as mudanças para tentar buscar um jogo mais de profundidade colocando (Matheus) Martins por um lado, Lucca por outro, para também termos finalizações de média (distância), pois hoje seria difícil entrar pelo centro. Coloquei o Cazares por trás da linha para ter um passe final com qualidade, continuando o trabalho do Paulo (Ganso), mas hoje não foi um dia que a gente conseguiu fazer o que gostaria.

Roger também explicou a opção por Wellington como titular na partida. Ao substituir o suspenso Martinelli, André teve boa atuação contra o Cerro Porteño no Paraguai e voltaria a ser reserva no jogo da volta da Libertadores, portanto não precisaria ser poupado. O treinador explicou, porém, que a decisão foi baseada na gestão do elenco:- A opção pelo Wellington foi oportunizar para novamente estar em campo. O André foi opção no jogo do Cerro, é uma opção importante para mim, mas também faço a gestão do grupo e preciso estar atento a outros detalhes importantes para levar os jogadores para campo. Por isso foi a opção.

foto: Alexandre Durão /GE

Resultado injusto, placar mentiroso e os mesmos de sempre. Opinião Antonio Gonzalez

RESULTADO INJUSTO, PLACAR MENTIROSO E OS MESMOS DE SEMPRE (por Antonio Gonzalez)

Quando vi a escalação que foi a campo ontem à noite contra o Ceará, percebi que o Roger sabia que o adversário era daqueles de princípios reativos, bem parecidos com os administrados, no Fluminense, pelo treineiro gaúcho.

Certamente essa foi a escalação inicial com menor média de idade que foi a campo nesse Campeonato Brasileiro, mais leve, com oxigênio e pulmões diferenciados, rápidos.

Com o Luiz Henrique e o Caio Paulista (hoje a nossa principal válvula de escape) fazendo o corredor, só que com maior objetividade ofensiva, encontramos “a grande novidade” no posicionamento do Gabriel Teixeira, que atuou centralizado, entrelinhas, o que permitiu um maior número de quilômetros abrangidos pelo o que deveria ser o nosso meio de campo. Biel por vezes faz com que eu lembre do Zé Roberto (campeão em 1973 e 1975), canhoto e oriundo da nossa base: jogadores de qualidade individual que não se importam de ser coadjuvantes em prol do coletivo.

A atuação time, muito longe do mínimo desejável, foi acima do nível apresentado e exigido nos últimos tempos.

Mas… desta vez apareceu a figura que alterou o destino traçado: o goleiro adversário com 2 defesas de impacto que decidiram o placar.

Na saída do Fred (espero que fique apenas no susto e no sinal de alerta) Roger apostou no Lucca e nesse caso não há muito o que dizer que não seja de indignação. Eu teria colocado o Kayky, visando os últimos 20 metros de campo: velocidade, passe, drible, arrancada e definição.

De resto, mais um ponto, num total de 14 em 10 jogos, o que se mantida a proporção até o momento, chegaríamos ao 53 ao final da 38a. rodada. Hoje ocupamos o 10° lugar, com a mesma pontuação do 8°, entretanto podendo ser ultrapassado pela dissidência e pelo Corinthians, ambos com jogos a menos.

Ou seja, para começar a pensar na Libertadores 2022 é preciso subir o tom. Não obstante vale ressaltar que a 5a. colocação no passado Brasileirão foi obtida pelos 64 pontos conquistados. A equipe do Athlético Paranaense que ficou com a 9a. posição obteve 53 pontos.

Fica a dica!

Mudando o rumo da prosa…

Falando em velha política: o que significa?

Tem uma galerinha que se diz oposição (mas que na essência não é) que nas rádios de fofocas nos corredores do clube e nos grupos de Whatsapp, tem como esporte favorito TENTAR me dar porrada, colocando-me a pecha de representar a velha política.

Vamos lá então:

Antonio Gonzalez apoiou o Horcades ou ocupou cargo na gestão dele? NÃO!

Antonio Gonzalez fez campanha política para candidato Peter Siemsen e participou da destruição moral da candidatura do Júlio Bueno (com um milhão de vezes com mais conteúdo e estofo) com atos como contratar bandinha para cantar “Se gritar pega ladrão” ou através da falsa acusação de ficha suja? NÃO!

Antonio Gonzalez bancou financeiramente a participação de algum Vice Presidente na gestão Peter? NÃO!

Antonio Gonzalez ocupou cargo na gestão Peter Siemsen, seja noprimeiro ou segundo mandato? NÃO!

Antonio Gonzalez enquanto Conselheiro aprovou as contas das gestões Peter Siemsen? NÃO!

Antonio Gonzalez participou ou deu o seu nome em apoio ao então candidato Mário Bittencourt na eleição de 2016? NÃO!

Antonio Gonzalez aceitou o convite para trabalhar de forma REMUNERADA no FFC na gestão Pedro Abad? NÃO!

Antonio Gonzalez participou ou deu o seu nome em apoio ao então candidato Mário Bittencourt na eleição de 2019? NÃO!

Antonio Gonzalez fez parte da Flu+, Tricolor de Coração, Flusócio ou Ideal Tricolor (grupos que apoiaram e elegeram o Peter Siemsen e o Mário Bittencourt? NÃO!

É melhor parar por aqui.

QUEREMOS O NOVO, O DESCONHECIDO QUE VENHA PARA REVOLUCIONAR.

Esse papinho de defenestrar currículos é a arma dos de sempre. Já conheço o modus operandi dos que REALMENTE FAZEM E OPERAM A VELHA POLÍTICA.

Repito:

QUEREMOS O NOVO, O DESCONHECIDO QUE VENHA PARA REVOLUCIONAR.

Se não tiver intimidade com o playground não desça para brincar.

Terminando:

BEIJUNDAS NESSA OPOSIÇÃO SITUACIONISTA.

Antonio Gonzalez

O FLUMINENSE NASCEU PARA TROCAR PORRADA: O CHOQUE DE REALIDADE NECESSITA UM CHOQUE DE GESTÃO. Opinião Antonio Gonzalez

O FLUMINENSE NASCEU PARA TROCAR PORRADA: O CHOQUE DE REALIDADE NECESSITA UM CHOQUE DE GESTÃO. Opinião Antonio Gonzalez

Nesses dias de frio onde a água encontra duplo significado, quente e fria nas situações do cotidiano, uma vez passadas mais de 40 horas da mágica vitória sobre o Clube de REGATAS do Flamengo, que tem que ser comemorada e muitíssimo “recomemorada”. Um grande feito, que os adversários (mesmo sabendo da qualidade do nosso elenco, da teimosia do treinador ranzinza que inclusive se esqueceu de como se comemoram gols como o do André) aprendam a nunca tratar ao Fluminense como cachorro morto, nem a nos chutar como se fossemos uma caixa de papelão carcomido.

Somos a história porque CONSTRUÍMOS A HISTÓRIA!

Tem que respeitar! Apesar de que há muito as nossas canetas esgotaram em inspiração.

O Fluminense tem que ser REVERENCIADO pela sua importância para o futebol brasileiro e mundial. Então se o novos mulambos querem trocar porrada com a gente tem que se revestir de modéstia e deferência. Ou nos derrubam nos primeiros assaltos ou aprendam que por pontos não nos vai ganhar (a não ser com a cumplicidade e ajuda arbitral).

A juventude tricolor (isso já foi nome de torcida organizada) resolveu a parada: o trabalho que em seu dia foi iniciado na era moderna por Nilson Matos, Milton de Souza, Julio Dutra, Carlos Henrique Ferreira, dirigentes que durante décadas trabalharam todos os dias do ano GRACIOSAMENTE pelo futebol de base nos anos em que as revelações eram chamadas de prata da casa.

Hoje, são os “Moleques de Xerém”.

Equivoca-se aquele que coloca na conta de algum figurão contemporâneo e/ou desses dirigentes REMUNERADOS (alguns fugazes) que são os grandes responsáveis pela constante produção. ZERO!!! O que tem que ser RESPEITADO é o trabalho do Ivan Proença no Futsal que é fonte de abastecimento à matriz, que fica na Baixada, terra do Zeca Pagodinho, que é o rei da região. O sambista faz jus à condecoração sujeito homem que é.

Todavia ainda resta tinta para esse domingo, o maravilhoso 4 de julio de 2021. As presenças do Samuel Xavier e do Caio Paulista trouxeram um pouco mais de equilíbrio às linhas, da mesma forma que ao contrário do, péssimo, embate contra o Athético Paranaense, estavam mais conjuntadas. O problema de qualquer treinador que dirija o Fluminense é ser obrigado a ter um menu onde o prato do dia está repleto de veteranos refugos, já sem o gás que se necessita para desenvolver esporte de alto rendimento. Todavia quem corre são os Marcos Felipe, Calegari, André, Martinelli, Gabriel Teixeira, Luiz Henrique e Kayky. Por agora, mais uma na conta do Covid-19: as 5 substituições.

E como elas fazem a diferença!

É justo reconhecer que o Roger Machado, DESTA VEZ, modificou o jogo com os câmbios feitos. E quando o Fluminense joga para o gol dá igual ser Gil Carneiro, Álvaro Barcellos, Roberto Horcades, Peter Siemsen, Pedro Abad ou Mário Bittencourt, o Presidente: o nosso DNA (o verdadeiro não aquele que o departamento de Marketing insiste em nos vender há 11 anos) é jogar para vencer SEMPRE ATACANDO. Não gosto do nosso treineiro, sua forma de ser não produz nenhuma afinidade. O que ele tem feito com os atletas desse elenco, que por sinal é muito desequilibrado, assusta. O que realmente não impede de identificar o quanto funcionou no domingo passado.

O Fluminense nasceu para trocar porrada, nós somos assim! Nossas conquistas, todas, tiveram como água batismal a forte presença do espírito de luta. Sempre com valentia e disposição.

Aprender dos erros é necessário: a tragédia da derrota para a boa (e super bem treinada) equipe do Athlético Paranaense, numa disputa em que o Fluminense literalmente foi atropelado por um furacão, toda e qualquer reflexão, desde que regenerativa faz-se essencial para o seguir e conseguir avançar.

Faltam 7 dias para o 1° jogo contra o Cerro Porteño e 14 para a partida da volta. São as oitavas de final da Libertadores.

De saída, até a data, serão as disputas mais importantes do ano. Espero que não sejam as últimas. Independentemente de que o nosso time quando completo seja fraco e a montagem do elenco, apesar da falsa narrativa do planejamento, foi feitas sem parâmetros pre definidos, sem o equilíbrio necessário, de idade avançada, o FFC tem todas as chances para se classificar sob a condição…

Sob que condição?

Sob a condição de que nem o Roger, nem o Paulo Angioni, nem o Fernando Simone e o Mário Bittencourt atrapalhem. O presente tem como exigência o trabalho (desde que com proposta de regeneração de métodos e dos conjuntos de proposições), a humildade e o silêncio.

E nessa condicionante cabe o mutismo por completo dos PPPs (PASSADORES DE PANO PROFISSIONAIS). Que não atrapalhem, que enfiem essa busca desesperada por likes e seguidores no fundo das suas gavetas, que não conjuguem o verbo da plumifera vaidade. Chega de factóides e falsas narrativas construídas com o veneno das pataratas do descaro da transparência limitada, protegidos, quer dizer, escondidos sob a proteção do teclado da sinfonia dos covardes.

Para terminar, algumas perguntas para reflexão:

  • Quem vai substituir o Martinelli contra o Cerro Porteño na primeira peleja?;
  • Por que o Conselho Fiscal ainda não emitiu o parecer sobre as contas de 2020, uma vez que as mesmas foram apresentadas no longínquo 30 de abril passado?;
  • Por que o Conselho Diretor do Fluminense tem medo do voto ONLINE? Será que é medo ou é mais promessa de campanha que jamais será cumprida?.

Repito:

O Fluminense nasceu para trocar porrada, nós somos assim!

Que venha o Ceará!

Em novembro de 2022 você pode mudar o rumo, evitando o naufrágio e definitivamente certo conceitos cancerígenos de modelo de gestão do clube.

O CHOQUE DE REALIDADE NECESSITA UM CHOQUE DE GESTÃO.

Antonio Gonzalez

” Mentiras piedosas ou essa derrota deve ser transformada em vitória” Opinião Antonio Gonzalez

MENTIRAS PIEDOSAS ou ESSA DERROTA DEVE SER TRANSFORMADA EM VITÓRIA (por Antonio Gonzalez)

Em 1990 o poeta espanhol Joaquin Sabina gravava o seu 7° álbum em estúdio (o 9° da carreira considerando mais 2 ao vivo). “MENTIRAS PIEDOSAS” foi além de ser o nome de batismo do disco que vendeu 300 mil cópias… também era título de uma das canções que faziam parte do LP.

Na minha humilde opinião, a maior virtude da poesia do Sabina é que, sem se importar com os caminhos escolhidos, ele sempre coloca os dedos, todos, na ferida. Suas frases, carregadas de áspera urbanidade, contém a sem vergoninhice do caradurismo de quem vislumbra os movimentos, passados e futuros, das peças do tabuleiro.

“Yo le quería decir la verdad
Por amarga que fuera…

Contarle que el universo era más
ancho que sus caderas…

Le dibujaba un mundo real…
No uno color de rosa…

Pero ella prefería escuchar mentiras
piedosas”…

O Fluminense vive a maior crise de identidade da sua história. A divisão é clara: as gerações dos exigentes x as novas gerações dos conformados.

E essas gerações de conformados especializaram-se em aceitar o destino desenhado por medíocres de ocasião, criadores de narrativas dignas da Turma da Mônica, sem embargo desconhecedores das entrelinhas do clube que um dia foi gigante e, principalmente, como se escreveu a trajetória, rica em feitos e capacidades.

Ontem terminei a minha coluna dizendo: “que venha o Athlético Paranaense”…

E para o nosso azar (ou será nossa sorte?) a equipe paranaense veio. Sem pisar em ovos, mas entrando como um elefante numa fábrica de louça (tão frágil, quanto vagabunda), a equipe rubronegra fashion, de forma inquestionável, deixou ao FFC desnudo, sem direito sequer a um simples guardanapo de papel como tapa sexo.

Culpados?

Dizer que a culpa pertence somente ao6 Roger é reduzir à fração mais simples. O mesmo que empurrar com a barriga, para debaixo do tapete, as verdades ocultas. Tão encobertas, disfarçadas, clandestinas e furtivas, que criaram a figura dos PASSADORES DE PANO PROFISSIONAIS, os PPSs.

Não tenho nenhuma dúvida das culpabilidades do treineiro: de discurso rebuscado onde o zero e o nada se personificam, cabeça dura, teimoso e terceirizador de autorias.

Ora Senhores… antes do Roger Machado tem o crivo do Angioni, com os seus mais de 40 anos na Comunidade do Futebol.

Há quantos anos o Angioni está no clube?

Quantos jogadores foram contratados nesse período? Dessas dezenas e dezenas de contratações quantas deram certo?

Quantos jogadores o FFC “mal” vendeu nesse tempo?

Quantos atletas saíram gratuitamente (sem nenhum benefício financeiro) nos últimos 3 anos? Será que todos tem pais e familiares complicados, ávidos pelo enriquecimento precoce? Ou será que o ilustre Angioni não fez ou nem soube fazer o dever de casa?

Até agora já são 2 os causadores… entretanto não para por aí…

Não pode ser esquecida a figura do CEO… Fernando Simone foi Gerente Executivo de Futebol com o Peter Siemsen e, depois de um breve estágio no Campos (suposta escola de dirigentes do Grupo City) e de uma fulgurante passagem pelo Boavista (uma espécie de Harvard na Comunidade do Futebol Brasileiro), transformado pelo Pedro Abad em Chief Executive Officer… função que também ocupa na atualidade.

QUAIS FORAM OS AVANÇOS FEITOS PELO FLUMINENSE COM A FIGURA DO FERNANDO SIMONE SENDO O CHEFE DO EXECUTIVO?

Que tal ir além??!!

Por que razão na venda do jogador Pedro para o Fiorentina, por ocasião do famoso encontro entre as partes num restaurante na área nobre da cidade, nem o Vice Presidente Geral, Sr. Celso Barros, nem o Diretor Executivo de Futebol, Paulo Angioni, NÃO ESTAVAM PRESENTES e o Fernando Simone estava?

Por que o Fernando Simone fez parte da negociação do Fluminense com o dono da franquia dos Guerreirinhos do bairro de Campo Grande, com relação ao pagamento do comissionamento sobre a venda dos direitos federativos do jogador Rafael Resende para um clube dia Emirados Árabes Unidos?

Na Espanha os mais vividos dizem que não existe 2 sem 3…

No caso do Fluminense não existe 3 sem 4.

Falo do grande responsável pela derrota de ontem: o Presidente Mário Bittencourt. Nem preciso ir à frente. Cada qual que enfeite o seu jiló com o tomate seco de turno, desses que são dignos dos saltimbancos da série BASTIDORES. Não vou perder o meu tempo.

Assim sendo, sem nenhum receio a equivocar-me a derrota de ontem tem 4 donos. Ponto!

O que fazer?

Sendo extremamente frio e imediatista torço para que os erros cometidos nas últimas partidas, principalmente ontem, sirvam de lição de cara aos jogos contra o Cerro Porteño e o Criciúma. Que se aprenda como não devemos atuar. Pelo menos de cara a salvar o dinheiro das classificações.

Nesse ínterim não olvide de fazer a sua parte… O clube está no leito de morte, só não vê quem prefere a obtusidade assalariada ou de apedeutos conformistas.

Se for através de um processo político desde já declare a sua contrariedade à reeleição do existente mandatário. Evidentemente apresentando alternativas de peso, sem qualquer rasgo de possível estelionato eleitoral, sem promessas que não ultrapassem a barreira do papel.

Agora se você for daqueles que acreditam que a salvação exclusivamente ocorrerá de fora para dentro, procure a Justiça, o Ministério Público… É esse um dos caminhos. Talvez o MP se interesse pelo caso LIVE SORTE, pela venda do Pedro (que tal perguntar ao Duquecaxiense como ele se sente nessa parada), pelas vendas do Spadaccio e do Rafael Resende…. Até mesmo proteja aos sócios efetivando o voto ONLINE.

Humildemente procuro fazer a minha parte. Não deixe para fazer a sua meramente após derrotas por 4 a 1.

ACORDA BRÁZ MAZULLO!

Você é o Presidente do Conselho Deliberativo do Fluminense… A sua trajetória profissional não condiz com o posicionamento de um capacho. E você ainda não é um. Você é maior, é o dono da palavra final:

VOTO ONLINE JÁ!!!

“Y así fue como aprendí que en historias de dos conviene a veces mentir…

Que ciertos engaños son, narcóticos contra el mal de amor…” (MENTIRAS PIEDOSAS – Joaquim Sabina)

Antonio Gonzalez

Ps.: essa imagem diz tudo, assim se comportavam as gerações exigentes quando faziam parte das NOVAS GERAÇÕES EXIGENTES.

O FFC havia brilhantemente conquistado o Carioca de 1980 e havia sido (que merda) 5° colocado no Brasileiro de 1982.

20 dias antes do começo do Carioca de 1983, a Força Flu voltou a pichar os muros das Laranjeiras. Dias depois foram contratados o Assis e o Washington…

O RESTO DA HISTÓRIA VOCÊS SABEM… SE NÃO CONHECEM, ESTUDEM.