“Descanse em paz eterno Tricolor” – Por Wagner Aieta

Aos 84 anos morre em SP Jô Soares.

O apresentador, humorista, ator e escritor Jô Soares morreu às 2h30 desta sexta-feira (5), aos 84 anos. Considerado um dos maiores humoristas do Brasil, o apresentador do “Programa do Jô”, exibido na TV Globo de 2000 a 2016, estava internado desde 28 de julho no Hospital Sírio-Libanês, na região central de São Paulo, onde deu entrada para tratar de uma pneumonia.

A causa da morte não foi divulgada. O enterro e velório serão reservados à família e amigos, em data e local ainda não informados.

O anúncio da morte foi feito por Flávia Pedra, ex-mulher de Jô, e confirmada em nota pela assessoria de imprensa do Hospital Sírio-Libanês

Texto extraído do site GE. https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2022/08/05/jo-soares-morre-em-sao-paulo-aos-84-anos.ghtml

“Fui muito feliz aqui”, Ganso declara depois de comemoração de gol contra o Santos

Após comemoração de gol contra o Santos, PH Ganso comentou:

-Não é nem provocação. É agradecer mesmo. Fui muito feliz aqui. Agradeço o carinho, apesar que xingam quando jogam contra. Tenho enorme carinho pelo clube, quem sabe um dia possa voltar.

FOTO DE MARCELO GONÇALVES / FLUMINENSE FC 

“EU NÃO VI BRIGA NENHUMA, NÃO VI NECESSIDADE DELES (PM) USAREM GÁS DE PIMENTA E NEM ARMAS…, DISSE O TORCEDOR FERIDO” – Por Rodrigo Amaral

EXCLUSIVA

O Fluminense venceu o Bragantino por 2×1 no domingo dia 24/07/2022, com isso o Tricolor terminou o primeiro turno em 3° lugar no Brasileiro, mas teve um outro fato que ganhou destaque, ao término da partida a ação da PM contra torcedores do Fluminense causou revolta a todos que estavam no jogo e àqueles que viram os vídeos amplamente divulgados nas redes sociais, mas o que chamou atenção foi que, após o Fluminense pedir, de forma oficial que fosse aberta investigação para apurar o fato ocorrido, a Assessoria de Imprensa da PM soltou a seguinte nota que foi veiculada pelo portal GE.com, veja:

Com isso a equipe FLUNEWS apurou que houve sim pelo menos um ferido, trata-se do Torcedor chamado Rafael Lobato, que nos relatou que não houve nenhum tipo de briga na arquibancada e que os torcedores estavam comemorando a vitória e que alguns torcedores sentaram na grade de proteção da arquibancada, mas que estavam de costas para o gramado esperando as pessoas saírem.

Selecionamos algumas imagens da ação do policial, foram pelo menos dois tiros a queima roupa mirados nos torcedores do Fluminense, vejam:

Vejam o tipo de ferida causada por essa arma chamada de não letal, que atingiu a perna de Rafael:

O Video já foi publicado por nós em nosso instagram.

O Fluminense joga quinta-feira no Castelão a primeira partida das quartas de Final da Copa do Brasil contra a equipe do Fortaleza as 20:30 com transmissão apenas pelo Amazon Prime Videos, o Fluminense colocará Telão nas Laranjeiras para que os Torcedores possam acompanhar a partida.

Muito obrigado Dr. Celso Barros (texto Frente Ampla Tricolor) – Por Wagner Aieta

Agradeço ao Antonio Gonzalez e a Frente Ampla Tricolor por ter dado a permissão para que eu pudesse publicar esse excelente texto no Canal Flunews.

O meu muito obrigado também ao Dr. Celso Barros, que graças a ele a geração de Torcedores do Fluminense do século XXI não ficaram sem um ídolo por décadas assim como eu!!

Segue o excelente texto.

Muito obrigado Dr. Celso Barros (por Frente Ampla Tricolor)

Faltam poucas horas para a aposentadoria do maior ídolo da história do Fluminense neste século XXI, o artilheiro, o grande artilheiro Frederico Chaves Guedes, o nosso Fred.

Mas, mesmo o momento refletindo a emoção da despedida impossível se faz não voltar no tempo, há 13 anos… em 2009.

Recordar é viver!

No dia 27 de fevereiro de 2009, o Jornalista Leandro Menezes assinava para o goloboesporte.globo.com a matéria que levava consigo o seguinte titular:

“Fred é jogador do Flu por cinco anos”!!!

O subtítulo afirmava que “Atacante assina pré-contrato e aguarda a homologação do fim do vínculo com o Lyon para poder ser anunciado e apresentado oficialmente”.

E no 1º parágrafo do texto constava: “O atacante Fred, do Lyon, assinou nesta sexta-feira um pré-contrato com o Fluminense. Segundo o coordenador de futebol tricolor, Alexandre Faria, o jogador vai defender o clube por cinco temporadas. Para assinar o vínculo definitivo o atleta ainda aguarda a homologação da sua rescisão com o clube francês na Federação Francesa de Futebol, o que deve acontecer na próxima terça-feira. Ele poderá ser apresentado neste mesmo dia.”.

A própria redação da globo.com anteriormente abria o jogo em 20 de janeiro de 2009: “Lyon libera Fred e Fluminense abre as portas, mas mantém os pés no chão”. O jogador havia sido liberado pelo clube francês.

O jornal L’Équipe se manifestou a respeito: “O jogador confirmou, em entrevista ao jornal L’Équipe, que Fluminense e Palmeiras largaram na frente.

  • Nunca tive contatos com Cruzeiro, São Paulo ou Stoke City (ING). Comecei a conversar com Palmeiras e Fluminense, mas ainda não houve proposta concreta. Elas podem chegar amanhã ou mais tarde. Eu espero. Quanto aos clubes europeus, não posso dizer nada sobre negociações. Meu objetivo é o de permanecer na Europa, mas preciso mesmo de uma equipe onde eu reencontre minha melhor forma e o prazer de jogar. Além disso, quero voltar à seleção brasileira, e isso será mais fácil no Brasil. – declarou.”.

(época em que disputávamos jogadores com o Palmeiras… ultimamente com o América Mineiro)

Uma novela. Digna do horário nobre tipo Pantanal.

Até que 4 de março, daquele 2009, o portal UOL publicava a matéria assinada pelo Jornalista Pedro Ponzoni:

“Fluminense encerra novela e anuncia contratação de Fred”.

“Enfim, acabou a novela. O Fluminense anunciou oficialmente a contratação de Fred, que havia se desvinculado do Lyon-FRA na última semana. O atacante assinará contrato por cinco anos com o Tricolor e será apresentado nesta quinta-feira, ao meio-dia, nas Laranjeiras.”.

A nossa torcida enlouqueceu: “É o Fred!”.

“Sorria! É tempo de sorrir sorria!”: Assim pensava a geração de torcedores que tinha seus quarenta e poucos anos e já havia vivido contratações como as do Félix, do Flávio, do Manfrini, do Gil, do Rivelino, do Paulo Cézar, do Claúdio Adão, do Whashington, do Assis, do Romerito e do Renato Gaúcho, todos craques que vieram de fora, alguns com o perfil intacto, todos sabendo o real tamanho do nosso clube. Agora é a hora do Fred.

E o Fred chegou, no latim ficaria claro: Vini, vidi e vici…

Assim diziam os periódicos do dia 5 de março:

“Bastava Fred ameaçar mexer os lábios para os torcedores irem ao delírio. Foi este o tom apresentação do atacante ao Fluminense. Visivelmente desconcertado com tanto ‘paparico’, o jogador se emocionou ao proferir as primeiras palavras como tricolor.

“Só quero agradecer essa recepção maravilhosa. Nunca vivi uma coisa tão gostosa e prazerosa. Cheguei a me arrepiar. É bom demais e fico muito mexido em viver esse calor novamente. Isso me faz feliz”.”.

Ali nascia uma grande história de amor que amanhã chegará ao mais alto da montanha.

Fred, o ídolo, vai se retirar do futebol profissional.

13 anos desse amor intenso.

Ele mesmo disse no dia 18 de agosto de 2010, quando antecipou a sua renovação e passou a receber o equivalente ao que ganhava o Deco:

“Quero ser campeão, fazer história no Fluminense, me tornar um ídolo, ser um grande jogador para a história do clube”.

Missão cumprida.

Sim, mas a primeira missão cumprida foi a de quem possibilitou a vinda do jogador.

O grande responsável de hoje podermos, nós os tricolores, dizer em vida que vimos um dos maiores ídolos da história do Fluminense em campo, tem nome e sobrenome:

Dr. Celso Barros!

Ou simplesmente o mesmo Celso Barros que em 1999, em um dos piores momentos da história do clube, estendeu as mãos ao clube, arregaçou as mangas e contribuiu ao soerguimento da instituição.

Ou o, carinhosamente chamado pela torcida, Tio Celsão. Que foi quem permitiu ao Fred encontrar pelo caminho jogadores do quilate de um Conca, de um Deco, de um Thiago Neves, de um Jean, de um Emerson, de um Whashington Coração Valente, de um Diego Cavalieri e treinadores da envergadura de Muricy Ramalho e Abel Braga.

Durante 13 anos pensamos e cantamos “o Fred vai te pegar”… Mas não podemos esquecer do verdadeiro autor que possibilitou essa música.

A história do Fluminense não pode, nem vai ser reescrita por atos de covardia, menos ainda por espelhos cheios de sombras de vaidades mentirosas.

Nesse instante de louvor e justo agradecimento ao ídolo Fred, a Frente Ampla Tricolor se levanta e de pé aplaude, agradecendo, ao Dr Celso Barros não somente pela contratação do magistral artilheiro dos 199 gols (até hoje), mas também por toda a trajetória como apaixonado tricolor, benfeitor que escreveu, por direito e honestamente, o seu nome na nossa história.

Finalizando, o excelente cronista André Barros, do Canal Flunews, escreveu no dia 18 de dezembro de 2018:

“Acho avaliação de dada pessoa – ou fato – à luz da História requer distanciamento crítico e neutralidade, atributos que aumentam à medida que o tempo passa.

Nessa linha, consta que, indagado, em 1972, sobre os efeitos da Revolução Francesa, que tivera lugar em 1789, o premiê chinês Zhou Enlai teria dito algo como “… é muito cedo para tal avaliação […] são necessários, pelo menos, 500 anos para tal…”.

Trazendo tal raciocínio para o Fluminense, não são necessários 500 anos para que se reconheça que o Dr. Celso Barros foi – e é – um dos mais influentes tricolores do primeiro
quartil do século XXI. E, embora não seja uma unanimidade, é o único tricolor vivo que pode se dirigir à torcida falando “… olho no olho…”. Repito: é o único, goste-se dele ou não!”.

Dr. Celso Barros:

A FRENTE AMPLA TRICOLOR LHE AGRADECE

“FRED, SIMPLESMENTE ETERNO!” – Por Rodrigo Amaral

“FRED, SIMPLESMENTE ETERNO!”

Guerreiros e Guerreiras, eis que é chegada a hora do Adeus, de forma oficial, em jogos oficiais, do nosso maior ídolo dos tempos modernos, um dos maiores de todos os tempos, Fred sempre mostrou todo seu carisma e sua vocação de artilheiro aqui nas laranjeiras, criou um laço de amor e reciprocidade com o torcedor, como diria Roberto Carlos, foram tantas emoções… Lembramos com êxtase de um título, a arrancada de 2009, onde Fred com gols decisivos nos deu a alcunha do TIME DE GUERREIROS entre tantos outros títulos importantes. Em 2003, ainda sendo um jogador das categorias de base do América – MG, Fred despertou interesse do Flu, mas gravatinha ágil de forma sábia, sabia ele que não era o momento e com isso o “liberou” para o Cruzeiro e posteriormente em 2005 ele acabou arrumando as malas para ir pra França, Olympique Lyonnais e foi nesse momento que “Gravatinha” sussurrou ao seu ouvido: “quando voltar jogarás no único Tricolor do mundo e farás história.”


2009, o Cruzeiro tentou, mas FRED lembrou dos sussurros de Gravatinha e fechou com o Fluminense, o Flu da era Unimed, postulante aos títulos dos campeonatos que disputava, e se agradecemos à Unimed a nossa ressurreição, podemos agradecer pela sua parcela de contribuição a idolatria ao FRED, após estrear marcando gol contra o Macaé e chegar aos 150 gols na carreira contra o Avaí, pouco tempo depois FRED se contunde e fica 3 meses fora…. e ele volta com a força do destino para a eternidade, seria um plano de “Gravatinha’? Quando em 29 de outubro FRED marca e o Flu derrota o Atlético MG por 2×1, éramos o último colocado do brasileirão e numa virada sensacional de 3×2 sobre o Cruzeiro o Fluminense reergueu a cabeça e foi em busca do impossível, FRED marcou 8 gols nos últimos 10 jogos daquele ano e de quebra veio o vice campeonato da Sulamericana.


2010, apesar de não chegarmos as finais do carioca nem da Copa do Brasil, FRED fez 7 gols em 9 jogos no carioca e 6 gols em 5 jogos na Copa do Brasil, mas o melhor estava reservado, título Brasileiro de 2010, apesar das lesões.


2011, aquele jogo épico contra o Argentino Juniors, FRED marcou 2 e o Flu passou de fase num sonoro 4×2, no melhor estilo TIME DE GUERREIROS, ainda neste ano FRED marca seu gol de número 200, numa linda bicicleta contra o Coritiba, em 13 de outubro, onde o FLU triunfou num tremendo 3×1 com três gols do ídolo. Ele ainda marcou quatro vezes contra o Grêmio na vitória de 5×4 e o FRED fechou o ano com 22 gols em 25 jogos, artilheiro do Brasileirão
2013, Fred defende o Brasil na Copa das Confederações e se consagra artilheiro da competição ao lado de Fernando Torres da Espanha.


2012, mais um Brasileiro, dessa vez como protagonista, marcando dois gols no último jogo contra o Palmeiras, no dia 30 de setembro fez o gol mais bonito com a camisa do Fluzão, no Fla- FLU, aquele lindo voleio que ficou na memória de todos, em 21 de outubro fez o 100º gol com a camisa Tricolor.


2014, FRED chegou a 29 gols em 31 partidas pela Copa do Brasil, ali se tornou segundo maior artilheiro da competição, atras de Viola e foi Artilheiro do Brasileirão com 18 gols, ganhou a chuteira de ouro e ainda defendeu a seleção Brasileira e após fracasso da seleção canarinho, FRED foi carregado no colo pela torcida do Fluminense, com muito apoio e demonstrações de carinho vindo de todas as partes do planeta.


2015, contra o Botafogo, FRED marca o gol nº 150 com a camisa Tricolor e passa a ser o MAIOR ARTILHEIRO DA HISTÓRIA DO FLUMINENSE EM JOGOS OFICIAIS, se tornou o maior artilheiro do Campeonato Brasileiro na era dos pontos corridos no dia 31 de maio, após marcar dois gols na vitória do Fluminense por 3-2 sobre o Flamengo, tornando-se também neste dia o maior artilheiro do clássico Fla-FLU na História do Campeonato Brasileiro, com seis gols.

2020, FRED retorna ao Fluminense, pedala de Bike de Minas ao Rio e chega de forma triunfal à Laranjeiras, numa ação de Marketing rendeu alimentos para os necessitados.

2021, FRED marca o gol 400 na carreira diante o Nova Iguaçu, em 22 de abril, ao marcar contra o River Plate FRED se torna o quinto maior artilheiro da Libertadores, 26 de abril FRED marca os 2 gols na vitória de 2×1 contra o Independiente Santa Fé e se torna o 2º MAIOR ARTILHEIRO DA HISTÓRIA DO FLUMINENSE, com 185 gols, atrás apenas de Waldo com 319, já no dia 03 de agosto FRED garante a vitória Tricolor contra o Cerro e além de classificar o Fluzão para as oitavas da Libertadores ele de quebra chega ao 3º lugar geral da artilharia da competição em todos os tempos e diante do Barcelona de Guayaquil, no empate de 1×1 que eliminou o Flu, FRED deixou sua marca e se tornou, ao lado de Palinha, com 25 gols o segundo Brasileiro com mais gols na competição, No dia 26 de setembro no Maracanã, na vitória contra o Bragantino, o FLU vence por 2×1 e Fred deixa o seu e se torna o segundo maior artilheiro da competição com 155 gols, 1 a mais que Romário, ficando atras apenas de Roberto Dinamite com 190.


2022, mesmo com algumas limitações físicas notórias FRED continua fazendo história e ao marcar, na Copa do Brasil, diante o Vila Nova, se tornou o MAIOR ARTILHEIRO DA COPA DO BRASIL com 37 gols.


O texto até aqui, havia sido escrito antes do dia 02 de julho, e o Gravatinha aprontou novamente, sentou-se ao lado de seu criador, Nelson Rodrigues e traçaram novas linhas para essa história que parece não ter fim, todos queriam ver o FRED em Campo, Maracanã com mais de 40 mil torcedores, o placar já marcava 3×0 e mesmo assim a torcida pedia o artilheiro, “ o FRED vai te Pegar!” gritavam os torcedores e eis que ele tira seu colete e vai correndo pra lateral do campo, entra, tenta um gol de falta, que convenhamos nunca foi sua especialidade, mas, como diria meu amigo Renato Thor, Presidente do GRES Paraíso do Tuiuti, “Deus não dorme”, e pelo visto Gravatinha e Nelsinho também estavam bem acordados, certamente ao lado de Deus, que sorridente disse, “Essa Torcida merece se emocionar, Fred merece esse amor!” e assim a bola vem cruzada e ai sim, FRED fez o que sabe e sempre soube, e com certeza nunca deixará de saber, arremata de “prima”, “é saco!”, “rede!”, “Tá no filó!”, “bingo!”, “tem peixe na rede do Corinthians!”, “choveu na horta Tricolor!”, grite como quiser, é mais um gol do FRED, o de número 199, É O FRED, É O FRED, É O FRED!


FRED foi um alento ao torcedor Tricolor, aquele super herói em que se pode confiar, o Guerreiro que não foge da luta, o capitão que não abandona o barco, FRED virou história, virou lenda, seus feitos, suas façanhas serão contadas por séculos, se o FRED ajudou no crescimento do Fluminense, o Fluminense o fez ETERN9, alguns podem até fazer algumas críticas, mas ninguém poderá apagar a história, os números e todo o amor que existe entre o FRED, O FLUMINENSE E A TORCIDA MAIS BONITA DO MUNDO.

OBRIGADO POR TUDO DOM FREDON!

Obs. Será que o Gravatinha aprontará novamente dia 09? Nove?! É a do FRED! Quem sabe…?!

“NUNCA FOI SÓ FUTEBOL!” – Por Rafael Castro

NUNCA FOI SÓ FUTEBOL!

Olá, Guerreiros!

Hoje não falarei exclusivamente para tricolores, apenas sobre bola em campo ou gestão. Tentarei aliviar um pouco meu coração com mais uma homenagem ao meu filho e em especial uma exaltação à magia do futebol!

Em 26/06/2003 segurava meu filho em meus braços pela primeira vez. Não tinha dimensão do quanto ele me preencheria de amor e daria razão para todos os passos da minha vida. Minha única certeza é que ele já sairia do hospital com armadura do FFC e que em breve estaria nos estádios comigo.

E quem nos conheceu juntos sabe do que estou falando…vivemos de tudo que há numa relação entre pai e filho, com seus erros e acertos, cobranças e aplausos, mas sempre com sinergia plena acompanhando nosso tricolor, seja no RJ ou fora dele, quando era possível.

Em 11/06/2022 saímos juntos do Maracanã cantando efusivamente o hino após uma derrota. Obviamente não sabíamos, mas seria a última vez e precisava ser de um jeito onde ficasse marcado que o “sentimento é maior que o placar”, que “nunca foi só futebol”.

Horas antes dessa partida o deixei radiante. Comprei passagens para irmos a BH para o duelo da Copa do Brasil contra o Cruzeiro em 12/07/2022, divulguei nos grupos que participávamos juntos dizendo que em 2019 eu estava lá sozinho, saímos de um jogo épico eliminados, mas que dessa vez seria diferente, pois teríamos do nosso lado Fábio e Fred, mas principalmente meu grande tesouro comigo. Ele ficou muito vaidoso!

Horas depois começava a maior tempestade da vida de um ser humano. A dor não cabe em palavras. Até os sonhos mais bonitos machucam. Não fosse tanto amor, amizade e alguma força que ainda consigo extrair divina, não estaria de pé para receber tanto carinho nas despedidas, onde além de familiares e amigos, gostaria de agradecer em público aos Srs. Ricardo Conceição e Mario Bittencourt, tanto pela homenagem no velório, quanto pelo minuto de silêncio no Maracanã, nossa segunda casa.

Preciso agradecer muita gente e com um pouco mais de tempo vou me fortalecendo para tal. Mas aqui, farei dois agradecimentos bem pontuais:

  • Fred, eu e meu ainda pequeno, estávamos na sua estréia contra o Macaé em 2009 e em praticamente todos os momentos marcantes que você teve com nossa armadura. Você nos trouxe muita alegria, ídolo;
  • Manoel, você foi o escolhido por Deus para me trazer algum calor no coração com seu gol da vitoria neste último domingo. Para a mídia, para os torcedores e talvez até pra você, sua obra de arte foi algo improvável, mas pra mim, não!

14 dias após a despedida, domingo, 26/06, estaríamos comemorando os 19 anos do meu tesouro. Não havia celebração, apenas choro ao tentar acompanhar pela TV a partida. O futebol, em especial o Fluminense, foi e sempre será nosso principal ponto de encontro. Se hoje não mais fisicamente, isso não mudará pela presença de espírito e o amor que transborda em meu peito.

Manoel, seu gol ontem não foi apenas obra do seu excelente trabalho. Seu gol ontem foi um presente orquestrado pelos Deuses do futebol. No dia 26/06 mais sofrido de minha vida, eu já olhava para sua camisa durante toda partida e sabia que do número “26” viria “inexplicável”, viria a prova de que “nunca foi só futebol”.

Buscarei em breve ter uma camisa “26” do Manoel, que pra mim, entra no hall daqueles ídolos que jamais esqueceremos, e nem sempre por gols e títulos.

Buscarei também forças para estar no Mineirão 30 dias após a despedida, voltando com a classificação, como fora profetizado ao anunciar que estaríamos juntos lá. Não sei se consigo controlar tanta emoção, mas tentarei ir para senti-lo comigo nesse último plano feito pra nós dois.     

Manoel, “nunca foi só futebol”, e você com sua camisa 26 nesse último dia 26 só reforçaram isso. Muito Obrigado!

Filho, “Te levarei no peito; desde o berço até….o Reencontro”!

Rafael de Castro Ladewig de Araujo.

Meu sangue é grená com glóbulos verdes e brancos.

“Faz o L Presidente” – Opinião Antonio Gonzalez

“Faz o L Presidente”

Hoje, às 19h15 (horário de Brasília), o Fluminense entrará em campo, para disputar uma batalha decisiva, na Sulamericana, contra o Unión Santa Fe, na Argentina. A partida será disputada no Estádio 15 de abril e somente a vitória interessa.

Depois de bater na porta da Libertadores e ficar do lado de fora de forma humilhante, o nosso Tricolor tem por OBRIGAÇÃO passar de fase nesse torneio de consolação que é a Sulamericana.

Cabe ao treinador Fernando Diniz encontrar a fórmula mágica para sair vitorioso.

E muito cuidado!

Como dizia o saudoso, único e eterno ex Presidente Manoel Schwartz (homem íntegro, que colocou no clube, enquanto ocupava o cargo, muito dinheiro do próprio bolso, como por exemplo na contratação do Romerito): “Futebol também se ganha dentro de campo”. Portanto muito cuidado porque o VAR não estará presente.

Ontem participei do VINI PODCAST, do Vinícius Toledo. Só tenho palavras de agradecimento. Recebi muitas mensagens, fiquei lisonjeado.

Mas uma das mensagens me chamou muito a atenção: a do Seu Frederico, desde o Piauí. Ele vive na localidade de Malvada dos Porcos, no município de São Julião.

Fiquei muito emocionado em saber, uma vez mais, da grandiosidade do Fluminense. Seu Frederico tem a minha idade, 60 anos (foi uma das primeiras pessoas a nascer no município que foi fundado 18 de dezembro de 1960) e conhece como poucos a história do clube. Assim como eu, define a Francisco Laport, a Francisco Horta e a Manoel Schwartz, como os melhores presidentes do Tricolor nesses últimos 60 anos.

Trocamos muitas mensagens a ponto que lhe perguntei como era viver em São Julião. Ele foi claro: “isso aqui era um lugar tranquilo, até que apareceram uns fofoqueiros que desvirtuaram o alto astral que existia no município… é um tal de X-9 pra cá, fake news pra lá…”.

Enfim, são pessoas como o Seu Frederico, que se aposentou recentemente, que constroem a verdadeira história do Fluminense.

Por isso vou dedicar ao Seu Frederico a canção de minha autoria junto ao meu irmão Claúdio Kote:

De resto, hoje tem que ser VENCER OU VENCER!

Faz o L Presidente!!!

“Fluminense fará parte da comissão para discutir a LIBRA” – Por Rodrigo Amaral

Em Reunião hoje, para dar mais um passo à constituição da LIBRA , Fluminense fará parte da comissão composta por 6 representantes de time que debaterão com os representantes da LIBRA a divisão de receita por engajamento de torcida, os clubes representados são Fluminense, Internacional, América MG, Atlético MG Fortaleza e o Presidente da Associação Nacional dos Clubes de Futebol (ANCF), que representará os Clubes da serie B.

Lembramos que o Fluminense já se posicionou contrário a proposta inicial da LIBRA que não dá transparência e nem determina de que forma será feito a fiscalização e divisão das receitas através desse item, o qual o Fluminense defende ocupar 25% da receita e a Libras 30%.

“A LIGA, se Liga!” – Por Rodrigo Amaral

A LIGA, se Liga!

Guerreiros e Guerreiras, muito tem se falado a respeito da tal LIGA, de nome engraçado, LIBRA, que poderia ser moeda estrangeira ou até mesmo uma unidade de medida, mas que a analogia até caberia, o dinheiro para fomentar a criação pode vir de fora e a sua distribuição não pode ter dois pesos e duas medidas, então sigamos nessa linha, linha do desconforto, das muitas noticiais que só servem para embaraçar nossa cabeça, vamos falar nesse texto, de pouco romantismo, sobre o posicionamento do Fluminense.

Para começar a falar sobre a criação da LIBRA, temos que compreender uma coisa, a LIGA não foi formada de ontem pra hoje, uma negociação de tão grande vulto, que movimentará bilhões não nasceu da noite pro dia, certamente conversas vêm sendo mantidas a mais de 8 meses, para que aí pudesse ser traçado o embrião dessa Associação de Clubes que mudará a forma de organizar o Futebol Brasileiro, pelo menos esperamos que mude para melhor e nessas conversas temos algumas figuras a serem destacadas:

  • Família Zveiter
    • O desembargador Luiz Zveiter chegou a presidência do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) em 1996 a convite do então presidente Ricardo Teixeira, que curiosamente em 1999 passou o cargo para o irmão Sérgio, mas voltou a ocupar o cargo em 2000, e foi em 99 que ocorreu a virada de mesa que salvou o Botafogo, time de Luiz Zveiter, para quem não se recorda é o caso Sandro Hiroshi, onde o jogador tinha sua certidão de nascimento adulterada e a CBF solicitou a correção e lhe deu condição de jogo, mas Sergio Zveiter entendeu num momento posterior que a punição cabia ao São Paulo F.C. e com isso concedeu os pontos da derrota para o Botafogo, que culminou com a ação do Gama e a partir daí já sabemos o que ocorreu. Sigamos com os Zveiter, em 2001, ainda estudante de direito, Flavio, filho de Luiz, passou a integrar a comissão disciplinar do STJD, em 2005 já com o curso finalizado passou a Auditor do Tribunal. Vale lembrar que o pai de Sergio e Luiz, Waldemar Zveiter foi Ministro do Superior Tribunal de Justiça. Luiz Zveiter em 2001 suspendeu por 30 dias Armando Marques, então presidente da comissão de arbitragem, que ofendeu Paulo Cesar de Oliveira na sua atuação no jogo Vasco x Paraná, jogo em que o presidente vascaíno, Eurico Miranda, invadiu o Campo e não recebeu qualquer tipo de punição pela sua atitude antidesportiva e a forma que Eurico achou para agradecer a gentileza foi sair em defesa de Zveiter numa briga acirrada pelo poder dentro do STJD entre Ricardo Teixeira e o próprio Luiz, podemos dizer que era uma briga em criador e criatura, com vitória da família Zveiter. Luiz Zveiter também teve atuação impactante no caso Edilson, onde foram anuladas 11 partidas do Brasileiro de 2005.

Hoje, adivinhem quem está coordenando a criação da LIBRA, pois bem, acho que ninguém acertou né, pois é, Flávio Zveiter é o representante da Codajás Sports Kapital (CSK) e mentor do Estatuto da LIBRA.

  • Reinaldo Carneiro Bastos
    • Atual presidente reeleito da Federação Paulista de Futebol, assumiu a Federação em 2015, se elegeu em 2018 e agora reeleito até 2026 e em seu discurso de posse ele diz: “- Se estou aqui, não é só porque eu quero. Essa é uma entidade de clubes e ligas e, para a gente pleitear algo, a gente precisa, minimamente, de apoio de todos. Ninguém se elege vereador sem voto. Você não se elege a presidente do Senado sem apoio. Se a gente quer pleitear, precisa de voto, tem que ter apoio. Essa é a regra básica.” Hoje na LIBRA é o representante dos seis clubes paulistas que já assinaram a criação da LIBRA, que são Corinthians (A), São Paulo(A), Palmeiras(A), Santos(A), Bragantino(A) e Ponte Preta (B)

Cabe ainda salientar que dentro de colcha de retalhos Reinaldo é um dos quatro novos vice-presidentes da atual Gestão da CBF

  • Rubens Lopes Junior (o Rubinho)
    • Presidente da Federação de Futebol do Rio de Janeiro, reeleito por aclamação no último mês de abril para seu sexto mandato, sendo assim Rubinho já está a 17 anos no poder e dessa vez teve um discurso alinhado para a defesa e aceitação junto a CBF da aprovação da LIBRA, entidade essa, CBF, que hoje ele é um dos quatro novos vice-presidentes.
    • Cabe uma observação, segundo a nova legislação em vigor desde 2016, os Dirigentes esportivos foram limitados a dois mandatos, com isso é o ultimo mandato de Rubens Lopes Junior e com isso o cargo ficará disponível para a eleição de 2025.

Apresentado ou melhor, lembrado algumas figuras que movimentam o futebol brasileiro, sigamos no que mais importa para nós tricolores que é a posição do Fluminense neste projeto, mas antes falemos um pouco sobre aos acontecimentos e formatação da LIBRA.

Dentro do processo de fundação da LIBRA alguns Clubes tomaram a frente e articularam a execução do estatuto, Flamengo, Corinthians, Bragantino, São Paulo, Palmeiras e Santos da Série A, Ponte Preta e Cruzeiro da série B, estatuto esse redigido por Flávio Zveiter que é representante da CSK, empresa que em sua página se autodescreve como tendo o objetivo de desenvolver novas oportunidades e investimentos no futebol brasileiro, ou seja, é uma espécie de intermediária para captação de investidores, mas ao mesmo tempo fica tão próxima do seu cliente a ponto de elaborar a alma do cliente, leia-se o estatuto da LIBRA, um fato que nos deixa pensativos. Como falado anteriormente esta colcha de retalhos, que ainda não está acabada, vem sendo costurada a algum tempo, mas os mentores sabem o que querem, e não se fazem de rogados para demonstrar isso, ao fazer a composição da divisão dos percentuais a serem distribuídos para os associados da LIBRA, fica bem claro o intuito de polarização, de supervalorização daqueles que hoje têm o maior poder aquisitivo para investimentos do Futebol Tupiniquim, chegaremos ainda nesse tema, calma. Fato importante nessa história, e que chama a atenção é a ânsia que esse bloco de clubes tem para a assinatura e fundação da LIBRA, mesmo o tema sendo de suma importância, sem maiores aprofundamentos e discussões com todos os interessados, e esse bloco vem com um argumento muito raso para a assinatura, a de que é agora ou nunca, já passou da hora, não dá pra ficar mais uma década vendo crianças usando camisas de times europeus e repetindo o clichê: é outro esporte. Reunião marcada para o dia 03 de maio, com o argumento de que seria uma reunião entre o bloco “fundador” e os demais

clubes, fomos representados não pelo nosso Presidente, que estava com a agenda ocupada por uma reunião de negociação contratual, com isso designou o Vice de Relações institucionais, Mattheus Montenegro, advogado tributarista, sócio do escritório Bichara Advogados, Procurador Adjunto Tributário do Conselho Federal da OAB entre outras nomeações dentro da área do direito Tributário. A recepção do G8 (grupo dos 8 fundadores, o chamaremos assim) ao grupo que se auto intitula Futebol Forte, formado por América-MG, Atlético-GO, Atlético-MG, Athletico, Avaí, Ceará, Coritiba, Cuiabá, Fortaleza, Goiás e Juventude e os demais Clubes presentes na reunião, foi uma tremenda casa de caboclo* e tão logo o Presidente do São PauloF.C. teve o direito da palavra, dissertou sobre a importância daquele dia para o Futebol Brasileiro, pois seria naquele dia assinado a fundação da Liga que mudaria o Futebol Brasileiro, face a fala do presidente são-paulino todos os demais presidentes incrédulos ficaram, pois a chamada era para um debate e não para sacramentar nada, com isso o impasse se estabeleceu.

Na lista ainda faltam alguns Clubes, Botafogo, Internacional, Fluminense da Série A, além de outros da Série B, como o Grêmio e Vasco, que num primeiro momento ficou com o pé atrás, até porque dependia de um entendimento interno com a SAF 777 que já adiantou receita para o Clube, mas acabou entendendo que deveria assinar, com isso o Vasco hoje já é membro da LIBRA e o Grêmio está em posição neutra, aguardando os acontecimentos. Botafogo e Inter ficaram num ponto de inércia, querendo ser os moderadores para que pudessem ter algum protagonismo e articularem a aproximação entre o Futebol Forte e o G8.

O Fluminense foi procurado no inicio para compor o grupo de fundadores, o intermediário foi o Dr Flávio Zveiter, mas ao ver a forma e termos do estatuto e a divisão das receitas posicionou- se contrário a este formato já que o abismo entre os clubes continuaria enorme, sendo assim o Fluminense é favorável a LIGA, mas não nos moldes apresentados

Vale destacar que a “PL do Mandante” aqui no Brasil diz que o mandante tem a prerrogativa da negociação dos direitos de transmissão, assim como é lá fora, mas uma diferença drástica existe, lá negociam em bloco, coletivamente e aqui individualmente, o que diminui muito o poder de barganha.

Para que possamos entender um pouco o que vamos traçar um paralelo

Critérios de divisãoAlemanhaEspanhaItália / FrançaInglaterraLIBRA
Igualitária53%50%50%50%40%
Performance42%25% (média dos últimos 5 anos)30%25%30%
Engajamento25%20%25%30%
Outros critérios5%

Na divisão da Premier League a divisão igualitária chega a 68% se levar em consideração a venda internacional, não somente os 50% da venda doméstica, e é esse modelo que o Fluminense julga ser o mais justo para manter um equilíbrio pra o campeonato, mas salientando que o Fluminense discorda dos parâmetros do rateio do percentual sobre engajamento, a LIBRA bota um peso grande em cima do tamanho da torcida através de uma pesquisa feita pelo IBOPE, pois a pesquisa não é clara sobre aqueles torcedores que consomem o produto futebol, não traz muita

Caixa de texto: Casa de Caboclo* Termo usado no submundo da marginalidade. Armadilha, traição, crocodilagem.

clareza sobre os percentuais, e quando se fala na forma de mensurar o percentual de audiência sobre a transmissão de tv a conversa fica ainda mais nebulosa, afinal além de não ser claro, de não estar definido de que forma será feito, ainda fazem o discurso de que esse tipo de discussão pode ficar para um momento posterior, ou seja, depois que todos assinarem um contrato (estatuto) de adesão a LIBRA. Ora caros amigos, como alguém em sã consciência assina algo de tanta importância, principalmente quando se trata de um dos objetivos fins que é a divisão de receita, sem ter uma regra clara e transparente? Como assinar algo sem saber o que vai receber ou discordando do que vai receber?

A Planilha acima retrata a divisão do último Brasileirão equiparando a um cenário em que a LIBRA estivesse executando o seu planejamento de rateio, vejam que desta forma os últimos colocados, os quatro rebaixados receberiam 0,86% do total cada um, mas esse percentual para ser repassado para eles viria sendo retirado a partir do 6º colocado e os 5 primeiros colocados aumentariam assim o abismo financeiro para a parte mais baixa da tabela.

O Fluminense não aceita esse tipo de divisão, pois a luta é pelo equilíbrio e fica clara que da forma que está sendo quase que imposta a adesão o abismo tende a aumentar, afinal hoje os clubes com maior poder de investimento têm a maior probabilidade de ocuparem ao final do campeonato uma das 5 vagas do topo da tabela.

A discussão é muito ampla, tem muito por menores, mas o intuito deste texto foi mostrar algumas particularidade e tentar ajudar a mostrar de uma forma clara o básico do que está ocorrendo nesta negociação e gostaria de deixar minha opinião muito particular, de um torcedor que vive o Fluminense e tenta ajudar sempre, esse debate, esse cabo de guerra, não é a Luta do bem contra o mal, todos os clubes estão lutando para alcançar seus objetivos e melhorar suas condições e o Fluminense esta tendo uma postura que deveria ter, se não tem o protagonismo de estar encabeçando o G9, pois o Vasco entrou no bolo, e quando o Flu foi procurando era G6, foi porque analisou que o que estava sendo apresentado não seria benéfico para ele, ou melhor, nós. Vale ressaltar que não existe peso nesta questão, o Clube da Série A vale o mesmo que o

da Série B, o que ajuda a engrossar o caldo é a quantidade de jogos que cada bloco pode oferecer, sendo assim Torcedor Tricolor, não é porque a maioria dos Clubes menos tradicionais, nacionalmente dizendo, estão com a mesma postura do Fluminense que o Flu se apequenou, pergunto o que você faria? Aceitaria assinar um contrato hoje onde a sua probabilidade de ganhos pode ser de 6 a 10 vezes menor que os que estão com grana para investir em grandes elencos? Sejamos claros, francos e diretos!

Hoje teremos mais uma reunião para tratar da LIBRA.

O texto é de responsabilidade do autor.

“Vou fazer de tudo para ajudá-lo”, Diniz comenta sobre John Kennedy em coletiva

Time Tricolor conquista segunda vitória no Brasileiro e dá salto na tabela. Confira o que o técnico Tricolor declarou sobre John Kennedy, envolvido em polemica recentemente

-Conversei com ele duas vezes. Da minha parte, vou conversar (…) o máximo que eu puder fazer por ele, vou fazer. é um grande talento e é mais um daqueles jogadores que por trás daquele jogador tem uma historia de vida (…) invés da gente acolher a pessoa como um todo a gente acolhe só o jogador. é uma falha gigantesca no futebol Brasileiro. A gente já perdeu muitos “John kennedys” por ai, continua perdendo. Vou fazer de tudo para ajuda-lo, para poder ter uma vida digna no futebol, principalmente quando ele parar de jogar, ele viva daquilo que ele construiu no futebol. – comentou o técnico Tricolor.